ReiserFS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
ReiserFS
Desenvolvedor(a)Namesys
Nome completoReiserFS
Introduzido2001 com Linux 2.4.1
Identificador da partiçãoApple_UNIX_SVR2 (Apple Partition Map),
0x83 (MBR),
EBD0A0A2-B9E5-4433-87C0-68B6B72699C7(GPT)
Estruturas
Conteúdos de diretórioÁrvore B+
Alocação de arquivosBitmap[1]
Limites
Tamanho máx. de volume16 TiB
Tamanho máx. de arquivo1 EiB (8 TiB em sistemas de 32 bits)
Número máx. de arquivos232−3 (~4 bilhões)[2]
Comprimento máx. de nome de arquivo4032 bytes, limitado em 255 pelo Linux VFS
Caracteres permitidos em nomes de arquivosTodos os caracteres exceto NUL and '/'
Funcionalidades
Datas salvasmodificação (mtime), mudança de metadados (ctime), acesso (atime)
Faixa de datas14 de Dezembro de 1901 – 18 de janeiro de 2038
Resolução de datas1 s
BifurcaçõesAtributos Estendidos
Permissões de sistema de arquivosPermissões UNIX, ACLs e atributos arbitrários de segurança
Compressão transparenteNão
Criptografia transparenteNão
Outros
Sistemas operativos suportadosLinux, ReactOS

ReiserFS é um sistema de arquivos usado geralmente em sistemas Linux. Este artigo fornece informações sobre a versão 3.6.x do ReiserFS. Uma nova versão, Reiser4, ainda está inacabada.

Origem[editar | editar código-fonte]

Criado por Hans Reiser e inicialmente mantido pela empresa The Naming System Venture (Namesys)[3][4], o ReiserFS foi o primeiro sistema de arquivos com suporte a “journaling” incluído no núcleo Linux 2.4+[5]. São seus patrocinadores as empresas Novell e Linspire, embora a Novell tenha anunciado[6] em Outubro de 2006 que o sistema de arquivos padrão no Suse Linux passou a ser o ext3.

Características[editar | editar código-fonte]

ReiserFS usa árvores balanceadas para tornar o processo de busca de arquivos, informações sobre segurança e outros metadados mais eficiente. Para arquivos muito pequenos, seus dados podem ser armazenados próximos aos metadados, então, ambos podem ser recuperados com um pequeno movimento do mecanismo da "cabeça" de leitura do disco. Essa propriedade vai contribuir para um melhor desempenho caso uma aplicação necessite abrir muitos arquivos pequenos rapidamente.[7]

No caso de um desligamento incorreto do sistema, o ReiserFS é capaz de recuperar a consistência do sistema de arquivos em pouco tempo e a possibilidade de perda de pastas ou partições é reduzida. Em compensação, os arquivos que eventualmente estiverem sendo gravados no exato momento em que acabou a energia ficarão com seus dados corrompidos, haverá acesso aos arquivos normalmente, mas o conteúdo estará truncado ou incompleto.

Características técnicas[editar | editar código-fonte]

As principais fontes para a descrição técnica do ReiserFS são: (i) Florian Buchholz[8]; (ii) o código fonte do Linux (disponível em http://www.kernel.org); (iii) o pacote reiserfsprogs, disponível em http://ftp.kernel.org/pub/linux/utils/fs/reiserfs/.

O ReiserFS teoricamente suporta vários tamanhos de bloco: 512, 1024, 4096 e 8192 bytes. Entretanto, até a versão 3.6.21 do reiserfsprogs e até a versão 2.6.32 do Linux, o único tamanho suportado é de 4096 bytes (4 KiB). Um bloco pode ser formatado ou não-formatado. Um bloco formatado pode conter um dentre os seguintes itens: (i) stat, que contém os metadados de um arquivo ou diretório; (ii) diretório; (iii) direto, que contém dados de um arquivo, se seu tamanho for de até 4048 bytes; (iv) indireto, que aponta para blocos não-formatados. Blocos não-formatados armazenam dados de arquivos que ocupam mais que um item direto.

Desvantagens[editar | editar código-fonte]

Uma desvantagem do ReiserFS é o seu consumo de CPU muito elevado. Utiliza no mínimo 7 por cento da CPU, chegando a usar até 99 por cento, quando a actividade de disco é elevada.[carece de fontes?]

O futuro do ReiserFS é atualmente dado como incerto[9], em virtude da prisão em 10 de Outubro de 2006 de Hans Reiser, seu criador, e sua condenação em 28 de Abril de 2008 pelo assassinato de sua mulher no início de Setembro de 2006. Atualmente, devido à paralisação das atividades da Namesys, o projeto ReiserFS está armazenado em kernel.org[10].

Referências

  1. Reiser FS node layout (em inglês), Namesys, consultado em 23 de agosto de 2017, cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗 .
  2. «Reiser FS Specifications», FAQ (em inglês), Namesys .
  3. ReiserFS Official Site (indisponível)
  4. Namesys status: "suspended" Arquivado em 18 de dezembro de 2007, no Wayback Machine. Acessado em 11 de Julho de 2008 (em inglês)
  5. Anatomy of Linux journaling file systems Acessado em 11 de Julho de 2008. (em inglês)
  6. Novell makes file storage software shift Acessado em 11 de Julho de 2008. (em inglês)
  7. Using ReiserFS and Linux Acessado em 11 de Julho de 2008. (em inglês)
  8. The structure of the Reiser file system Arquivado em 28 de dezembro de 2011, no Wayback Machine. Acessado em 03 de maio de 2010. (em inglês)
  9. ReiserFS fading into obscurity as maker leads cops to corpse Acessado em 11 de Julho de 2008. (em inglês)
  10. Index of /pub/linux/utils/fs/reiserfs Acessado em 11 de Julho de 2008.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]