Paulo Scott

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Paulo Scott
Nascimento 8 de dezembro de 1966 (54 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Residência São Paulo
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação Escritor
Prémios Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional (2012)

Prêmio Literário da Associação Paulista de Críticos de Arte (2014)

Prêmio Açorianos (2016 e 2020)

Paulo Scott (Porto Alegre, 8 de dezembro de 1966) é um poeta e escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Paulo Scott, radicado em São Paulo desde 2019, é formado pela Faculdade de Direito da PUC do Rio Grande do Sul e Mestre em Direito Público pela UFRGS. Seu livro de estreia, Histórias curtas para domesticar as paixões dos anjos e atenuar os sofrimentos dos monstros, foi lançado em 2001 sob o pseudônimo de Elrodris. Em 2004, Paulo Scott foi um dos três finalistas do Prêmio Açorianos de Literatura com o livro de contos Ainda orangotangos, adaptado posteriormente para o cinema pelo gaúcho Gustavo Spolidoro[1], longa-metragem vencedor do 13º Festival de Cinema de Milão. Em 2005, publicou o romance Voláteis, com o qual conquistou o prêmio Autor Revelação do Ano de 2005 - Prêmio O Sul / Câmara Rio-Grandense do Livro / Governo do Estado do Rio Grande do Sul. No mesmo ano, co-roteirizou o filme O início do fim, curta-metragem de Gustavo Spolidoro. Em 2010 Scott foi contemplado com a Bolsa Petrobrás de Criação Literária para conclusão do romance Habitante irreal, lançado no final de 2011 (livro vencedor do Prêmio da Fundação Biblioteca Nacional 2012). Seu antepenúltimo romance é Ithaca Road, que faz parte do projeto Amores Expressos, realizado pela RT Features e pela Companhia das Letras, que o levou a Sydney, na Austrália, em 2008. Em 2014 lançou o livro de poesias Mesmo sem dinheiro comprei um esqueite novo (livro vencedor do Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA 2014). Em 2015 lançou o livro O ano em que vivi de literatura (livro vencedor do Prêmio Açorianos de Literatura 2016). Em 2019 lançou o aclamado romance Marrom e Amarelo (livro vencedor do Prêmio Açorianos de Literatura 2020).

Obras[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

Contos[editar | editar código-fonte]

Poesias[editar | editar código-fonte]

Graphic Novel[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Crucial dois um, texto de dramaturgia contemplado no Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz em 2006.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

O livro de contos de Ainda orangotangos foi adaptado para o cinema por Gustavo Spolidoro em 2008, filmado em um único plano-seqüência, sem cortes, com 81 minutos de duração. Este filme foi vencedor do 13º Festival de Cinema de Milão.

Participação em antologias[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Paulo Scott». Grupo Editorial Record. Consultado em 29 de junho de 2015 
  2. Mário Rufino (abril 2014). «"Habitante Irreal", de Paulo Scott». Público. Consultado em 29 de junho de 2015  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  3. «Selo Demônio Negro – Editora». Consultado em 24 de maio de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.