Prova Ciclística 9 de Julho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Prova Ciclística 9 de Julho
Região São Paulo
Data 9 de Julho
Tipo Etapa única
História
Primeira Edição 1933
Número de Edições 72
Primeiro Vencedor Brasil José Magnani
Mais Vitórias Masculino:
Brasil José Magnani
Brasil Ailton Souza
Brasil Rolando Montesi
Brasil Wanderley Magalhães
(3 vezes)
Feminino:
França Cláudia Carceroni Saintagne
(4 vezes)
Último Vencedor Brasil Francisco Chamorro
Brasil Luciene Ferreira da Silva
Informações gerais
Organizador Fundação Cásper Líbero
Site oficial http://www.gazetaesportiva.com/prova9dejulho/

A Prova Ciclística 9 de Julho é uma competição de ciclismo[1] de estrada disputada somente em um dia (9 de julho), na cidade de São Paulo, sendo considerada uma das provas mais importantes do Brasil.

A competição foi instituída no ano de 1932 pelo jornalista Cásper Líbero para homenagear a Revolução Constitucionalista, que aconteceu no Estado de São Paulo. Sua primeira edição ocorreu em 1933 e já fez parte do calendário UCI America Tour. Atualmente, acontece com disputas nas categorias elite masculino, elite feminino, federados masculino e feminino e aspirantes masculino e feminino[1]

Categorias[editar | editar código-fonte]

Aspirantes[editar | editar código-fonte]

Desta categoria, fazem parte os atletas que utilizam a bicicleta (podendo ser de qualquer modelo) como instrumento de atividade esportiva e possuem aptidão para controlá-la com velocidade. A distância a ser percorrida é de 1 (uma) volta, que é aproximadamente 28,3 quilômetros.[1]

O número máximo de atletas no pelotão de aspirantes masculinos é de 2.410 atletas, enquanto o número máximo de atletas no pelotão de aspirantes femininos é de 640 vagas.

Federados[editar | editar código-fonte]

Desta categoria, fazem parte, os atletas que possuem um currículo de tempo mínimo em Provas OFICIAIS, obrigatoriamente válidos/confirmados nos últimos 12 (doze) meses, contados a partir da data de preenchimento do cadastro e estar inscrito na Federação Paulista de Ciclismo ou na Federação de outros estados. A distância à ser percorrida é de 4 (quatro) voltas, que são aproximadamente 96,4 quilômetros.[1]

O número máximo de atletas no pelotão de Federados masculino é de 400 vagas, enquanto no pelotão de Federados femininos é de 150 vagas.

Elite[editar | editar código-fonte]

Desta categoria, fazem parte os atletas que possuem um currículo de tempo mínimo em Provas OFICIAIS, obrigatoriamente válidos/confirmados nos últimos 12 (doze) meses, contados a partir da data de preenchimento do cadastro, e o tempo mínimo, comprovado em ao menos 2 (dois) eventos, seguindo o critério "tempo referencial", definido pela organização e estar inscrito na Federação Paulista de Ciclismo ou na federação de outros estados.

O número de voltas é diferente para homens e mulheres, as mulheres percorrem 3 (três voltas) que são aproximadamente 73,7 quilômetros, enquanto os homens percorrem 4 (quatro) voltas, 96,4 quilômetros. O máximo de atletas para o pelotão Elite masculino é de 325 vagas, e o pelotão Elite feminino tem em contra partida 75 vagas.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A prova inicialmente foi criada em 1933 pelo jornalista Cásper Líbero[1], que trabalhava no diário esportivo Gazeta Esportiva e decidiu criar a competição para homenagear a Revolução Constitucionalista de 1932,[1] que ficou marcada na história paulista pelas reações da população do estado de São Paulo em revolta ao então Governo Provisório do Getúlio Vargas, o qual se estendeu por dois anos na década de 1932 mesmo não havendo eleições por parte da população paulista[1]. Tornou-se, logo de início, uma das provas mais importantes do Brasil. Anteriormente, a participação era restrita apenas a atletas de maior categoria e alguns convidados de outros estados, afim de garantir sua competitividade.[1] Em 1947, a competição foi denominada "Prova Ciclística Internacional 9 de Julho", contando com a presença de argentinos e uruguaios, mas depois passaram a comparecer representantes de mais de 15 países, sendo o primeiro a cruzar na linha de chegada o argentino Jorge Oliveira, em 1948. Somente em 1985 as mulheres passaram a poder participar da prova de ciclismo.[1]

