VY Canis Majoris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
VY Canis Majoris
VY Canis Majoris, Rutherford Observatory, 07 September 2014.jpeg
Campo estelar em torno de VY Canis Majoris
Dados observacionais (J2000)
Constelação Canis Major
Asc. reta 07h 22m 58,33s[1]
Declinação -25° 46′ 03,24″[1]
Magnitude aparente 6,5 - 9,6
Características
Tipo espectral M4 (M3–M4.5)[2]
Cor (U-B) 1,82[1]
Cor (B-V) 2,24[1]
Variabilidade Semirregular (SRc)[3]
Astrometria
Velocidade radial 41 km/s[4]
Mov. próprio (AR) -2,21 ± 0,06 mas/a[5]
Mov. próprio (DEC) 2,29 ± 0,30 mas/a[5]
Paralaxe 0,83 ± 0,08 mas[5]
Distância 3820 ± 260 anos-luz
1170 ± 80[2] pc
Detalhes
Massa 17 ± 8[2] M
Raio 1420 ± 120[2] R
Gravidade superficial log g = -0,6 ± 0,4 cgs[2]
Luminosidade 270000 ± 40000[2] L
Temperatura 3490 ± 90[2] K
Idade 8,2 milhões[5] de anos
Outras denominações
VY CMa, CD-25 4441, HD 58061, HIP 35793, SAO 173591.[1]
VY Canis Majoris
Canis major constellation map.png

VY Canis Majoris (VY CMa) é uma estrela hipergigante vermelha localizada na constelação de Canis Major. É uma das maiores estrelas conhecidas, com um raio de aproximadamente 1420 raios solares.[2]

História de observação[editar | editar código-fonte]

O primeiro registro conhecido de VY Canis Majoris é do catálogo estelar de Jérôme Lalande, em uma observação de 7 de março de 1801, que a lista como uma estrela de sétima magnitude. Outras medições de sua magnitude aparente ao longo do século 19 mostram que o brilho da estrela está diminuindo desde 1850.[6] Desde 1847, VY Canis Majoris tem sido descrita como uma estrela avermelhada.[6] Durante o século 19, observadores encontraram pelo menos seis componentes distintos, sugerindo que a estrela pode ser múltipla. Atualmente sabe-se que esses componentes distintos são áreas brilhantes na nebulosidade ao redor da estrela. Observações visuais em 1957 e 1998 mostraram que VY Canis Majoris não possui estrelas companheiras.[6][7]

O brilho variável de VY Canis Majoris foi primeiramente identificado em 1931 quando a estrela foi listada como uma variável de longo período com uma magnitude fotográfica na faixa de 9,5–11,5.[8] Em 1939, ela recebeu a designação de estrela variável VY Canis Majoris.[9]

Espectro[editar | editar código-fonte]

O espectro de VY Canis Majoris é o de uma estrela luminosa de classe M. As linhas de hidrogênio apresentam um perfil P Cygni. O espectro é dominado por bandas de TiO com intensidade que sugere uma classificação de M5. A linha Ha não é vista e existem linhas de emissão incomuns de sódio e cálcio neutros. A classe de luminosidade determinada de diferentes linhas espectrais varia entre gigante luminosa (II) e supergigante luminosa (Ia), com um classificação média de M5Ibp. As tentativas iniciais de classificação foram atrapalhadas pela interpretação da nebulosidade como estrelas companheiras.[10]

A classe espectral obtida depende da característica espectral examinada, muitas das quais variam com o tempo. A estrela tem sido sempre considerada mais fria que M2, e é geralmente classificada entre M3 e M4. As classes de temperatura mais extremas já dadas são M2.5 e M7.[11] A temperatura efetiva obtida diretamente do raio e luminosidade corresponde a uma classe espectral de M4.[2]

Distância[editar | editar código-fonte]

Em 1976, foi publicada a descoberta de uma nuvem molecular 15 minutos de arco a leste de VY Canis Majoris. A borda da nuvem possui uma estrutura brilhante que parece ser ionizada pelas estrelas do aglomerado estelar NGC 2362, indicando que o aglomerado e a nuvem estão à mesma distância, que foi estimada em 1,5 ± 0,5 kpc por observação do diagrama cor-magnitude do aglomerado. VY Canis Majoris parece estar situada na ponta da estrutura brilhante e tem uma velocidade similar à da nuvem e do aglomerado, portanto também está a essa distância,[12] que foi por muito tempo adotada como a distância da estrela.[5] Uma medição mais recente da distância a NGC 2362 estimou um valor de 1,2 kpc.[13]

