Tradição judaico-cristã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Jacó lutando com o anjo de Gustave Doré (1832-1883 uma história judaico-cristã).

Tradição judaico-cristã ou somente judaico-cristianismo é um termo genérico usado para caracterizar o conjunto de crenças em comum do judaísmo e o cristianismo, bem como a herança das tradições judaicas herdadas pelos cristãos. Este termo é apropriado para caracterizar, como principal fonte doutrinária das crenças judaicas e cristãs, com o conjunto de livros composto pelo Velho Testamento e do Novo Testamento.

Significados múltiplos[editar | editar código-fonte]

O termo tradição judaico-cristã, ou somente judaico-cristianismo, foi usado primeiramente pelo Oxford English Dictionary, edições de 1899 e 1910, respectivamente, ambas discutindo as origens do cristianismo. Portanto, "judaico-cristão" significaria as crenças cristãs primitivas, que seriam ainda uma continuação do judaísmo pregado pelos judeus. .[1] O significado atual foi usado pela primeira vez em 27 de julho de 1939 pela New English Weekly.[2]

O termo ganhou popularidade mais particularmente na esfera política a partir da década de 1920 e 1930, promovido por grupos liberais, que evoluíram para a Conferência Nacional de cristãos e judeus, aliados na luta contra o anti-semitismo por expressar uma ideia mais abrangente dos Estados Unidos da América do que a retórica anteriormente dominante da nação como um país especificamente cristão.[3] [4] Em 1952 o presidente eleito Dwight Eisenhower falou que o "conceito judaico-cristão" é a fé sobre a qual "o nosso (...) governo ... é fundado ".[5]

Base de um conceito comum das duas religiões[editar | editar código-fonte]

Apoiantes do conceito judaico-cristão e a reivindicação que cristianismo é o herdeiro do judaísmo, e que toda a lógica do cristianismo como uma religião baseia-se no fato que ela foi construída sobre o judaísmo. A maior parte da Bíblia cristã é, na verdade, o Tanakh judaico, embora em ordem diferente, sendo utilizado como material de ensino moral e espiritual de todo o mundo cristão. Os profetas, patriarcas e heróis das escrituras judaicas são também conhecidos no cristianismo, que utilizam o texto judaico como base para a sua compreensão da dervene da história judaico-cristã, e de figuras como Abraão, Elias e Moisés. Como resultado, grande parte dos ensinamentos judaicos e cristãos são baseados em um texto em comum.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Dois livros notáveis abordaram as relações entre o judaísmo e o cristianismo contemporâneo, “Where Judaism Differs” de Abba Hillel Silver e “Judaism and Christianity” de Leo Baeck, ambos motivados pelo desejo de esclarecer as relações inter-religiosas "em um mundo onde o termo judaico-cristão tinha obscurecido diferenças essenciais entre as duas religiões." [6] Reagindo contra a ofuscação das diferenças teológicas, o rabino Eliezer Berkovits escreveu que "o judaísmo é judaísmo porque rejeita o cristianismo, e o cristianismo é cristianismo porque rejeita o judaísmo".[7] O teólogo e romancista Arthur A. Cohen, em “The Myth of the Judeo–Christian Tradition”, questionou a validade teológica da herança judaico-cristã, e sugeriu que era essencialmente uma invenção das relações ecumênicas e políticas, enquanto Jacob Neusner, em “Jews and Christians: The Myth of a Common Tradition” escreve que “as duas fés são direcionadas para pessoas diferentes falando sobre coisas diferentes (...)".[8]

O professor de direito Stephen M. Feldman questiona a validade da tradição judaico-cristã:

"Uma vez que se reconhece que o Cristianismo tem historicamente enraizado o anti-semitismo (...). Para os cristãos, o conceito de uma tradição judaico-cristã confortavelmente sugere que o judaísmo progride no cristianismo - que o judaísmo é algo concluído no cristianismo. O conceito de fluxos de tradição judaico-cristã a partir da teologia cristã ensina, que a Aliança Cristã (ou Testamento) com Deus substitui a Aliança judaica. O cristianismo, de acordo com este mito, reforma e substitui o judaísmo. O mito, portanto, implica, em primeiro lugar, que o judaísmo necessita de reforma e substituição, e, segundo, que o judaísmo moderno permanece apenas como uma "relíquia". O mais importante é que o mito da tradição judaico-cristã insidiosamente obscurece as diferenças reais e significativas entre o judaísmo e o cristianismo ".[9]

Judaico-cristão-muçulmano[editar | editar código-fonte]

O filósofo esloveno Slavoj Zizek alegou que o termo judaico-muçulmano para descrever a cultura do Oriente Médio contra a cultura cristã ocidental seria mais adequado atualmente,[10] afirmando que uma influência da cultura judaica no mundo ocidental foi minimizada devido à perseguição e à exclusão histórica da minoria judaica. (Embora haja também uma perspectiva diferente sobre a contribuição judaica e sua influência[11] ). O conceito de tradição Judaico-cristã-muçulmana refere-se, assim, às três principais religiões monoteístas, vulgarmente conhecidas como a religiões abraâmicas. O intercâmbio formal entre as três religiões, modelado através do diálogo inter-grupos, tornou-se comum com a globalização.

Referências

  1. Judæo-, Judeo- in the Oxford English Dictionary, Second Edition. Accessed online 2008-07-21
  2. See Peter Novick: Holocaust in American Life
  3. Mark Silk (1984), Notes on the Judeo–Christian Tradition in America, American Quarterly 36(1), 65-85
  4. Sarna, 2004, p.266
  5. Dwight D. Eisenhower, speech to the Freedoms Foundation in New York. "Our sense of government has no sense unless it is founded in a deeply religious faith, and I don't care what it is. With us of course it is the Judeo–Christian concept, but it must be a religion that all men are created equal." Quoted by Silk (1984).
  6. Sarna, Jonathan. American Judaism, A History. Yale University Press, 2004. p281
  7. Disputation and Dialogue: Readings in the Jewish Christian Encounter, Ed. F.E. Talmage, Ktav, 1975, p. 291.
  8. Jacob Neusner (1990), Jews and Christians: The Myth of a Common Tradition. New York and London: Trinity Press International and SCM Press. p. 28
  9. Stephen M. Feldman (1998), Please Don't Wish Me a Merry Christmas: A Critical History of the Separation of Church and State
  10. Slavoj Zizek—A Glance into the Archives of Islam
  11. Jewish Nobel Prize winners. Jinfo.org.
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.