Atualmente, a competição engloba diversos públicos, já que é disputada em três categorias diferentes: a categoria de aspirantes, ou seja, pessoas que utilizam bicicleta como instrumento de lazer, podendo fazer parte dessa categoria todos os atletas que utilizam a bicicleta como instrumento para atividades esportivas e são capazes de controlar a bicicleta em velocidade[1]; a de atletas federados, com experiência em provas oficiais, em que a categoria é aplicada àqueles que possuem currículo de tempos mínimos em provas oficiais, obrigatoriamente válidos nos últimos 12 meses[1]; e a de elite, que exige toda a documentação e o histórico de ciclismo do participante, que deve possuir currículo de tempos mínimos em provas oficiais, o tempo mínimo comprovado em, ao menos, 2 eventos, seguindo o critério de tempo referencial definido pela organização[1], fato que, consequentemente, torna a categoria mais disputada da competição[1]. A disputa masculina fez parte do UCI America Tour na categoria 1.2 entre os anos de 2005 a 2010. No calendário nacional da CBC, a prova recebe a categoria 3, a mais alta para provas de um dia. A competição feminina vem acontecendo desde 1990, tendo a atleta Flávia Salvi como a primeira campeã. Vale ressaltar também que a premiação é dada do primeiro ao quinto lugar de cada segmento[2].

Entre 2012 e 2014, a denominação oficial da prova não pôde ser utilizada devido a problemas burocráticos[3]. Logo, uma nova prova foi criada para substituí-la, chamada GP São Paulo Internacional de Ciclismo. Era considerada por muitos como a mesma prova, diferindo apenas em nome.[4] Em 2015, a prova passou novamente a utilizar o nome original e voltou a ser realizada nas ruas da cidade de São Paulo. A Federação Paulista de Ciclismo considerou a edição de 2015 como a 69ª edição da prova, não considerando, portanto, as edições de 2012, 2013 e 2014 (dado que, se fossem computadas, a edição de 2015 seria a 72ª).[5] Em 2016, tendo alcançado o número de 2.129 participantes, foi considerada a prova com o maior número de participantes no Brasil.[6]

Em 2017, a prova, que é separada em três categorias,completa sua septuagésima primeira (71°) edição[7] e será localizada novamente na Avenida Lineu de Paula Machado, sentido USP, em frente ao portão do Jockey Club de São Paulo.[8] A categoria Aspirantes, com 2.410 atletas, vai ter sua largada às 06:45 da manhã e um percurso com o total de 28,3 quilômetros. Já a categoria Elite Masculina, com no máximo 325 atletas, possui sua largada às 08:02 da manhã e percorrera 96,4 km, concluindo uma volta de 28,3 km e três voltas de 22,7 km. Enquanto a Elite Feminina,[8] com cerca de 75 atletas, vai largar às 08:05 da manhã, e tem em seu percurso um total de 73,7 km, completando uma volta de 28,3 km e duas voltas de 22,7. Formada por no máximo 1.000 ciclistas, a categoria Federados apresenta sua largada às 08:00 da manhã e seu percurso tem a mesma distância do da elite masculina, 96,4 km, fazendo o mesmo número de voltas que a categoria elite masculino.[8]

Circuitos[editar | editar código-fonte]

Anos Local Distância elite masculino (Voltas) Distância elite feminino (Voltas)
2017-2018 Avenida Lineu de Paula Machado 96,4 km (4) 73,7 km (3)
2015-2016 Avenida Lineu de Paula Machado 54 km (2) 25 km (1)
2014 Indaiatuba 55 km (10) 33 km (6)
2008-2013 Autódromo José Carlos Pace 85.8 km (20) 21.5 km (5)
2007 Cidade Universitária 110 km ?
2002-2006 Autódromo José Carlos Pace 85.8 km (20) 21.5 km (5)
2001 Parque Villa-Lobos 80 km (20) ?