Distâncias estelares podem ser calculadas a partir da observação de paralaxe conforme a Terra orbita o Sol, mas VY Canis Majoris tem uma paralaxe muito pequena e observações visuais típicas como as dos satélites Hipparcos e Gaia têm uma margem de erro grande demais para estrelas supergigantes com envelopes circunstelares estendidos. No entanto, observações astrométricas precisas usando interferometria de longa linha de base conseguem medir a paralaxe da estrela com alta precisão a partir da observação de masers. Em 2008, observações de masers de H2O pelo interferômetro VERA, do Observatório Astronômico Nacional do Japão, detectaram uma paralaxe de 0,88 ± 0,08 milissegundos de arco, correspondendo a uma distância precisa de 1,14+0,11
−0,09
 kpc.[14] Em 2012, medições de masers de SiO pelo interferômetro Very Long Baseline Array confirmaram independentemente essa distância, determinando um valor de 1,20+0,13
−0,10
 kpc.[5]

No segundo lançamento do catálogo Gaia, VY Canis Majoris possui uma paralaxe negativa de -5,92 ± 0,83 mas, que não possui significado físico.[15]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

VY Canis Majoris é uma estrela de classe M de alta luminosidade com uma baixa temperatura efetiva de menos de 4 000 K, o que significa que é uma estrela evoluída que está no canto superior direito do diagrama de Hertzsprung-Russell. Durante sua fase de sequência principal, provavelmente era uma estrela de classe O[12] com uma massa de 25 ± 10 M (massa atual de 15 M), considerando os efeitos de rotação, ou possivelmente 32 M (massa atual 19 M) para uma estrela sem rotação.[2] VY Canis Majoris tem uma taxa de perda de massa alta estimada em cerca de 6×10-4 M por ano, conforme evidenciado pelo extenso envelope circunstelar. Esse é um valor médio, e a taxa de perda de massa provavelmente ultrapassou 10-3 M por ano nos eventos de perda de massa mais violentos.[16]

Luminosidade[editar | editar código-fonte]

A luminosidade de VY Canis Majoris pode ser determinada diretamente a partir do fluxo bolométrico da estrela (a energia total irradiada pela estrela ao longo de todo o espectro), que foi determinado a partir de fotometria em várias bandas visíveis e infravermelhas, e da distância, conhecida por medições de paralaxe. O valor calculado é de cerca de 270 000 L, com uma margem de erro relativamente pequena de 40 000 L, causada principalmente pela incerteza na distância.[2] A maior parte da luminosidade da estrela é emitida como radiação infravermelha, com um máximo de emissão em 5–10 µm, o que é em parte causado por reprocessamento da radiação pela poeira da nebulosa circunstelar.[17][4]

Estudos anteriores, baseados na distância antiga de 1,5 kpc, resultavam em uma luminosidade maior de 400 000 – 500 000 L, muito próxima do limite de Hayashi, o limite máximo de luminosidade que uma estrela em equilíbrio pode ter.[17][4] A maioria das estimativas antigas de luminosidade são consistentes com as atuais, se re-escaladas para a distância de 1,2 kpc.[14]

VY Canis Majoris em comparação ao Sol.

Um estudo de 2006, com base em uma estimativa maior para a temperatura da estrela, estimou para VY Canis Majoris uma luminosidade significativamente menor de apenas 60 000 L, o que a tornaria apenas uma supergigante vermelha típica.[18] No entanto, esse valor não está de acordo com muitas das propriedades observadas da estrela, como a alta taxa de perda de massa, e a metodologia desse estudo foi contestada, já que ele ignorou os efeitos da poeira circunstelar no fluxo observado da estrela.[17][4]

Tamanho[editar | editar código-fonte]

