Manuel de Castela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Manuel de Castela
Infante de Leão e Castela
Senhor de Villena
Escudo de armas do Infante Manuel de Castela
Reinado 1252-1283
Sucessor(a) Dom João Manuel
Nascimento 1234
  Carrión de los Condes
Morte 25 de dezembro de 1283 (49 anos)
  Peñafiel
Sepultado em Mosteiro de Uclés
Dinastia Borgonha
Pai Fernando III
Mãe Beatriz da Suábia
Título(s) Senhor de Escalona, Peñafiel, Elda, Elche, Santa Olalla, Ágreda, Roa, Cuéllar, Chinchilla, Aspe, Beas, Alferes do Rei e Adelantado de Murcia.
Filho(s) Constância Manuel
Afonso Manuel
Violante Manuel
João Manuel
Sancho Manuel
Fernando Manuel
Enrique Manuel
Blanca Manuel

Manuel de Castela (Carrión de los Condes, 1234Penafiel, 25 de dezembro de 1283), senhor de Villena, de Escalona e de Penafiel, infante de Castela, filho do rei Fernando III de Castela e de Beatriz da Suábia. Era irmão mais novo do rei Afonso X de Castela.


Origens da família[editar | editar código-fonte]

Por seu lado paterno, era neto de Afonso IX de Leão e da Rainha Berenguela de Castela, que renunciou ao trono que recebera de seu irmão Henrique I de Castela, sendo ambos filhos do rei Afonso VIII de Castela. Do lado materno era neto de Filipe da Suábia, Rei dos Romanos e Duque da Suábia e de Irene Ângelo, filha de Isaque II Ângelo, Imperador do Império Bizantino.

Biografia[editar | editar código-fonte]

O menino Manuel nasceu na cidade de Palencia, Carrión de los Condes, em 1234, sendo o mais jovem dentre os filhos homens de Fernando e Beatriz da Suábia. Em 1252, recebeu como "apanágio" de seu pai, o senhorio de Villena. Em 1259, viajou para a Itália integrando a embaixada enviada por Afonso X, o Sábio ao Papa Alexandre IV, que aconselhou ao rei para que não fosse pessoalmente. O objetivo da embaixada era obter o apoio do pontífice para pretensões de Afonso X ao trono do Sacro Império Romano-Germânico[1] já que era filho de Beatriz da Suábia. Ele esteve presente nas Cortes de Sevilha de 1261. Em 1262, Afonso X entregou-lhe as vilas de Elche, Crevillente, Aspe e Vale Elda, ao mesmo tempo foi nomeado Adelantado de Múrcia, que juntamente com o seu senhorio, o tornaria um dos maiores senhores da península.[2]

Em 12 de março de 1266, os acordos de casamentos do Infante Manuel, viúvo da sua primeira esposa, com Constanza de Bearne e a do seu filho Afonso Manuel com Guilherma de Montecada foram assinados em Sevilha. No entanto, nenhum dos casamentos aconteceram.[3] Durante a revolta nobre de 1272-1273 contra seu irmão Afonso X, o Sábio, ele ajudou o monarca a negociar com os rebeldes, aconselhando seu irmão a fazer um pacto com eles.[4] Em 1275, em Montpellier morreu seu filho mais velho, Afonso Manuel, quando voltava de uma viagem à Europa na qual acompanhava seu tio, Afonso X, o Sábio.

Em 1275, o infante Fernando de la Cerda herdeiro do trono morreu e assim iniciou-se um debate sobre o direito de sucessão em todo o Reino de Castela e Leão em que alguns eram a favor de que, com a morte de Afonso X, ele deveria ser sucedido pelo seu filho mais velho, o infante Sancho, e por outro lado, tinha aqueles que defendiam que deveria ser sucedido por seu neto Afonso de la Cerda, filho de Fernando de la Cerda e até então menor. Em 1276, em Burgos, o infante Manuel defendeu os direitos do infante Sancho perante o seu irmão rei.[5]

O infante Manuel esteve presente na Assembleia de Valladolid, realizada em 20 de abril de 1282, na qual o Afonso X foi destituído de seus poderes e seu filho foi entregue ao infante Sancho, cabendo ao infante Manuel pronunciar a sentença contra seu irmão rei, cuja causa principal foi a execução em 1277, por ordem de Afonso X, do infante Fadrique de Castela, irmão de ambos.[6]

Morreu na localidade de Peñafiel, localizada na província de Valladolid, em 25 de dezembro de 1283, não sem antes exigir para seu filho Dom João Manuel a proteção do futuro rei Sancho IV de Castela.

Sepultura[editar | editar código-fonte]

Interior da Igreja do Mosteiro de Uclés.

Em 1261, o infante Manuel e sua primeira esposa a infanta Constança de Aragão, entraram na Ordem de Santiago e decidiram que seriam sepultados no mosteiro de Uclés, que era a casa mãe da Ordem.[7] Seu propósito era fundar uma capela e dotá-la de quatro capelães no Mosteiro de Uclés e receber seu enterro lá com sua esposa.

No entanto, está documentado que a capela nunca foi construída[7], e com a morte das duas crianças, os seus cadáveres foram sepultados juntamente com a de seu filho Afonso Manuel, falecido em 1276, no altar-mor da Igreja do Mosteiro de Uclés, do lado do Evangelho, em cova rasa colocada no buraco da parede do presbitério.

Posteriormente, é possível que as tumbas das crianças foram retiradas do Altar-mor e, segundo algumas fontes, hoje elas foram encontradas na cripta abaixo do templo, permanecendo lá sem identificação, bem como os restos de vários personagens notáveis que foram enterrados na cripta. Não obstante, é possível que os túmulos tenham sido destruídos durante a Guerra Peninsular, quando o Mosteiro de Uclés foi saqueado por tropas francesas.

