Patricia Hill Collins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Patricia Hill Collins
Nascimento 1 de maio de 1948 (69 anos)
Filadélfia
Cidadania Estados Unidos
Etnia afro-americano
Alma mater Universidade Harvard, Universidade Brandeis
Ocupação filósofo, sociólogo, professor universitário
Empregador Universidade de Maryland

Patricia Hill Collins (nascida em 1 de maio de 1948) é uma renomada professora universitária de Sociologia da Universidade de Maryland, College Park.[1] Ela também é a ex-chefe do Departamento de Estudos afro-Americanos na Universidade de Cincinnati, e ex-presidenta do Conselho da Associação Americana de Sociologia. Collins foi a 100º presidenta da ASA, e a primeira mulher afro-americana a ocupar o cargo.[2]

Collins trabalha, principalmente, sobre feminismo e gênero dentro da comunidade afro-americana. A notoriedade de Patricia Hill Collins no contexto norte americano se deu a partir do seu livro"Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment", publicado originalmente em 1990.[3]

Biografia e carreira[editar | editar código-fonte]

Collins nasceu em 1948, na Filadélfia, Pensilvânia. Seus pais eram Albert Hill, um trabalhador de fábrica e veterano da segunda Guerra Mundial, e Eunice Randolph Hill, uma secretária; ela não teve irmãos. Collins estudou em escolas públicas da Filadélfia.[2] Na graduação, estudou Sociologia na Universidade de Brandeis, formando-se em 1969. Ela obteve o título de mestre na Universidade de Harvard, em 1970.[2] De 1970 a 1976, ela foi professora de educação na Faculdade Comunitária St. Joseph, em Roxbury, Boston.[2] Ela se tornou a diretora do Centro Africana na Universidade de Tufts, onde ficou de 1976 a 1980. Em Tufts, ela conheceu e se casou com Roger L. Collins, professor de educação na Universidade de Cincinnati, com quem teve uma filha, Valéria L. Collins.[2]

Ela obteve seu doutorado, em sociologia, em Brandeis, em 1984. Ao obter o título, ela trabalhou como professora assistente na Universidade de Cincinnati no início em 1982.

Em 1990, Collins publicou seu primeiro livro, Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment. Uma décima edição, revista, foi publicada em 2000 e, posteriormente, traduzida para coreano, em 2009.

Obra[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Em 1990, Collins public Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment, que se debruça sobre o trabalho de Angela Davis, Alice Walker e Audre Lorde. A análise incorporou uma vasta gama de fontes, incluindo ficção, poesia, música e história oral. O trabalho de Collins ficou marcado por duas grandes contribuições:

  • As opressões de raça, classe, gênero, sexualidade e nação se interrelacionam, construindo sistemas de poder mutuamente implicados. Collins utilizou o termo "interseccionalidade", originalmente cunhado por Kimberlé Crenshaw, para se referir a essa sobreposição simultânea de múltiplas formas de opressão.
  • Porque as mulheres negras têm histórias únicas nas intersecções dos sistemas de poder, eles criaram visões de mundo a partir de uma necessidade de autodefinição e para trabalhar em nome da justiça social. As experiências específicas das mulheres negras com a interseção de sistemas de opressão fornecem uma janela para os mesmos processos para outros indivíduos e grupos sociais.

O livro seguinte de Collins foi Black Sexual Politics: African Americans, Gender, and the New Racism. Esse trabalho argumenta que o racismo e a heteronormatividade estão interligados e que ideais de beleza atuam para oprimir os afro-americanos. O livro ganhou o Book Award da Associação Americana de Sociologia.

Em 2006, ela publicou From Black Power to Hip Hop: Racism, Nationalism, and Feminism, onde examinou a relação entre nacionalismo negro, o feminismo e o hip-hop.

Bibliografia selecionada[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • On Intellectual Activism, Philadelphia: Temple University Press, ISBN 978-1439909614, 2012 
  • (co-editado com John Solomos) The SAGE Handbook of Race and Ethnic Studies, Los Angeles: London: SAGE, ISBN 978-0761942207, 2010 
  • Another Kind of Public Education: Race, the Media, Schools, and Democratic Possibilities, Beacon Press, ISBN 0-8070-0018-3, 2009
  • From Black Power to Hip Hop: Racism, Nationalism, and Feminism, Temple University Press, ISBN 1-59213-092-5, 2006
  • Black Sexual Politics: African Americans, Gender, and the New Racism, New York: Routledge, ISBN 0-415-93099-5, 2005 
  • Fighting Words: Black Women and the Search for Justice, University of Minnesota Press, ISBN 0-8166-2377-5, 1998 (co-edited with Margaret Andersen)
  • Race, Class and Gender: An Anthology, ISBN 0-534-52879-1, 1992, 1995, 1998, 2001, 2004, 2007, 2010
  • Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment, Routledge, ISBN 0-415-92484-7, 1990, 2000

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Patricia Hill Collins | SOCY l Sociology Department l University of Maryland». www.socy.umd.edu. Consultado em 11 de dezembro de 2016 
  2. a b c d e Perfil na Associação Americana de Sociologia
  3. Collins, P. H. (2002). Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. Routledge.
Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.