Marlen Haushofer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Marlen Haushofer
Nascimento 11 de abril de 1920
Frauenstein, Áustria
Morte 21 de março de 1970 (49 anos)
Viena, Áustria
Nacionalidade austríaca
Ocupação Escritora

Marlen Haushofer (nascida Marie Helene Frauendorfer; Frauenstein, 11 de abril de 1920 — Viena, 21 de março de 1970) foi uma escritora austríaca, mais famosa pelo seu romance A Parede.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Haushofer nasceu em Frauenstein, na Alta Áustria. Frequentou um internato Católico em Linz, e continuou a estudar literatura alemã em Viena, bem como em Graz. Depois da sua formação, estabeleceu-se em Steyr.

Em 1941, casou-se com Manfred Haushofer, um dentista, e teve dois filhos, Christian e Manfred.[1] Em 1950, divorciaram-se, tendo-se voltado a casar em 1958.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ganhando prémios literários desde 1953, Haushofer publicou o seu primeiro romance, Um Punhado de Vida , em 1955. Em 1956, ganhou o Prémio Theodor-Körner pelas contribuições e projetos antigos envolvendo arte e cultura. Em 1958, foi publicada a sua novela Nós Assassinato de Stella.

A Parede, considerado o seu melhor trabalho, saiu em 1963.[2] O romance foi composto à mão quatro vezes entre 1960 e 1963, mas teve de esperar até 1968, dois anos antes da morte de Haushofer, para ser impresso.[3] Numa carta escrita a um amigo, em 1961, Marlen descreve a dificuldade com a sua composição:

Estou escrevendo o meu romance e tudo é muito complicado porque eu nunca tenho muito tempo e, principalmente, porque eu não posso envergonhar-me. Devo continuamente saber se o que eu digo sobre os animais e plantas é realmente correto. Pode não ser preciso o suficiente. Eu ficaria muito feliz, na verdade, se eu fosse capaz de escrever o romance apenas a metade assim como eu estou imaginando na minha mente.[3]

Ela comentou um ano mais tarde, numa carta para o mesmo amigo:

Eu sou extremamente laboriosa. O meu romance foi completado no seu primeiro rascunho. Eu já completei cem páginas da sua rescrição. Ao todo, serão 360 páginas. Escrever é um grande problema e eu sofro de dores de cabeça. Mas eu espero que esteja concluído até ao início de Maio (devo permitir, pelo menos, quatro semanas para a digitação)...E a gestão doméstica deve continuar o seu rumo. Tudo isto é muito difícil para mim, porque eu só posso me concentrar em uma coisa e forçar-me a ser versátil deixa-me muito nervosa. Tenho a sensação de como se eu estivesse a escrever no ar.[3]

O seu contributo para a literatura austríaca, bem como a ssua colectânea de contos Terrível Fidelidade, garantiu-lhe o Grande Prémio Estadual Austríaco de literatura, em 1968.[4] O seu último romance, O Sótão, foi publicado em 1969, bem como a sua autobiografia da infância, Nenhum lugar final no Céu.[3]

Morte e legado[editar | editar código-fonte]

Túmulo de Haushofer.

Em 1970, ela morreu de câncer ósseo numa clínica em Viena. A sua escrita influenciou autores como a vencedora do Prêmio Nobel, Elfriede Jelinek, que dedicou um dos seus Princesa Joga a Haushofer.[5]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • A Handful of Life (1955)
  • We Murder Stella (1958, novella)
  • A Parede - no original Die Wand (1963)
  • Terrible Faithfulness (1968, contos)
  • The Loft (1969)[6]
  • The Attic (1969)
  • Nowhere Ending Sky (1966)[7]

Referências

  1. Wassenberg, Charlotte (1998). «Autorendatenbank». Marlen Haushofer. SG Sint Ursula. Consultado em 7 de abril de 2013. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2012 
  2. Haushofer, Marlen (1990). The Wall. San Francisco, CA: Cleis Press. ISBN 1-57344-094-9 
  3. a b c d Cornick, Lisa (primavera de 1992). «Identity in Women's Writings: The Proclivity of Solitude and Self - Marlen Haushofer's Austrian Utopia and Anna LaBastille's American Wilderness». North Carolina. Mount Olive Review: Images of Women in Literature. 6: 25–36 
  4. Gotschi, Beatrix (2010). «Marlen Haushofer Biografie». Marlen Haushofer. Verein Kultur Plus - EuroJournal. Consultado em 7 de abril de 2013 
  5. Jelinek, Elfriede (2005), Princess Dramas - The Wall, consultado em 10 de abril de 2013 
  6. Haushofer, Marlen (2011).
  7. Haushofer, Marlen (2013).

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Wahrscheinlich bin ich verrückt (Uma biografia, escrita por Daniela Strigl)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Marlen Haushofer