Sistema Paulista de Parques Tecnológicos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Sistema Paulista de Parques Tecnológicos (SPTec) é a associação oficial de parques tecnológicos do estado de São Paulo.

O governador Geraldo Alckmin assinou o decreto que criou o Sistema Paulista de Parques Tecnológicos, no dia 6 de fevereiro de 2006.

Em 10 de dezembro de 2007, ocorreu a entrega do projeto do Sistema Paulista de Parques Tecnológicos na sede da FAPESP em São Paulo, coordenado por João Evangelista Steiner, pesquisador e docente da Universidade de São Paulo, à Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo.

Existem 30 iniciativas para a criação de Parques Tecnológicos, sendo que uma possui credenciamento definitivo no sistema, a de São José dos Campos, e existem outros 18 credenciamentos provisórios em Araçatuba, Barretos, Botucatu, 3 em Campinas, Ilha Solteira, Mackenzie-Tamboré, Piracicaba, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, 2 em São Carlos, São José do Rio Preto, 2 em São Paulo e Sorocaba.[1]

Parques conveniados[editar | editar código-fonte]

A Coordenação planeja inaugurar sete Parques Tecnológicos conveniados ao projeto. Outros podem filiar-se a posteriori.

São José dos Campos[editar | editar código-fonte]

A prefeitura de São José dos Campos publicou no dia 17 de fevereiro de 2006 o decreto de desapropriação do terreno da Solectron, localizado à beira da Via Dutra.

O Parque Tecnológico de São José dos Campos abriga um campus da Faculdade de Tecnologia (FATEC), e abrigará um campus da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e outro da Universidade Estadual Paulista (UNESP), uma unidade do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e outra do Instituto de Tecnologias Biomédicas (ItecBio). Empresas e instituições como Embraer, Boeing,[2] Vale, Ericsson, ITA entre outros instalaram centros de pesquisa e desenvolvimento tecnológicos nas áreas de energia, aeronáutica, saúde e recursos hídricos e saneamento ambiental.[3]

Campinas[editar | editar código-fonte]

Já existe uma área delimitada para implantação do parque tecnológico de Campinas, o Pólo II do Ciatec. Na lei de zoneamento urbano, a sede do parque tecnológico está situada entre a Unicamp e a PUC-Campinas.

Diversas estruturas já estão instaladas no local, como o antigo centro de pesquisa da Telebrás, o CPqD, o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) e empresas da área farmacêutica, de tecnologia da informação, muitas delas desdobramento das atividades da Unicamp e do CPqD. As 30 empresas ali instaladas empregam hoje quase 3 mil pessoas.

São Carlos[editar | editar código-fonte]

Em São Carlos, a prefeitura assumiu a coordenação da equipe local do Parque através do CEDIN, o ParqTec (Science Park)[4], e de representantes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), USP, UNICEP, Unesp Araraquara e as duas unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) — a Instrumentação Agropecuária (CNPDia) e a Pecuária Sudeste.[5] [6] [7] [8]

O Parque Eco Tecnológico Damha também recebeu credeciamento definitivo em julho de 2012, no Sistema Paulista de Parques Tecnológicos (SPTec) para as suas atividades.[9]

O Parque Tecnológico de São Carlos recebeu credenciamento definitivo em 5 de abril de 2013, no Sistema Paulista de Parques Tecnológicos (SPTec) e tem suas atividades voltadas para o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação, Instrumentação Eletrônica, Automação e Robótica, Engenharia Não-Rotineira, Química Fina, Recursos Humanos, Comércio Exterior, Design, Marketing e Propaganda.[10]

Em 2014, o Parque recebe novos investimentos para a expansão do governo do estado, além de uma expansão de 37 mil metros quadrados às margesn da Rodovia Washington Luís em doação feita pela Sobloco Construtora.[11]

Ribeirão Preto[editar | editar código-fonte]

O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto[12] foi inaugurado no dia 26 de março de 2014, o empreendimento contará na primeira etapa, com 1.585,81 m², dentro do campus da USP, tendo inicialmente dois pavimentos para abrigar uma incubadora de empresas e um centro tecnológico. O local contará com suporte necessário para a instalação de micro e pequenas empresas inovadoras, oriundos de projetos de pesquisa e desenvolvimento, a partir de alunos da USP e de outras relevantes universidades da região.[13]

O Parque foi planejado em três etapas: na primeira, inaugurada, foram construídos os prédios que recebem a incubadora de empresas e o centro de tecnologia. Na segunda, estão previstas as instalações do segundo prédio e do núcleo administrativo. Já na terceira, a urbanização dos lotes para instalação de empresas.

O Parque Tecnológico tem como objetivo impulsionar o desenvolvimento científico e tecnológico da região, atraindo empresas que invistam em pesquisa e desenvolvimento (P&D) de produtos e processos inovadores, voltadas para as áreas de Saúde e Biotecnologia, e que priorizem o desenvolvimento sustentável. A vocação do parque foi baseada em três pilares: (a) as Instituições de Ensino e Pesquisa - compreendendo a formação de recursos humanos, a disponibilização de serviços tecnológicos e competências tecnológicas, (b) as demandas e gargalos tecnológicos empresariais da região de Ribeirão Preto e do Brasil, e (c) as tendências tecnológicas nacionais e internacionais do setor de Saúde e Biotecnologia.

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Há dois parques em construção: o Parque Tecnológico do Jaguaré (estadual) e o Parque Tecnológico de São Paulo - Zona Leste (municipal). No Jaguaré, a construção dos prédios do parque está em fase de licitação.

As entidades que conduzem o projeto do Núcleo do Parque Tecnológico do Jaguaré são a USP, o IPT, o Ipen, o Sebrae e o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), com apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado. No caso do Parque Tecnológico de São Paulo - Zona Leste, até o presente momento temos a participação da USP. do Instituto Superior de Tecnologia e Inovação (ISITEC) e FATEC.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Tecnologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.