Trem das Onze

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"O Trem das Onze"
Canção de Adoniran Barbosa
Publicação 1964
Lançamento 1964
Gravação 1964
Gênero(s) Samba
Duração 2:44
Letrista(s) Adoniran Barbosa
Composição Adoniran Barbosa

Trem das Onze é uma famosa canção de Adoniran Barbosa, popularizada pelo grupo Demônios da Garoa. Em sua letra faz referências ao bairro do Jaçanã, situado na zona norte da cidade de São Paulo.

A música foi premiada no carnaval de 1964 do Rio de Janeiro, sendo vencedora do Prêmio de Músicas Carnavalescas do IV Centenário do Rio de Janeiro[1] , além de ter sido escolhida pela população de São Paulo em um concurso da Rede Globo, tendo sido incluída entre os 10 maiores sucessos da música popular de todos os tempos.[1]

Letra[editar | editar código-fonte]

Quais, quais, quais, quais, quais, quais
Quaiscalingudum
Quaiscalingudum
Quaiscalingudum

Não posso ficar
Nem mais um minuto com você
Sinto muito amor
Mas não pode ser
Moro em Jaçanã
Se eu perder esse trem
Que sai agora às onze horas
Só amanhã de manhã

Não posso ficar
Nem mais um minuto com você
Sinto muito amor
Mas não pode ser
Moro em Jaçanã
Se eu perder esse trem
Que sai agora às onze horas
Só amanhã de manhã

E além disso, mulher
Tem outra coisa:
Minha mãe não dorme
Enquanto eu não chegar
Sou filho único
Tenho minha casa para olhar

Eu não posso ficar
Não posso ficar
Nem mais um minuto com você
Sinto muito amor
Mas não pode ser
Moro em Jaçanã
Se eu perder esse trem
Que sai agora às onze horas
Só amanhã de manhã

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

  • 2013 - Dona Xepa

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma canção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.