Gayatri Chakravorty Spivak

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gayatri Chakravorty Spivak
Nascimento 24 de fevereiro de 1942 (79 anos)
Calcutá
Cidadania Índia
Alma mater Universidade de Calcutá, Universidade de Iowa, Universidade Cornell, Lady Brabourne College, Girton College
Ocupação escritora, filósofa, professora universitária, tradutora, crítica literária
Prêmios Bolsa Guggenheim, Padma Bhushan, Prêmio de Kyoto em Artes e Filosofia
Empregador Universidade Columbia

Gayatri Chakravorty Spivak (Calcutá, 24 de fevereiro de 1942) é uma crítica e teórica indiana, mais conhecida por seu artigo "Can the Subaltern Speak?" ("Pode o subalterno falar?" na versão em português[1]) considerado um texto fundamental sobre o pós-colonialismo, e por sua tradução de Of Grammatology de Jacques Derrida. Spivak leciona na Columbia University, na qual atingiu o mais alto nível do corpo docente em março de 2007. Erudita prolífica, ela viaja e ministra palestras por todo o mundo. É membro-visitante do Centre for Studies in Social Sciences de Calcutá.

Formação acadêmica[editar | editar código-fonte]

Graduou-se em inglês pela Universidade de Calcutá. Posteriormente fez seu mestrado e doutorado na Universidade de Cornell nos Estados Unidos. Sua tese, focada na obra e na vida do poeta irlandês Yeats, foi orientada pelo renomado crítico literário Paul de Man.[2]

Reconhecida primeiramente por suas traduções de Derrida, tem por característica a transição por diferentes áreas do conhecimento. A professora titular da área de Estudos Literários da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Sandra Regina Goulart Almeida, uma das tradutoras de "Pode o subalterno falar?" para o português, no prefácio da mesma afirma: "Sua crítica [de Spivak], de base marxista, pós-estruturalista e marcadamente desconstrucionista, frequentemente se alia a posturas teóricas que abordam o feminismo contemporâneo, o pós-colonialismo e, mais recentemente, as teorias do multiculturalismo e da globalização."[2]

Obras[editar | editar código-fonte]

Acadêmicas[editar | editar código-fonte]

  • Myself, I Must Remake: The Life and Poetry of W.B. Yeats (1974).
  • Of Grammatology (tradução com introdução crítica do texto de Derrida) (1976)
  • Can the Subaltern Speak? (1985) [Tradução brasileira: Spivak, Gayatri. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010]
  • In Other Worlds: Essays in Cultural Politics (1987).
  • Selected Subaltern Studies (editado com Ranajit Guha) (1988)
  • The Post-Colonial Critic (1990)
  • Outside in the Teaching Machine (1993).
  • The Spivak Reader (1995).
  • A Critique of Postcolonial Reason: Towards a History of the Vanishing Present (1999).
  • Death of a Discipline (2003).
  • Other Asias (2007).
  • An Aesthetic Education in the Era of Globalization (2012).
  • Readings (2014).

Literárias[editar | editar código-fonte]

  • Imaginary Maps (tradução com introdução crítica de três histórias de Mahasweta Devi) (1994)
  • Breast Stories (tradução com introdução crítica de três histórias de Mahasweta Devi) (1997)
  • Old Women (tradução com introdução crítica de duas histórias de Mahasweta Devi) (1999)
  • Song for Kali: A Cycle (tradução com introdução da história de Ramproshad Sen) (2000)
  • Chotti Munda and His Arrow (tradução com introdução crítica do romance de Mahasweta Devi) (2002)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. SPIVAK, Gayatri (2010). Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG 
  2. a b Spivak, Gayatri (2010). Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG. p. 10 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.