Os Demônios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Arrows-move.svg
Em 16 de dezembro de 2017 foi proposta a renomeação deste artigo para Besy. Se não concorda, use a página de discussão.
Obs.: Conforme Convenção de Nomenclatura, deve ser renomeado para o título original se tiver diferença significativa nas versões do português
Бесы
Os Possessos (PT)
Os Demônios (BR)
Autor(es) Fiódor Dostoiévski
Idioma Língua russa
País Rússia
Género Romance filosófico, Romance político
Lançamento 1871-2
Cronologia
O idiota

Os Demônios (português brasileiro) ou Os Possessos (português europeu) (em russo: Бесы, transl. Besy) é um romance publicado em 1872 pelo escritor russo Fiódor Dostoiévski.

Análise da obra[editar | editar código-fonte]

Os Demônios é um livro escrito por Fiodor Dostoiévski em 1872. A Obra foi motivada por um episódio verídico: o assassinato do estudante I. I Ivanov pelo grupo niilista liderado por S. G Nietcháiev em 1869. Ao recriar ficcionalmente esse evento, o escritor cria uma das suas maiores obras, à altura de Crime e Castigo. Os demônios é um estudo profundo do pensamento político, social, filosófico e religioso de seu tempo.

O narrador, ao mesmo tempo que observa a ação, participa dela, pois é um personagem contando a estranha história que aconteceu em sua cidade no interior da Rússia.

Ele, o narrador, narra a história do professor aponsentado Stiepan Trofímovitch, que possui estranhos laços de amizade com uma viúva muito rica da sua cidade, Varvara Pietrovna. Aos poucos a cidade é tomada por estranhos acontecimentos conspiratórios, principalmente com a chegada de Piotr Stiepanovitch, filho de Stiepan Trofímovitch, e com Nikolai Stavróguin, filho de Varvara Pietrovna. Esses acontecimentos são projetados por uma organização niilista e terrorista, chefiada por esses dois personagens, que trazem consigo acontecimentos trágicos que marcarão a todos os envolvidos.

Ao longo do livro somos apresentados a diversos personagens com ideias bastante claras. Nas ideias de Kirillov podemos perceber a base do pensamento de Nietzsche e Zaratustra ao demonstrar como deve ser o super-homem. E no drama de personagens como Piotr Stiepanovitch e Chiagaliov podemos perceber prenúncio de ideias cruéis e fanáticas.

O drama central no livro é de Stiepan Trofímovitch. Ao mesmo tempo em que ele tenta ser um revolucionário e um intelectual, acaba sendo visto como um tolo: ele percebe que há algo errado com aquela sociedade, contudo, permanece mortificado por não saber como sair daquela situação imposta pela organização e por se sentir tão culpado pelo que está acontecendo.

Dostoiévski é um grande escritor e sempre se mostrou à frente do seu tempo. E, neste livro, ele se supera. Publicado 45 anos antes da Revolução de Outubro, Os Demônios já apresentava, em germe, aquelas ideias que, sob o regime soviético, levariam tantas pessoas ao sofrimento e à morte. Além disso, ao tratar de um caso ocorrido em uma pequena cidade do interior da Rússia, podemos ver que os dilemas humanos ali tratados continuam vivos ainda hoje. A histeria coletiva é mostrada mediante o envolvimento de toda a população com a organização criminosa.

O livro, ademais, desmascara tanto as organizações idealistas que ainda permanecem vivas, como o terrorismo, quanto o enorme perigo de se transformar ideias niilistas em grandes ideais utópicos. É antes de tudo um aviso para aqueles que, pretendendo mudar o mundo, acabam eles mesmos se transformando em assassinos e nos supostos "demônios" que tanto pretendem, a princípio, combater e destruir.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Em Os Demômios o personagem Shatov encarna a eslavofilia e Kirillov o ocidentalismo.[1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Frank, Joseph (1986). Dostoevsky v.III: The Stir of Liberation, 1860-1865. Princeton: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-01452-4 


Referências

  1. Frank 1986, p. 101.