Pós-colonialismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Pós-colonialismo (ou póscolonialismo) é um conjunto de teorias que analisa os efeitos políticos, filosóficos, artísticos e literários deixados pelo colonialismo tanto nos países colonizados quanto nos colonizadores, ainda que suas obras fundadoras dediquem maior atenção às sequelas herdadas pelos primeiros.

Como teoria literária (ou abordagem crítica), lida com a literatura produzida em países que outrora foram colônias de outros países, especialmente das potências coloniais europeias Grã-Bretanha, França e Espanha; em alguns contextos, inclui países ainda em situação colonial. Também lida com a literatura escrita em países coloniais e por seus cidadãos, que possuam integrantes das colônias como tema. Nativos das colônias, principalmente do Império Britânico, frequentaram universidades britânicas; seu acesso à educação, ainda indisponível nas colônias, criou uma nova forma de crítica, particularmente literária, e especialmente em romances. A teoria pós-colonial tornou-se parte dos recursos do críticos nos anos 1970; o livro Orientalism de Edward Said é tido como a obra fundadora.

Obras essenciais em pós-colonialismo[editar | editar código-fonte]

Outras obras importantes[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.