Marcelo Tupinambá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Marcelo Tupinambá
Nome nativo Fernando Álvares Lobo
Nascimento 29 de maio de 1889
Tietê
Morte 4 de julho de 1953 (64 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Ocupação compositor

Marcelo Tupinambá, pseudônimo de Fernando Lobo (Tietê, 29 de maio de 1889São Paulo, 4 de julho de 1953), foi um compositor brasileiro.[1][2][3] Suas composições foram assinadas também sob outros pseudônimos, como Biograph, Samuel de Maio, XYZ, Hélio Azevedo, L. Azevedo e Pedro Gil.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho do maestro Eduardo Lobo[1] e da professora Maria Rodrigues de Azevedo Lobo e sobrinho do maestro Elias Lobo.[1] Ainda pequeno mudou-se para São Paulo, onde fez o curso primário.

Na cidade de Pouso Alegre preparou-se para ingressar na Escola Politécnica, formando-se em engenharia civil em 1914. Trabalhou como engenheiro mas, sentindo que a sua verdadeira vocação era a música, a ela passou a dedicar-se inteiramente.

No ano de 1914, musicou a revista teatral de Danton Vampré, denominada São Paulo Futuro[1]. Naquele mesmo ano adotou o pseudônimo de Marcelo Tupinambá[1] pois, à época, um "músico não era visto com bons olhos".[2] O uso do pseudônimo foi uma recomendação do diretor da Escola Politécnica.[4]

Inúmeras melodias, muitas das quais foram impressas e gravadas. Marcelo Tupinambá foi autor do Hino Constitucionalista de 1932/MMDC, O Passo do Soldado,[1] para o qual Guilherme de Almeida escreveu depois a letra, com interpretação de Francisco Alves. Antes, para a Revolução de 1930, compusera o hino Redenção, com versos de Paulo Gonçalves.[1]

Foi casado com Irene Menezes Lobo, com quem teve os filhos Cecilia, Helena, Samuel, Cláudio, Eduardo, Thereza e Ignês.

A herma que os tieteenses ergueram em sua homenagem foi inaugurada em 27 de agosto de 1967. O dia 30 de maio foi instituído Dia de Marcelo Tupynambá, pela Lei n° 1.149 de março de 1972.[5]


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h MELLO, Zuza Homem de (org.) (2000). Enciclopédia da Música Brasileira. São Paulo: Art Editora/Publifolha. p. 431-2. ISBN 8574022519 
  2. a b Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. «Biografia». Consultado em 23 de julho de 2019 
  3. https://oglobo.globo.com/cultura/descaso-marca-60-anos-de-morte-de-marcello-tupynamba-8914981
  4. MARCELO Tupinambá. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa599773/marcelo-tupinamba>. Acesso em: 24 de Jul. 2019. Verbete da Enciclopédia.
  5. http://www.tiete.sp.gov.br/3698-prefeitura-de-tiete-prepara-programacao-especial-em-homenagem-a-marcelo-tupinamba-e-fred-jorge.php

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.