No mosteiro de Mosteiro de Las Huelgas de Burgos existe um túmulo que é atribuído ao Infante Manuel de Castela[8], filho de Fernando III de Castela. Porém, na realidade, esta sepultura contém os restos mortais do menino Pedro de Castela, filho de Sancho IV de Castela e a Rainha Maria de Molina.[9]

Matrimónio e descendência[editar | editar código-fonte]

O infante Manuel de Castela casou-se duas vezes:

Em 1260 com Constança de Aragão, filha do rei Jaime I de Aragão, de quem teve três filhos:

Em 1274 com Beatriz de Saboia, filha de Amadeu IV, Conde de Saboia, de quem teve um filho:

Fora de matrimónio teve:

  • Sancho Manuel de Castela (1283-1345), senhor do Infantado e de Carrión, casado com Maria Rodrigues de Castanheda e depois com Inês Dias de Toledo (com descendência).
  • Fernando Manuel de Castela
  • Enrique Manuel de Castela
  • Blanca Manuel de Castela

Ancestrais[editar | editar código-fonte]


Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Arco y Garay, Ricardo del (1954). Sepulcros de la Casa Real de Castilla (em espanhol). Madrid: Instituto Jerónimo Zurita. Consejo Superior de Investigaciones Científicas. OCLC 11366237 
  • Colmeiro y Penido, Manuel (1883). Cortes de los antiguos Reinos de León y de Castilla (em espanhol). Madrid: Establecimiento tipográfico de los sucesores de Rivadeneyra, impresores de la Real Casa 
  • Gaibrois Riaño de Ballesteros, Mercedes (1922–1928). Sepulcros de la Casa Real de Castilla (em espanhol) 1ª ed. Madrid: Revista de archivos, bibliotecas y museos. OCLC 492177948 
  • Gaibrois Riaño de Ballesteros, Mercedes (1936). María de Molina, tres veces reina (em espanhol) 1ª ed. Madrid: Editorial Espasa-Calpe S.A. 
  • García de la Fuente, Arturo (1935). Los Castigos e documentos del rey don Sancho IV el Bravo. Estudio preliminar de una edición crítica de esta obra (em espanhol). [S.l.]: San Lorenzo del Escorial (Madrid) 
  • Gímenez Soler, Andrés (1932). Don Juan Manuel. Biografía y estudio crítico (em espanhol). [S.l.]: Zaragoza. OCLC 1124212 
  • Gómez Moreno, Manuel (1946). El Panteón de las Huelgas Reales de Burgos (em espanhol). [S.l.]: Instituto Diego Velázquez. Consejo Superior de Investigaciones Científicas 
  • González Jiménez, Manuel (1946). Alfonso X el Sabio (em espanhol) 1ª ed. Barcelona: Editorial Ariel S. A. ISBN 84-344-6758-5 
  • Ibáñez de Segovia Peralta y Mendoza, Gaspar (1777). Memorias históricas del Rei D. Alonso el Sabio i observaciones a su chronica (em espanhol). Madrid: Joachin Ibarra 
  • Lafuente, Modesto (1861). Memorias históricas del Rei D. Alonso el Sabio i observaciones a su chronica (em espanhol). Madrid: Establecimiento tipográfico de D. Francisco de P. Mellado 
  • Loaysa, Jofré de (1982). Crónicas de los Reyes de Castilla Fernando III, Alfonso X, Sancho IV y Fernando IV (1248-1305) (em espanhol) 2ª ed. Murcia: Academia Alfonso X el Sabio, Colección Biblioteca Murciana de bolsillo Nº 27. ISBN 84-00-05017-7 
  • Mariana, Juan de (1982). Historia General de España (em espanhol) Reedición ed. Madrid: Imprenta y librería de Gaspar y Roig, editores. OCLC 8097245 
  • Lomax, Derek W. (1982). «El padre de don Juan Manuel». Murcia: Don Juan Manuel. VII Centenario (em espanhol): 163-176 
  • Salvador Martínez, H (2003). Alfonso X el Sabio (em espanhol) 1ª ed. Madrid: Ediciones Polifemo. ISBN 9788486547660 
  • Menéndez Pidal de Navascués, Faustino (1982). La Casa Real de Castilla y León (em espanhol) Volume I ed. [S.l.]: Instituto Luis de Salazar y Castro. ISBN 8400051505 
  • Menezo Otero, Juan José (2005). Reinos y Jefes de Estado desde el 712 (em espanhol) 5ª ed. Madrid: Historia Hispana. ISBN 84-604-9610-4 
  • Ortiz de Zúñiga, Diego (1795). Anales Eclesiásticos Y Seculares De La Muy Noble Y Muy Leal Ciudad De Sevilla (em espanhol). Sevilha: Imprenta Real. ISBN 84-604-9610-4 
  • Pérez Algar, Félix (1997). Alfonso X el Sabio: Biografía (em espanhol). Madrid: Studium Generalis. ISBN 84-605-6339-1 
  • Valdeón Baruque, Julio (2003). Alfonso X: la forja de la España moderna (em espanhol) 1ª ed. [S.l.]: Ediciones Temas de Hoy, S.A. ISBN 84-8460-277-X 
  • Ybarra y López-Dóriga, Fernando de, Marqués de Arriluce de Ybarra (1997). Un largo siglo de amores y desamores en el Alcázar de Sevilla (1248-1368) (em espanhol) 1ª ed. Sevilha: Real Academia Sevillana de Buenas Letras. ISBN 84-8093-016-0 
  • Zurita, Jerónimo (2005). Anales de Aragón (em espanhol) 1ª ed. Sevilha: Institución Fernando el Católico. ISBN 84-7820-823-2