Musidora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Musidora
Musidora em um fotografia publicitária de um filme. 1914.
Nome completo Jeanne Roques
Conhecido(a) por Atriz, diretora, escritora, produtora, realizadora
Nascimento 23 de fevereiro de 1889
París, Francia
Morte 7 de Dezembro de 1957
Paris, França 
Nacionalidade França Francesa

Jeanne Roques (Paris, 23 de fevereiro de 1889 - ibídem, 7 de dezembro de 1957), conhecida artisticamente pelo pseudônimo de Musidora, foi uma atriz, diretora, escritora, produtora e realizadora francesa, que se fez famosa por sua interpretação no filme de Louis Feuillade Lhes Vampires. Foi o arquétipo de mulher fatal[1], tendo sido adotada pelos surrealistas como uma de suas musas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu pai Jacques, compositor e teórico do socialismo, e sua mãe Marie Clémence, pintora e líder feminista, transmitiram-lhe seu amor pela literatura. Gostavam também de pintar, escrever e esculpir, mas, sobretudo, do mundo do espetáculo. Lendo Théophile Gautier, a diretora escolheu o nome artístico de Musidora,  heroína de Fortunio.

Em 1910, atuou na obra de teatro A loupiotte de Aristide Bruant e, dois anos mais tarde, no Bataclan, com a revista Ça grise, na que trabalhava Colette.

Iniciou sua carreira cinematográfica em 1913; mas Louis Feuillade a descobriu no espetáculo A Revue Galante no Folies-Bergère, e, em 1915, lhe ofereceu o papel de Irma Vap, a personagem com o que se faria famosa, no filme Les Vampires, uma série de dez episódios.

Irma Vap (anagrama de vampire) é uma cantora de cabaret que faz parte da sociedade secreta «Les Vampires», um grupo de delinquentes. É hipnotizada por Moreno, um rival da banda, que a converte em sua amante e lhe ordena que assassine ao Grande Vampiro. Ao final, ela converterá na chefa do grupo, até que estes são presos. 

Em 1916, voltou a trabalhar com Luis Feuillade, na série Judex.

No início de sua carreira como realizadora, fez adaptações cinematográficas de novelas de Colette.

Apaixonou-se do rejoneador Antonio Cañero e foi viver com ele na Espanha. Ali foi roteirista, diretora, produtora e intérprete de três filmes : A Capitã Alegria, 1920, Sol e Sombra, 1922, e A Terra dos touros, 1924.

De volta a Paris, em 1926, atuou no filme Le berceau de dieu, com Léon Mathot.

Após casar com o médico Clément Marot, em 1927, abandonou o cinema para se dedicar ao teatro, onde atuou até 1952.

Publicou também duas novelas, Arabella et Arlequin, 1928, e Paroxysmes, 1934, numerosas canções e um livro de poemas, Auréoles (1940). A partir de 1944, trabalhou na Cinémathèque française.

Musidora morreu em Paris, em 7 de dezembro de 1957.

Musidora e os surrealistas[editar | editar código-fonte]

André Breton, Louis Aragon e os demais membros do movimento surrealista eram grandes admiradores das séries de Louis Feuillade e, em particular de Les Vampires, razão pela qual elegeram Musidora como sua musa. Aragon e Breton escreveram, em 1929, uma obra de teatro que era uma homenagem à atriz, Le Trésor dês Jésuites, na qual os nomes de todas as personagens eram eram anagramas de Musidora (Mad Souri, Doramusi, etc.)

Referências[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. rottentomatoes.com. «Musidora Biography» (em inglés)  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)