Vencedores[editar | editar código-fonte]

Em amarelo, edições disputadas sob o nome GP São Paulo Internacional de Ciclismo, desconsideradas na contagem oficial.

Edição Ano Vencedor (Elite Masculino) Vencedora (Elite Feminino)
71ª 2017 Brasil Caio Godoy Brasil Wéllida dos Santos
70ª 2016 Brasil Joel Cândido Prado[9] Brasil Daniela Lionço[9]
69ª 2015 Brasil Joel Cândido Prado Brasil Camila Coelho
2014 Brasil Flávio Cardoso Brasil Camila Coelho
2013 Brasil Roberto Pinheiro Brasil Fernanda Souza
2012 Argentina Francisco Chamorro Brasil Luciene Ferreira [10]
68ª 2011 Brasil Roberto Pinheiro Brasil Fernanda da Silva
67ª 2010 Argentina Francisco Chamorro Brasil Débora Gerhard
66ª 2009 Brasil Bruno Tabanez Brasil Débora Gerhard
65ª 2008 Cuba Michel Fernández García Brasil Camila Coelho
64ª 2007 Brasil Rafael Andriato Brasil Luciene Ferreira
63ª 2006 Brasil Renato Seabra [11] Brasil [[Débora Gerhard }}]] [12]
62ª 2005 Brasil Roberson Silva Brasil Luciene Ferreira [13]
61ª 2004 Brasil Nilceu dos Santos França Cláudia Carceroni Saintagne [14]
60ª 2003 Estados Unidos John Lieswyn Brasil Ana Cristina Matto [15]
59ª 2002 Brasil Rodrigo de Mello Brito França Cláudia Carceroni Saintagne [16]
58ª 2001 Brasil Nilceu dos Santos Brasil Jaqueline Mantovani [17]
57ª 2000 Brasil Murilo Fischer Brasil Janildes Fernandes
56ª 1999 Brasil Patrique Gama Azevedo Brasil Janildes Fernandes
55ª 1998 Brasil Luciano Pagliarini Brasil Janildes Fernandes
54ª 1997 Brasil Valdir Lermen Brasil Alessandra dos Santos
53ª 1996 Brasil Valdir Lermen Brasil Ieda Botelho
52ª 1995 Brasil Hernandes Quadri Júnior Brasil Rosane Minervino
51ª 1994 Brasil Fábio Veloso Santos Brasil Ieda Botelho
50ª 1993 Brasil Jamil Suaiden Brasil Carla Camargo Gardenal
49ª 1992 Brasil Márcio May França Cláudia Carceroni Saintagne
48ª 1991 Brasil Wanderley Magalhães França Cláudia Carceroni Saintagne
47ª 1990 Brasil Wanderley Magalhães Brasil Flávia Salvi
46ª 1989 Brasil Wanderley Magalhães Brasil Cibele Santini
45ª 1988 Brasil Ailton Souza N/A
44ª 1987 Brasil Antônio Silvestre N/A
43ª 1986 Brasil Marcos Mazzaron N/A
42ª 1985 Brasil Ailton Souza Brasil Cláudia Tourinho
41ª 1984 Brasil Gilson Avaristo N/A
40ª 1983 Brasil Gabriel Rodrigues N/A
39ª 1982 Brasil Ailton Souza N/A
38ª 1981 Brasil Gilson Avaristo N/A
37ª 1980 Brasil Jair Braga N/A
36ª 1979 Chile Sérgio Aliste N/A
35ª 1978 Bolívia Edgar Cueto Garcia N/A
34ª 1977 Brasil Miguel Duarte Silva N/A
33ª 1976 Uruguai Roberto Castroman N/A
32ª 1975 Uruguai Hector Rondon N/A
31ª 1974 Argentina Juan Carlos Haedo N/A
30ª 1973 Uruguai Saul Alcântara N/A
29ª 1972 Brasil José George Breve N/A
28ª 1971 Brasil Miguel Duarte Silva N/A
27ª 1970 Uruguai Saul Alcântara N/A
26ª 1969 Brasil Luiz Carlos Flores N/A
25ª 1965 Brasil Luiz Carlos Fonseca N/A
24ª 1964 Brasil Antônio Ferreira N/A
23ª 1963 Brasil Tércio Andrade N/A
22ª 1962 Brasil José Élcio Corá N/A
21ª 1961 Brasil Cláudio Rosa N/A
20ª 1960 Uruguai Rubens Etchebarne N/A
19ª 1959 Itália Luigi Cussigh N/A
18ª 1958 Brasil Cláudio Rosa N/A
17ª 1957 Portugal Arthur Coelho N/A
16ª 1956 Brasil Antônio Alba N/A
15ª 1955 Portugal Antonio Barbosa Alves N/A
14ª 1952 Portugal Antonio Barbosa Alves N/A
13ª 1951 Argentina Pedro Salas N/A
12ª 1950 Uruguai José Taccone N/A
11ª 1949 Portugal Fernando Moreira N/A
10ª 1948 Argentina Jorge Oliveira N/A
1947 Brasil Rolando Montesi N/A
1940 Brasil José Magnani N/A
1939 Brasil Arthur Ferreira N/A
1938 Brasil Rolando Montesi N/A
1937 Brasil Rolando Montesi N/A
1936 Brasil Luiz Lima N/A
1935 Brasil Amélio Sorto N/A
1934 Brasil José Magnani N/A
1933 Brasil José Magnani N/A
Flavio Cardoso campeão da prova

