Rinópolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Rinópolis
Bandeira de Rinópolis
Brasão de Rinópolis
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 4 de outubro de 1927 (89 anos)
Gentílico rinopolense
Prefeito(a) José Ferreira de Oliveira Neto (PV)
(2017–2020)
Localização
Localização de Rinópolis
Localização de Rinópolis em São Paulo
Rinópolis está localizado em: Brasil
Rinópolis
Localização de Rinópolis no Brasil
21° 43' 33" S 50° 43' 19" O21° 43' 33" S 50° 43' 19" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Presidente Prudente IBGE/2008[1]
Microrregião Adamantina IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Parapuã, Piacatu, Iacri e Osvaldo Cruz
Distância até a capital 525 km
Características geográficas
Área 358,500 km² [2]
População 10 116 hab. Estimativa: IBGE/2016[3]
Densidade 28,22 hab./km²
Altitude 425 m
Clima Tropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,757 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 76 628,484 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 8 089,15 IBGE/2008[5]
Página oficial

Rinópolis é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 21º43'33" sul e a uma longitude 50º43'20" oeste, estando a uma altitude de 425 metros. Sua população estimada em 2016 era de 10.116 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Começa em setembro de 1.927, quando a Firma Lélio Piza & Irmãos oferece terrenos à venda na Fazenda Goataporanga, localizada na margem esquerda do Rio Aguapeí (Rio Feio). A firma em questão possua ao todo 126.000 alqueires. Eugênio Rino, chefe de uma família de destemidos agricultores, manda seus filhos e genro, Domingos Rino, Eugênio Rino Filho e Francisco Nascimento Silva, juntamente com Orozinho Durval, representante da firma vendedora, explorarem o terreno e conheceram suas condições de fertilidade e salubridade.

Os referidos senhores vieram de automóvel de Pirajuí para Juliápolis (atual Juliania), seguindo depois a cavalo por um picadão aberto na mata virgem, demorando nesta viagem aproximadamente 10 dias. Voltaram e comunicaram ao Cel. Eugênio Rino que as terras eram de boa fertilidade o qual adquiriu então, 2.745 alqueires. Nessa época contrataram um engenheiro civil, Dr. Marcondes Filho, para fazer o loteamento. Entrou por uma gleba do Rio Feio, além do Brasil Plantate & Cia Ltda.. Passando o Rio Feio começou os serviços da aludida gleba, onde ficou doente e mandou outro engenheiro civil para continuar os serviços. Nas margens do Ribeirão Itaúna o engenheiro perde o rumo e se perde também. O Cel. Eugênio Rino manda então Francisco Nascimento Silva, Vicente Rino e Eugênio Rino Filho em procura do engenheiro. Subiram o Ribeirão Itaúna, após atravessarem o Rio Feio a nado e encontraram o engenheiro, demorando quatro dias até chegar no começo do Córrego Bri, onde plantam o marco inicial de um novo município.

A fertilidade da terra atraem novos compradores, como Luiz Wolff, Antonio Rodrigues da Cunha, Benedito Borges e outros. Afim de contornar os inúmeros inconvenientes da entrada por Juliápolis, Eugênio Rino, Luiz Wolff e Antonio Rodrigues da Cunha, com suas turmas de trabalhadores, abrem o prolongamento da Estrada Birigui X Bela Vista (atual Piacatú), por onde passam em 1.928 as primeiras famílias que vem habitar o lugar. Nesse ano fazem-se as primeiras derrubadas, plantando-se as primeiras lavouras de cereais e café. Em 1.930, a nova comunidade concentrada no Bri, recebe a visita do Bispo de Botucatu, D. Ático Euzébio da Rocha, que celebra a primeira missa.

Por volta de 1.932 o Cel. Eugênio Rino loteia a chapada denominada Andorinha, para onde começam a convergir as primeiras construções e onde Domingos Rino abre o primeiro estabelecimento comercial. Então aqueles corajosos desbravadores, encurralados no seio da mata, dispondo de uma única e precária saída são animados por um sinal promissor: avistam longínqua fumaça de queimadas, a sudoeste do Patrimônio, indício de presença humana. Organizam-se mutirões, toda a gente colabora e, em breve, nova estrada chega ao Patrimônio de Bastos (atual Bastos) onde se estabelece ligação com a Estrada de Ferro Sorocabana. Apresenta-se aos moradores de Rinópolis mais um problema de vulto: o município precisa estabelecer ligação com a sede municipal.

Diante da alegação do Prefeito de Tupã de que aquela Prefeitura não dispõe de recursos para a abertura da estrada, o Sub-Prefeito, Eugênio Rino Filho, apela para o povo que, como em outras ocasiões aceita a incumbência e abre a estrada até Dom Quixote compelindo a Prefeitura de Tupã a completar a obra. Nada mais pode parecer impossível para Rinópolis. Seu povo conclui, diante dos exemplos do passado que, enquanto se mantiver unido, nenhum obstáculo poderá resistir indefinidamente à sua vontade. Em 30 de novembro de 1.944, o Decreto-Lei Estadual nº. 14.334, que cria entre outros, o município de Rinópolis, vem coroar os esforços dos representantes desse povo: Eugênio Rino, Eugênio Rino Filho, Orestes Pagliusi, José Tavares de Mello, Vicente Rino, Domingos Rino, Francisco Stramandinolli e outros, que tiveram em Sud Menucci o seu mais constante orientador.

