Tatu-canastra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTatu-canastra
Tatu-canastra em cativeiro em Villavicencio, Colômbia
Tatu-canastra em cativeiro em Villavicencio, Colômbia
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Superordem: Xenarthra
Ordem: Cingulata
Família: Clamiforídeos
Género: Priodontes
Scott, 1903
Espécie: P. maximus
Nome binomial
Priodontes maximus
(Kerr, 1792)
Distribuição geográfica
Giant Armadillo area.png

O tatu-canastra (Priodontes maximus), também conhecido como canastra e tatuaçu,[2] é a maior espécie viva de tatu (embora seus parentes extintos, os gliptodontes, fossem muito maiores). Vive na América do Sul cisandina, estendendo-se até o norte da Argentina.[3] Esta espécie é considerada vulnerável à extinção,[1] sobretudo pela caça e destruição de seu habitat.[4] Chega a medir mais de 1 metro de comprimento.[2]

Os tatus-canastra têm o corpo coberto por poucos pelos e patas anteriores dotadas de garras enormes, que auxiliam na escavação de buracos. Preferem cupins e algumas formigas e ocasionalmente insetos, aranhas, minhocas, larvas, cobras e carniça.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Seus nomes comuns advêm do tupi-guarani: tatu de tatú;[5] tatuaçu de tatu-wasú (lit. "tatu-grande").[6][7][8]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O tatu-canastra é a maior espécie viva de tatu, com 11 a 13 bandas articuladas protegendo o corpo e mais três ou quatro no pescoço.[9] Seu corpo é marrom escuro, com uma faixa amarelada mais clara correndo ao longo dos lados e uma cabeça pálida, amarelo-esbranquiçada. Tem cerca de 80 a 100 dentes, mais do que qualquer outro mamífero terrestre. Os dentes são todos semelhantes na aparência, sendo pré-molares e molares reduzidos, crescem constantemente ao longo da vida e carecem de esmalte.[10] Também possui garras dianteiras extremamente longas,[11] incluindo uma terceira garra em forma de foice de até 22 centímetros (8,7 polegadas) de comprimento,[12] que são proporcionalmente as maiores de qualquer mamífero vivo.[10] A cauda é coberta por pequenas escamas arredondadas e não possui placas ósseas pesadas que cobrem a parte superior do corpo e o topo da cabeça. O animal é quase inteiramente desprovido de pelos, com apenas alguns de cor bege projetando-se entre as escamas.[10]

Os tatus-canastra pesam normalmente cerca de 18,7-32,5 quilos (41-72 libras) quando totalmente crescidos, no entanto, um espécime de 54 quilos (119 libras) foi pesado na natureza e os espécimes em cativeiro pesaram até 80 quilos (180 lb).[13][14][15] O comprimento típico da espécie é de 75–100 centímetros (30–39 polegadas), Com a cauda adicionando outros 50 centímetros (20 polegadas).[9]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Os tatus-canastra são encontrados em grande parte do norte da América do Sul, a leste dos Andes, exceto no leste do Brasil e no Paraguai. No sul, alcançam as províncias mais ao norte da Argentina, incluindo Salta, Formosa, Chaco e Santiago del Estero. Não há subespécies geográficas reconhecidas. Habitam principalmente habitats abertos, com pastagens de cerrado cobrindo cerca de 25% de sua distribuição,[16] mas também podem ser encontrados em florestas de várzea.[10]

Biologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

Os tatus-canastra são solitários e noturnos, passando o dia em tocas.[9] Também se enterram para escapar de predadores, sendo incapazes de rolar completamente em uma bola protetora.[17] Em comparação com as de outros tatus, suas tocas são incomumente grandes, com entradas medindo em média 43 cm (17 pol.) De largura e normalmente abrindo para o oeste.[18]

