Polegar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Polegar (desambiguação).
Polegar

O polegar é o dedo (ou primeiro quirodáctilo) mais importante dos hominídeos – é completamente oponível aos outros dedos, o que significou uma aquisição evolutiva que permitiu a estes animais a utilização de instrumentos, com os quais podem mais facilmente defender-se e modificar o meio ambiente para melhor sobreviverem (Edgar Morin, no seu "O Paradigma Perdido" se refere à dialéctica "pé - mão - cérebro").[1][2]

Este dedo é formado por três ossos:[3]

O polegar pode realizar uma rotação de 90º, ficando perpendicular à “palma” da mão, enquanto que os outros dedos conseguem apenas um ângulo de 45º (aproximadamente). Estes movimentos são da responsabilidade de 8 músculos, cujos nomes em latim são:[4][1]

  • opponens pollicis
  • abductor pollicis brevis
  • flexor pollicis brevis
  • adductor pollicis
  • flexor pollicis longus
  • abductor pollicis longus
  • extensor pollicis brevis
  • extensor pollicis longus

Os primeiros 4 são músculos intrínsecos da mão e os 3 primeiros formam a eminência tenar, enquanto que os restantes têm origem no antebraço. Os tendões do extensor pollicis longus e do extensor pollicis brevis formam a “caixinha do rapé” (que, nos tempos em que se aspirava rapé, servia efectivamente para ali colocar uma porção e levá-la ao nariz), onde se pode palpar a artéria radial e os ossos escafóide e trapézio.[4]

Outros animais com polegares que fazem oposição[editar | editar código-fonte]

Muitos animais também têm algum tipo de polegar ou dedo que faz oposição aos outros:[5]

Dedo oponível no pé de um gambá.
  • Panda-gigante que possui cinco dedos com garras mais um osso sesamoide extra-longa, que embora não seja realmente um dedo (como o polegar humano é), funciona como um polegar oponível.[6]
  • A maioria dos Marsupiais da família Phalangeridae (espécie parecida com o gambá) - possuem um dedo oponível em cada pé, além de dois dígitos oponíveis em cada mão.[7]
  • Os coalas - semelhante ao Phalangeridae, embora estejam em uma ordem diferente.[7]
  • Gambás - possuem "polegares" oponíveis nas patas traseiras.[7]
  • Troodon, um dinossauro que possuía polegares parcialmente oponíveis.[8]
  • Bambiraptor, um pequeno dinossauro predador - que poderia tocar a ponta de dois de seus três dedos com o dedo oponível.[9]
  • Phyllomedusa, um gênero de rãs nativas da América do Sul.[10]

A maioria dos pássaros têm pelo menos um dígito oponível nos pés, em várias configurações, mas estes raramente são chamados de "polegares".[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Jones, Lynette A. (2006). Human hand function. Internet Archive. [S.l.]: Oxford ; New York : Oxford University Press 
  2. «THE THUMB IS THE HERO». The New York Times (em inglês). 11 de janeiro de 1981. ISSN 0362-4331. Consultado em 30 de junho de 2022 
  3. Brüser, Peter; Gilbert, Alain (18 de maio de 1999). Finger Bone and Joint Injuries (em inglês). [S.l.]: CRC Press 
  4. a b «Muscles of the thumb». www.eatonhand.com. Consultado em 30 de junho de 2022 
  5. «Primates FAQ». www.primates.com. Consultado em 30 de junho de 2022 
  6. «Evolution: The Panda's Thumb [Athro, Limited: Biology]». www.athro.com. Consultado em 30 de junho de 2022 
  7. a b c Nowak, Ronald M.; Walker, Ernest Pillsbury (29 de julho de 1999). Walker's Mammals of the World (em inglês). [S.l.]: JHU Press 
  8. National Museum of Natural Sciences (Canada) (1972). Syllogeus. California Academy of Sciences. [S.l.]: Ottawa, National Museum of Natural Sciences 
  9. Senter, Phil (11 de dezembro de 2006). «Comparison of forelimb function between Deinonychus and Bambiraptor (Theropoda: Dromaeosauridae)». Journal of Vertebrate Paleontology (4): 897–906. ISSN 0272-4634. doi:10.1671/0272-4634(2006)26[897:COFFBD]2.0.CO;2. Consultado em 30 de junho de 2022 
  10. Bertoluci, Jaime (1 de dezembro de 2002). «Pedal luring in the leaf-frog Phyllomedusa burmeisteri (Anura, Hylidae, Phyllomedusinae)». Phyllomedusa: Journal of Herpetology (em inglês) (2): 93–95. ISSN 2316-9079. doi:10.11606/issn.2316-9079.v1i2p93-95. Consultado em 30 de junho de 2022 
  11. Lockley, Martin G.; Li, Rihui; Harris, Jerald D.; Matsukawa, Masaki; Liu, Mingwei (1 de agosto de 2007). «Earliest zygodactyl bird feet: evidence from Early Cretaceous roadrunner-like tracks». Naturwissenschaften (em inglês) (8): 657–665. ISSN 1432-1904. doi:10.1007/s00114-007-0239-x. Consultado em 30 de junho de 2022