O Município de Rinópolis foi instalado em 1º de Janeiro de 1.945, constituído de um único Distrito que é a sede municipal. De 04 de agosto de 1.937 a 30 de novembro de 1.938 Rinópolis pertenceu ao Município de Araçatuba. Pelo Decreto nº. 9.775, de 30 de novembro de 1.938, foi transferido para o município de Tupã, atual sede de Comarca.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Pequena Cidade do Interior de São Paulo, Rinópolis está localizado no Oeste do Estado, Latitude 21 graus 43 33 sul, Longitude: 50 graus 43 20 Oeste; Altitude: 525 metros; Distância da capital: 525 quilômetros (rodovia), 480 quilômetros (linha reta); Limites: Ao norte com Piacatu e Santópolis do Aguapeí; ao sul com Parapuã; leste com Iacri e; a oeste com Osvaldo Cruz.

Localizada numa planície, sendo o Rio Aguapeí (ou Feio), sua principal artéria fluvial, tem  relevo com largas ondulações em grande parte formando extensas planícies, com solo de predominância arenosa, aluviais e massapé.

Seu solo é constituído de 3 faixas principais de solo que se estendem no sentido sudeste - noroeste do Estado de São Paulo. De norte para sul na porção setentrional do município, encontramos a primeira delas: da era mesozóica, triássico ou jurásico constituído de rochas eruptivas básicas. A segunda faixa que corre em contiguidade com a anterior, em seus limites meridionais, orientais e ocidentais é constituída de terras da mesma era, com a mesma divisão e são do tipo botucatu e pirambóia. Na região central, ocidental oriental e meridional encontramos ainda da era mesozóica o terreno caiácretáceo.[7]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

População total: 10.255

  • Urbana: 7.948
  • Rural: 2.307
  • Homens: 5.271
  • Mulheres: 4.984

Densidade demográfica (hab./km²): 28,61

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 17,09

Expectativa de vida (anos): 70,58

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,14

Taxa de alfabetização: 85,53%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,757

  • IDH-M Renda: 0,680
  • IDH-M Longevidade: 0,760
  • IDH-M Educação: 0,832

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Distante 525 km de São Paulo, com acesso pela Rodovia Castelo Branco SP-280 posteriormente acesso a Botucatu no km 209 e SP-300 Rodovia Marechal Rondon. O acesso ao município é feito a partir da SP-425.

Administração[editar | editar código-fonte]

Lista de Prefeitos de Rinópolis[editar | editar código-fonte]

  • 17º(Atual) José Ferreira de Oliveira Neto

Vice-prefeita: Nanci Maroni da Silva Yamamoto

a partir de 1º de janeiro de 2017 até presente.

  • 16º Valentim Trevisan

Vice-prefeita: Graziela Tomé

Graziela foi a primeira mulher a ocupar um cargo no executivo de Rinópolis

a partir de 1º de janeiro de 2013

  • 15º Valentim Trevisan

Vice-prefeito: José Ferreira de Oliveira Neto

a partir de 1º de janeiro de 2009

  • 14º Antonio Paulo dos Reis

Vice-prefeito: Valdecir Aparecido Minini

a partir de 1º de janeiro de 2005

  • 13º Antonio Paulo dos Reis

Vice-prefeito: Valdecir Aparecido Minini

a partir de 1º de janeiro de 2001

  • 12º Antonio Pinheiro Neto

Vice-prefeito: Pedro Guilabel Ramos

a partir de 1º de janeiro de 1997

  • 11º Olider Micali

Vice-prefeito: Valdecir Aparecido Minini

a partir de 1º de janeiro de 1993

  • 10º Antonio Pinheiro Neto

Vice-prefeito: Adelcio Aranega Floriani

a partir de 1º de janeiro de 1989

  • 9º Manoel Rodrigues

Vice-prefeito: José Ivo Telini

a partir de 1º de fevereiro de 1983

  • 8º Miton Giacomini Pagliusi

Vice-prefeito: Milton de Oliveira Alves

a partir de 1º de fevereiro de 1977

  • 7º josé olea da silva sauro

Vice-prefeito: Vicente Pires de Arruda

a partir de 1º de fevereiro de 1973

  • 6º Miton Giacomini Pagliusi

Vice-prefeito: Milton de Oliveira Alves

a partir de 1º de fevereiro de 1969

  • 5º José Tavares de Melo

Vice-prefeito: Antenor de Mattos

a partir de 1º de janeiro de 1964

  • 4º Joaquim Oléa

Vice-prefeito: José Tavares de Mello

a partir de 1º de janeiro de 1960

  • 3º Dr.Ginez Carmona Martinez

Vice-prefeito: José Paes de Lima

a partir de 1º de janeiro de 1956

  • 2º Joaquim Oléa

Vice-prefeito: José Tavares de Mello

a partir de 1º de janeiro de 1952

  • 1º Eugênio Rino Filho

a partir de 1º de janeiro de 1948[8]

PERÍODO = 1945 A 1947[editar | editar código-fonte]

  • 3º - Nelson Rino

de 01/maio/1.947 a 31/dezembro/1947.

  • 2º - Gilberto de Almeida Castilho

de 27/março a 30/abril de 1947.

  • 1º - Eugênio Rino Filho

de 01/maio/1.947 a 31/dezembro/1947.[9]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. [1]
  7. [2]
  8. [3]
  9. [4]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.