Usam suas grandes garras dianteiras para cavar em busca de presas e abrir cupinzeiros. A dieta é composta principalmente de cupins, embora formigas, vermes, aranhas e outros invertebrados também sejam consumidos.[9] Pouco se sabe atualmente sobre a biologia reprodutiva desta espécie, e nenhum jovem jamais foi descoberto em campo.[19] O tempo médio de sono de um tatu-canastra em cativeiro é de 18,1 horas.[20]

Não foram extensivamente estudados na natureza; portanto, pouco se sabe sobre sua ecologia natural e comportamento. No único estudo de longo prazo da espécie, iniciado em 2003 na Amazônia peruana, dezenas de outras espécies de mamíferos, répteis e aves foram encontradas usando as tocas de tatus-canastra no mesmo dia, incluindo o raro cachorro-do-mato-de-orelhas-curtas (Atelocynus microtis). Por causa disso, a espécie é considerada um engenheiro de habitat, e sua extinção local pode ter efeitos em cascata na comunidade de mamíferos ao empobrecer o habitat fossorial.[21] Além disso, o tatu-canastra já foi a chave para controlar as populações de cortadores de folhas que poderiam destruir plantações, mas também podem danificar as próprias plantações ao cavar o solo.[22]

As tatus-canastra fêmeas têm duas tetas e um período de gestação de cerca de cinco meses. As evidências apontam que dão à luz apenas uma vez a cada três anos.[23] Pouco se sabe com certeza sobre sua história de vida, embora se pense que os jovens são desmamados por volta dos sete a oito meses de idade, e que a mãe sela periodicamente a entrada de tocas contendo filhotes mais jovens, provavelmente para protegê-los de predadores. Embora nunca tenham sido criados em cativeiro, estimou-se que um tatu-canastra nascido na natureza no Zoológico de San Antonio tinha cerca de dezesseis anos quando morreu.[10]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Recinto do tatu-canastra no Bioparque Los Ocarros de Villavicencio, Colômbia

Caçado em toda a sua distribuição geográfica, um único tatu-canastra fornece grande quantidade de carne e é a principal fonte de proteína para alguns povos indígenas. Além disso, tatus-canastra vivos são frequentemente capturados para comércio no mercado negro e, invariavelmente, morrem durante o transporte ou em cativeiro. Apesar da ampla variedade desta espécie, é localmente rara. Isso é ainda mais exacerbado pela perda de habitat resultante do desmatamento.[1] As estimativas atuais indicam que pode ter sofrido um preocupante declínio populacional de 30% a 50% nas últimas três décadas. Sem intervenção, é provável que essa tendência continue.[24]

O tatu-canastra foi classificado como vulnerável na Lista Vermelha da União Mundial de Conservação em 2002,[1] e está listado no Apêndice I (ameaçado de extinção) da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção.[25] É protegido por lei na Colômbia, Guiana, Brasil, Argentina, Paraguai, Suriname e Peru,[26][27] e o comércio internacional é proibido por sua listagem no Apêndice I da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Extinção (CITES). No entanto, a caça para alimentos e venda no mercado negro continua a ocorrer.[24] Algumas populações ocorrem em reservas protegidas, incluindo o Parque das Emas no Brasil,[28] e a Reserva Natural do Suriname Central, um enorme sítio de 1,6 milhão de hectares de floresta tropical intocada administrado pela Conservation International.[29]

