File Allocation Table

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2016). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

File Allocation Table (FAT, tradução livre: Tabela de Alocação de Ficheiros) é um sistema de ficheiros desenvolvido para o MS-DOS e usado em versões do Microsoft Windows até o Windows 95[1] .

A tabela de alocação é um mapa de utilização do disco ou disquete. Graças a ele, o sistema operacional é capaz de saber exactamente onde um determinado ficheiro está armazenado.

O sistema FAT é considerado como relativamente simples, e por isso é um formato popular para discos diversos. Além disso, é suportado por virtualmente todos os sistemas operativos/operacionais existentes para computadores pessoais, e assim, é usado frequentemente para compartilhar dados entre diversos sistemas operativos instalados num computador (um ambiente multiboot ou multiarranque).

Fat32.jpg

Implementação[editar | editar código-fonte]

É usado em cartões de memória de estado sólido (conhecidos como discos flash ou pendrives) e em outros dispositivos semelhantes.

As implementações mais comuns têm um inconveniente sério: quando ficheiros são apagados e novos ficheiros são escritos no suporte, as suas partes tendem a dispersar-se, fragmentando-se por todo o espaço disponível, tornando a leitura e a escrita um processo lento.

A desfragmentação é uma solução para isso, mas é habitualmente um processo demorado (sobretudo no sistema FAT32) e que tem de ser repetido regularmente para manter o sistema operacional limpo.

Existem 3 versões do sistema FAT: FAT (12 bits, usado pelos disquetes), FAT16 (para OS 16 bits ou 32 bits) e FAT32 (só para SO a 32 bits); a diferença mais visível entre as duas últimas versões (16 e 32) é que FAT32 suporta nomes de ficheiros longos (até 256 caracteres), enquanto o FAT16 suporta apenas nomes de arquivos curtos (até 8 caracteres + extensão). Caso seja excedido o valor de caracteres, os caracteres excedidos (do nome do ficheiro) desaparecerão e no lugar deles aparecerá ~1 ou ~2 (se já existir um outro arquivo com os 8 primeiros caracteres iguais).

Um dos maiores problemas do FAT diz respeito à segurança, pois neste sistema os ficheiros podem ser lidos ou escritos por qualquer utilizador (e não apenas por utilizadores autorizados, como no Ext2, Ext3 ou NTFS). Por esse motivo, os Windows da família NT usam o NTFS que já oferece tal recurso.

Versões[editar | editar código-fonte]

FAT-16[editar | editar código-fonte]

O sistema de arquivos FAT-16 é utilizado pelos sistemas operacionais MS-DOS e Windows 95. Este sistema utiliza 16 bits para o endereçamento de dados, podendo trabalhar no máximo com 65.536 (2^16) posições diferentes. Se observarmos que os setores possuem o tamanho de 512 bytes, fica fácil perceber que em FAT 16 só seria possível acessar 65.536 x 512 bytes= 33.554.432 bytes, isto é 32 MB. Mas trabalha com discos de 32 MB, mesmo com o Windows 95 fica difícil... Para resolver este problema a Microsoft passou a apontar conjuntos de setores, os clusters, em vez dos setores somente, como mostra a tabela abaixo.

Cluster (em FAT 16) Capacidade de Acesso Ao Disco
2 KB 128 MB
4 KB 256 MB
8 KB 512 MB
16 KB 1 GB
32 KB 2 GB

Dessa forma, apontando clusters dentro do limite de 32 KB cada, tornou-se possível o acesso a discos de até 2GB. A grande desvantagem do sistema FAT 16 é o desperdício. Para entender melhor, imagine que você está utilizando um HD de 2 GB, cujos clusters são de 32 KB. Neste caso todos os arquivos ocuparão espaço de no mínimo 32 KB, mesmo que sejam menores. O espaço que sobra em um cluster que não foi totalmente ocupado fica desperdiçado. Esse desperdício, que pode chegar a 25% da capacidade total do HD, é conhecido como Slack space, e é o grande problema desse sistema de arquivos, além da limitação quanto ao tamanho do disco rígido (2 GB).

VFAT[editar | editar código-fonte]

O sistema FAT aceita somente arquivos no formato 8.3 (no máximo 8 caracteres para os nomes dos arquivos e 3 letras para a extensão). Para permitir arquivos com nomes longos, o sistema VFAT armazena o nome do arquivo no formato 8.3 e o nome longo fica oculto entradas fantasmas do diretório, que podem ser vistas somente pelo Windows 9x.

Pen Drive[editar | editar código-fonte]

Embora fora de uso no Disco Rígido, o sistema FAT , por ser rápido e simples, é utilizado hoje no Pen Drive que utilizamos para guardar arquivos, fotos, músicas. No pen drive o sistema é o FAT32 e normalmente já vem formatado assim do fabricante, mas pode ser alterado para NTFS, porém neste caso vamos perder um pouco de espaço disponível para ser utilizado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Qual a diferença entre NTFS, FAT, FAT 32 e exFAT». Oficina Da Net. Consultado em 7 de Janeiro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre computação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.