Murilo Antunes Alves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Murilo Antunes Alves
Vereador de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg
Período 1 de janeiro de 1993
até 1 de janeiro de 1997
Dados pessoais
Nascimento 28 de abril de 1919
Itapetininga
Morte 15 de fevereiro de 2010 (90 anos)
São Paulo
Partido PMDB
Profissão jornalista e advogado

Murilo Antunes Alves (Itapetininga, 28 de abril de 1919 - São Paulo, 15 de fevereiro de 2010) foi um jornalista brasileiro. Chegou a ser um dos mais antigos profissionais em atividade dessa área, até morrer em 2010 aos 91 anos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Murilo começou a escrever aos 14 anos no jornal estudantil O Arauto em Itapetininga. Foi correspondente do jornal O Estado de S.Paulo no qual o pagamento era assinatura do jornal,durou até 1929.Em 1935,seu primeiro emprego foi no A Tribuna Popular.Em 1943 tornou-se Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo[1].

Iniciou sua carreira no rádio em 1º de março de 1938,na Rádio São Paulo, quando tornou-se locutor e comentarista esportivo , em parceria com Geraldo José de Almeida. Seu primeiro programa foi o Broadway Melody, de música americana. Em 1946, foi para a Rádio Bandeirantes, sendo o primeiro locutor esportivo da emissora. Posteriormente, trabalhou nas rádios Rádio Cultura, Rádio Gazeta e Rádio Tupi, ainda na década de 1930, cobrindo o Estado Novo, a Segunda Guerra Mundial, entre outros eventos da época.

Chegou em 1947 a Rádio Record,onde cobriu vários eventos,entre eles as eleições italianas de 1948 e fez a última entrevista de Monteiro Lobato. Em 1953, ajudou a inaugurar a TV Record. Lá, cobriu os mais variados eventos, como a morte de John Kennedy, o primeiro homem na Lua, entre outros. Apresentou ao lado de Hélio Ansaldo o programa Record em Notícias (1973-1996), popularmente conhecido como "Jornal da Tosse", da década de 1970 até o final do jornalístico, em 1996.

Permaneceu na Rede Record após Sílvio Santos e o espólio de Paulo Machado de Carvalho venderem suas participações acionárias na emissora para Edir Macedo, Bispo da Igreja Universal (em 1990), até sua morte, era o contratado mais antigo da emissora. Trabalhava na produção dos telejornais da emissora. Em 1992, foi eleito vereador por São Paulo pelo PMDB,onde foi também o 1º vice-presidente da Câmara Municipal.Murilo foi o autor do projeto que obrigava o uso do cinto de segurança na cidade de São Paulo [2]. Em 1946 foi candidato a deputado estadual pelo PSD, mas as eleições foram adiadas.Em 1953 foi o primeiro Chefe do Cerimonial da Assembléia Legislativa de São Paulo, onde se aposentou em 1985, como Diretor do Cerimonial e Relações Públicas. Em 1961 foi nomeado Oficial do Gabinete da Presidência da República, pelo presidente Janio Quadros. Entre 1971 e 1974 foi Chefe do Cerimonial do Governo do Estado de São Paulo, gestão de Laudo Natel.[3].

Morreu em 15 de fevereiro de 2010, aos 91 anos.[4]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.