Ruth Landes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ruth Landes
Nascimento 8 de outubro de 1908
Nova Iorque
Morte 11 de fevereiro de 1991 (82 anos)
Hamilton
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade Columbia, Universidade de Nova Iorque
Ocupação antropólogo
Empregador Universidade McMaster, Universidade do Kansas, Brooklyn College

Ruth Landes (1908-1991)[1] foi uma antropóloga estadunidense. Formou-se pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque, influenciada por Franz Boas.[2]

Ela foi uma pioneira nos estudos sobre as mães-de-santo do Candomblé em Salvador, mas foi perseguida e expulsa do Brasil durante suas pesquisas.[2][3][4][5]

Estudos afro-brasileiros[editar | editar código-fonte]

Em 1938, ganhou um contrato de pesquisa para estudar as relações raciais no Brasil. Viajou em abril daquele ano para o Rio de Janeiro e seguiu em fins de agosto para a Bahia, o seu objetivo. Em Salvador conheceu Edison Carneiro, que lhe apoiou em seus estudos, apresentando-a aos terrreiros de candomblé e seus líderes. Em fevereiro de 1939 foi expulsa da Bahia pela polícia política, em razão da implicação com os cultos afro-brasileiros. Ainda demorou-se alguns meses no Rio de Janeiro, retornando depois aos Estados Unidos.[2][3][4][5]

Em 1947, publicou o seu livro City of Women (Cidade das Mulheres), obra dirigida a largo público, que toma a forma de um relatório de viagem e dialogo filosófico com Edison Carneiro. Composto por 248 páginas, a obra contém valiosa relação da vida popular e da estrutura de classes e de gêneros na Bahia de então. Landes ressalta o papel dirigente das mulheres no candomblé, ligando-o à maneira baiana de conceber os papéis e as virtudes dos homens e das mulheres.[2][3][4][5]

O livro contém expressivos detalhes sobre personalidades como Edison Carneiro, Mãe Menininha do Gantois e o povo do Gantois (entre o qual destacam-se o casal Manoel da Silva, o chefe da bateria, e Zézé de Iansã), Martiniano do Bonfim; a mãe-de-santo de candomblé de caboclo Sabina (da Barra); uma descrição de capoeira em festa popular que vêm completar a descrição dada por Edison Carneiro em Negros Bantus (1938).[2][3][4][5]

Publicações selecionadas[editar | editar código-fonte]

  • Ojibwa Sociology (1937)
  • The Ojibwa Woman (1938) ISBN 0-8032-7969-8
  • Culture in American Education: Anthropological Approaches to Minority and Dominant Groups in the Schools (1965)
  • Latin Americans of the Southwest (1965)
  • A cidade das mulheres (1967) (Portuguese translation of The City of Women.)
  • The Mystic Lake Sioux: Sociology of the Mdewakantonwan Sioux (1968)
  • Ojibwa Religion and the Midewiwin (1968)
  • The Prairie Potawatomi: Tradition and Ritual in the Twentieth Century (1970)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Ruth Landes Is Dead; Anthropologist Was 82». The New York Times (em inglês). 24 de fevereiro de 1991. ISSN 0362-4331. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  2. a b c d e Cole, Sally (2003). Ruth Landes: a life in anthropology. Lincoln: University of Nebraska Press. ISBN 978-0-8032-1522-1. OCLC 53293717 
  3. a b c d Romo, Anadelia (2010). Brazil's living museum: race, reform, and tradition in Bahia. Chapel Hill: University of North Carolina Press. pp. 118–123, 129–131. ISBN 978-0-8078-3382-7. OCLC 658201543 
  4. a b c d Gondek, Abby Suzanne (2019). «Ruth Landes/'she-maverick': A Jewish gendered late style». History and Anthropology. 30 (3): 331–351. ISSN 0275-7206. doi:10.1080/02757206.2019.1577734 
  5. a b c d e Oliveira, Amurabi (2018). «Amizades e inimizades na formação dos estudos afro-brasileiros». Latitude. 11 (2). ISSN 2179-5428. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  6. a b «Artur Ramos, Foreign research on Brazilian Blacks | Vibrant – Virtual Brazilian Anthropology v.7, n.1.» (em inglês). 2010 
  7. «Edison Carneiro, Artur Ramos' Falsetto | Vibrant – Virtual Brazilian Anthropology v.7, n.1.» (em inglês). 2010 
  8. «Peter Fry, Presentation | Vibrant – Virtual Brazilian Anthropology v.7, n.1.» (em inglês). 2010 
  9. Healey, Mark (1996). «Os desencontros da tradição em Cidade das Mulheres: raça e gênero na etnografia de Ruth Landes*». Cadernos Pagu (6/7): 153–199. ISSN 1809-4449 
  10. Abreu, Regina (2003). «A cidade das mulheres». Mana. 9 (1): 151–154. ISSN 0104-9313. doi:10.1590/S0104-93132003000100012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ruth Landes
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.