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n «Prova Ciclística 9 de Julho - Gazeta Esportiva». www.gazetaesportiva.com. Consultado em 18 de abril de 2017 
  2. «Federação Paulista de Ciclismo – 70ª Prova Ciclística 9 de Julho – Regulamento». Consultado em 19 de abril de 2017 
  3. A nova 9 de Julho
  4. «Prova 9 de Julho muda de nome para GP São Paulo Internacional de Ciclismo»  (bikemagazine.com.br)
  5. fpciclismo.org.br. «Osasco conquista título da 69ª Prova Ciclística 9 de Julho». 10-07-2015. Consultado em 2 de fevereiro de 2016 
  6. Imprensa FPC (29 de março de 2017). «Prova Ciclística 9 de Julho abre as inscrições.». Federação Paulista de Ciclismo. Consultado em 24 de abril de 2017 
  7. «71ª Prova Ciclística 9 de Julho 2017: inscrições abertas - Gazeta Esportiva». www.gazetaesportiva.com. Consultado em 3 de maio de 2017 
  8. a b c «Prova Ciclística 9 de Julho - Gazeta Esportiva». www.gazetaesportiva.com. Consultado em 24 de abril de 2017 
  9. a b «Joel Prado Júnior e Daniela Lionço são campeões da Prova Ciclística 9 de Julho ‏ 2016». Revista Ride Bike. 10 de julho de 2016. Consultado em 23 de abril de 2017 
  10. http://www.cbc.esp.br/default/admin/arquivos/Elite-Masculina2%20GP%20SAO%20PAULO%209%20DE%20JULHO.pdf Resultados 2012 (masculino)
  11. {{citar web | url=http://www.cbc.esp.br/provas_2006/9julho/resultados9julho.htm | título=Resultados 2006 (masculino)
  12. http://www.scott.com.br/news_noticias.asp?ano=2006&codigo=1701 Resultados 2006
  13. http://www.cbc.esp.br/provas_2005/9julho/09-07.htm Resultados 2005
  14. http://www.cbc.esp.br/provas_2004/9julho/result.htm Resultados 2004
  15. http://www.cbc.esp.br/Provas/9julho/9julho.htm Resultados 2003
  16. http://www.andersonbicicletas.com.br/reportagens/noticias_nove_de_julho.php Resultados 2002
  17. http://www1.an.com.br/2001/jul/16/0esp.htm Resultados 2001

Ligações externas[editar | editar código-fonte]