Portal:Mitologia greco-romana/Artigo selecionado/2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um Fauno, pelo pintor húngaro Pál Szinyei Merse.

Fauno é nome exclusivo da mitologia romana, de onde o mito originou-se, como um rei do Lácio que foi transmutado em deus e, a seguir, sofreu diversas modificações, sincretismo com seres da religião grega ou mesmo da própria romana, causando grande confusão entre mitos variados, ora tão mesclados ao mito original que muitos não lhes distinguem diferenças. Assim, para compreender a figura de Fauno, é preciso inicialmente saber que o nome era usado para denominar, essencialmente, três figuras distintas: rei mítico do Lácio, na mitologia romana, deificado pelos romanos e, portanto, imortal, muitas vezes confundido com , com Silvano e/ou com Lupércio; empregado no plural denomina criaturas que, tal como os sátiros da mitologia grega, possuíam um corpo meio humano, meio bode, e que seriam descendentes do rei Fauno, eram semideuses e, portanto, mortais; ou ainda um marinheiro que, tendo se apaixonado por Safo, obteve de Afrodite beleza e sedução a fim de que pudesse conquistar a poetisa.

Desde a Antiguidade, em muitos festivais de Atenas, a maioria dedicados a Dionísio, diversas tragédias eram representadas antes de uma peça chamada "satírica", onde os atores, em coro, se fantasiavam de faunos, realizando danças e cantos em flautas, para cortejar o deus. (leia mais...)