Referências

  1. a b c d Anacleto, T. C. S.; Miranda, F.; Medri, I.; Cuellar, E.; Abba, A. M.; Superina, M. (2014). «Giant Armadillo - Priodontes maximus». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T18144A47442343. doi:10.2305/IUCN.UK.2014-1.RLTS.T18144A47442343.en. Consultado em 17 de julho de 2021 
  2. a b «Tatu-canastra». Michaelis 
  3. Gardner, A.L. (2005). «Priodontes maximus». In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference 3rd ed. Baltimore, Marilândia: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. p. 98. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  4. a b Chiarello, Adriano Garcia; Röhe, Fábio; Miranda, Flávia Regina; Mourão, Guilherme de Miranda; Silva, Kena Ferrari Moreira da; Vaz, Sérgio Maia; Anacleto, Teresa Cristina da Silveira. «Mamíferos - Priodontes maximus - Tatu-canastra - Avaliação do Risco de Extinção de Priodontes maximus (Kerr, 1792) no Brasil». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) 
  5. «Tatu». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  6. Houaiss, verbete Tatuaçu
  7. «Tatuaçu». Michaelis. Consultado em 17 de julho de 2021 
  8. Papavero, Nelson; Teixeira, Dante Martins (2014). Zoonímia Tupi nos Escritos Quinhentistas Europeus (PDF). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Universidade de São Paulo (USP). p. 199 
  9. a b c d Burnie, D.; Wilson D. E. (2005). Animal: The Definitive Visual Guide to the World's Wildlife. Londres: Dorling Kindersley. ISBN 0789477645 
  10. a b c d e Carter, T.S.; Superina, M.; Leslie, D.M. Jr. (agosto de 2016). «Priodontes maximus (Cingulata: Chlamyphoridae)». Mammalian Species. 48 (932): 21–34. doi:10.1093/mspecies/sew002 
  11. Macdonald, D. (2001). The Encyclopedia of Mammals. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia 
  12. Eisenberg, J.; Redford, K. (1999). Animals of the Neotropics: The Central Neotripics. Vol. 3: Ecuador, Peru, Bolivia, Brazil. Chicago e Londres: Imprensa da Universidade de Chicago 
  13. Giant Armadillo Arquivado 2014-12-06 no Wayback Machine, Arkive
  14. «Armadillos, Armadillo Pictures, Armadillo Facts». Animals.nationalgeographic.com 
  15. «Giant armadillo Priodontes maximus (Kerr, 1792)» (PDF). faunaparaguay.com 
  16. Silveira, L.; et al. (dezembro de 2009). «Ecology of the giant armadillo (Priodontes maximus) in the grasslands of central Brazil». Edentata. 8, 9, & 10: 25–34. doi:10.1896/020.010.0112 
  17. «Giant Armadillo». Armadillo Online. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2013 
  18. Ceresoli, N.; Fernandez-Duque, E. (dezembro de 2012). «Size and orientation of giant armadillo burrow entrances (Priodontes maximus) in western Formosa Province, Argentina». Edentata. 13: 66–68. doi:10.5537/020.013.0109. hdl:11336/101662 
  19. Meritt, D. A. «Research Questions on the Behavior and Ecology of the Giant Armadillo (Priodontes maximus)». Edentata (7): 30–33 
  20. Holland, Jennifer S. (julho de 2011). «40 Winks?». National Geographic. 220 (1) 
  21. Pitman, R. Leite; Powell, G.; Cruz, D.; Escobedo, M.; Escobar, K.; Vilca, V.; Mendonza, A. (2004). «Habitat use and activity of the giant armadillo (Priodontes maximus): preliminary data from southeastern Peru». Nova Iorque: Sociedade para Conservação Biológica 
  22. Armitage, David (2004). «Priodontes Maximus (giant armadillo)». Animal Diversity Web 
  23. «Projeto estuda o maior dos tatus, gigante tímido que quase ninguém vê». ECOA - Uol. 2020 
  24. a b Aguiar, J.M. (2004). Species Summaries and Species Discussions. [S.l.: s.n.] pp. 3–26 
  25. «Giant armadillo (Priodontes maximus)». Xenarthrans 
  26. Superina, M. (2000). Biologie und Haltung von Gürteltieren (Dasypodidae). [Biology and maintenance of armadillos (Dasypodidae)]. Zürich, Switzerland: Institut für Zoo-, Heim- und Wildtiere, Universität Zürich 
  27. «Environmental Law Information». Ecolex. Consultado em 20 de julho de 2011. Arquivado do original em 7 de setembro de 2008 
  28. «Center of Conservation». University of Washington. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2013 
  29. «The Central Suriname Nature Reserve». Conservation International. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2011