Sigeberto I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Disambig grey.svg Nota: Para outros monarcas de mesmo nome, veja Sigeberto.
Sigeberto I
'Rei da Austrásia (561-575)'
Consorte Brunilda da Austrásia
Antecessor(a) Clotário I
Sucessor(a) Quildeberto II
Dinastia Dinastia merovíngia
Nascimento 535
Morte setembro de 575 (40 anos), assassinado
Filho(s) Quildeberto II
Pai Clotário I

Sigeberto I (535575) foi rei da Austrásia da morte de seu pai em 561 até sua própria morte. Foi o terceiro filho sobrevivente dentre os quatro de Clotário I e Ingunda. Seu reinado foi principalmente ocupado com uma bem sucedida guerra civil contra seu meio irmão Quilperico I.

O assassinato de Sigeberto, de Jean Fouquet. Grandes Chroniques de France, século XIV

Por volta de 567 ele casou-se com Brunilda, filha do rei visigodo Atanagildo. Este casamento, se nós tomarmos o principal cronista da época, Gregório de Tours, em suas palavras, revela algo sobre o caráter superior de Sigeberto naquela época violenta e lasciva. Conforme Gregório:

Agora quando o rei Sigeberto viu que seus irmãos estavam tomando esposas indignas deles, e para suas desgraças estavam na verdade casando-se com mulheres escravas, ele enviou uma embaixada à Espanha e com muitos presentes pediu a mão de Brunilda, filha do rei Atanagildo. Ela era uma bela donzela, de aparência agradável, virtuosa e prendada, com bom senso e bem nascida. Seu pai não recusou, e a enviou ao rei que eu citei com grandes tesouros. E o rei juntou seus principais homens, preparou um banquete, e a tomou como sua esposa em meio a grandes felicidades e alegrias. E apesar de que ela fosse uma seguidora da le ariana, ela foi convertida pela pregação dos bispos pela advertência do próprio rei, e ela confessou a união da Santíssima Trindade, e acreditou e foi batizada. E ela permaneceu católica em nome de Cristo. [1]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre reis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre História da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.