Jean Fouquet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jean Fouquet
Nome nativo Jean Fouquet
Nascimento 1420 (598 anos)
Tours
Morte Tours
Cidadania França
Ocupação pintor, iluminador, artista
Influências
Magnum opus Livro de Horas de Étienne Chevalier, Díptico de Melun
O Livro das Horas de Étienne Chevalier

Jean Fouquet (Tours, 14201481) foi o mais importante pintor francês do século XV do começo do Renascimento. Era um mestre na criação de painéis e iluminuras e renovou a pintura francesa no século XV.

Formado na tradição francesa do Gótico Internacional, desenvolveu um novo estilo integrando as fortes tonalidades cromáticas do gótico, com a perspectiva e os volumes italianos, assim como a inovação naturalista dos artistas flamengos. Suas obras-primas são o Díptico de Melun e as iluminuras do Livro de Horas de Étienne Chevalier. Muito reconhecido em seu tempo, depois sua obra foi esquecida até sua redescoberta no século XIX pelos românticos franceses e alemães, interessados na arte medieval. Sua importância como pintor foi reconhecida quando a Biblioteca Nacional de Paris montou uma exibição de suas obras em 1902, trazendo-as de várias partes da Europa. O Museu Condé, em Chantilly, guarda várias de suas iluminuras.

Pouco se sabe sobre sua vida, mas é certo que esteve na Itália, onde elaborou um retrato para o Papa Eugênio IV. Lá conheceu Fra Angelico. Em Florença, pôde analisar a maestria de Filippo Brunelleschi e Donatello. Também seguramente conheceu Masaccio, Paolo Uccello e Piero della Francesca. Em Pádua, encontrou-se com Castagno e em Veneza com Jacopo Bellini. e recebeu influências dos artistas da Toscana. Segundo Giorgio Vasari, foi um artista muito admirado na Itália. Adicionou a isso à inspiração dos Van Eycks, que foram a base do século XV na arte francesa. Ele foi o pintor da corte de Luís XI.

Seus desenhos eram cuidadosamente pensados de antemão. Conhecia os aspectos técnicos necessários para captar a atenção do espectador mediante una composição que se baseava em círculos, na Proporção áurea e em polígonos regulares.

Em 1450 pintou sua obra-prima, o Díptico de Melun. Nele, mesclou a arte flamenga, gótica e italiana. Na parte esquerda está aquele que encomendou a obra e a Virgem na parte direita. Acredita-se que a modelo da Virgem tenha sido Agnès Sorel, amante do Rei Carlos VII, e uma das mulheres mais lindas da França, de quem a pessoa que encomendou a obra era amigo. A obra foi posta na capela de Agnès, provavelmente acreditando-se que facilitaria sua chegada ao céu. O seio desnudo simboliza Maria como a mãe da Humanidade. Os dois painéis foram separados e vendidos separadamente durante a Revolução Francesa. A parte esquerda se encontra hoje na Gemäldegalerie, em Berlim.

Obras[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Jean Fouquet
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.