Imagem em luz visível pelo WFPC2/HST da nebulosa ao redor de VY Canis Majoris

A determinação do raio de VY Canis Majoris é complicada pelo extenso envelope circunstelar da estrela. Em 2004, observações da estrela por interferometria no infravermelho (banda K – 2,2 µm) determinaram um diâmetro angular de 18,7 ± 0,5 mas,[19] correspondendo a um raio de 2 400 R a uma distância de 1,2 kpc. Esse valor, no entanto, provavelmente não corresponde ao raio fotosférico da estrela, devido a contaminação por poeira circunstelar.[17][4][2] Em 2006, a partir do valor antigo da luminosidade da estrela, e usando uma temperatura efetiva estimada com base em um tipo espectral de M3–M4, o raio efetivo da estrela foi calculado em 1 800 – 2 100 R,[17][4] o que tornaria esta a maior estrela conhecida por tamanho. Um estudo de 2012, usando observações interferométricas pelo Very Large Telescope na faixa de 2,20–2,25 µm, determinou um diâmetro angular de 11,3 ± 0,3 mas, correspondendo a um raio estelar de 1 420 ± 120 R. A alta resolução espectral dessas observações permitiu minimizar o efeito de contaminação pelas camadas circunstelares, mas ainda é possível que esse valor seja um pouco maior que o tamanho real da estrela.[2]

Nebulosa circundante[editar | editar código-fonte]

VY Canis Majoris é cercada por uma extensa nebulosa formada por material expelido da estrela, medindo cerca de 10 segundos de arco de extensão. Observações pelo instrumento WFPC2 no Telescópio Espacial Hubble revelaram que a nebulosa é assimétrica e possui uma estrutura complexa, com filamentos e arcos distribuídos de forma aparentemente aleatória ao redor da estrela obscurecida. Essa estrutura é resultado de múltiplos eventos assimétricos de perda de massa nos últimos mil anos, causados provavelmente por intensa convecção nas camadas externas da estrela associada a campos magnéticos, de forma análoga a ejeções coronais no Sol mas em uma escala muito maior.[20][4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e «SIMBAD query result - del Leo». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 2 de junho de 2018 
  2. a b c d e f g h i j k l m Wittkowski, M.; Hauschildt, P. H.; Arroyo-Torres, B.; Marcaide, J. M. (abril de 2012). «Fundamental properties and atmospheric structure of the red supergiant VY Canis Majoris based on VLTI/AMBER spectro-interferometry». Astronomy & Astrophysics. 540: L12, 5. Bibcode:2012A&A...540L..12W. doi:10.1051/0004-6361/201219126 
  3. Samus, N. N.; Kazarovets, E. V.; Durlevich, O. V.; Kireeva, N. N.; Pastukhova, E. N. (janeiro de 2009). «VizieR Online Data Catalog: General Catalogue of Variable Stars (Samus+, 2007-2017)». VizieR On-line Data Catalog: B/gcvs. Bibcode:2009yCat....102025S 
  4. a b c d e f g Humphreys, Roberta M.; Helton, L. Andrew; Jones, Terry J. (junho de 2007). «The Three-Dimensional Morphology of VY Canis Majoris. I. The Kinematics of the Ejecta». The Astronomical Journal. 133 (6): 2716-2729. Bibcode:2007AJ....133.2716H. doi:10.1086/517609 
  5. a b c d e f Zhang, B.; Reid, M. J.; Menten, K. M.; Zheng, X. W. (janeiro de 2012). «Distance and Kinematics of the Red Hypergiant VY CMa: Very Long Baseline Array and Very Large Array Astrometry». The Astrophysical Journal. 744 (1): artigo 23, 15. Bibcode:2012ApJ...744...23Z. doi:10.1088/0004-637X/744/1/23 
  6. a b c Robinson, L. J. (dezembro de 1971). «Three Somewhat Overlooked Facets of VY Canis Majoris». Information Bulletin on Variable Stars. 599: 1. Bibcode:1971IBVS..599....1R 
  7. Wittkowski, M.; Langer, N.; Weigelt, G. (dezembro de 1998). «Diffraction-limited speckle-masking interferometry of the red supergiant VY CMa». Astronomy and Astrophysics. 340: L39-L42. Bibcode:1998A&A...340L..39W 
  8. Hoffmeister, Cuno (maio de 1931). «316 neue Veränderlilche». Astronomische Nachrichten (em alemão). 242: 129. Bibcode:1931AN....242..129H. doi:10.1002/asna.19312420702 
  9. Guthnick, P.; Schneller, H. (março de 1939). «Benennung von veränderlichen Sternen». Astronomische Nachrichten (em alemão). 268: 165. Bibcode:1939AN....268..165G. doi:10.1002/asna.19392681102 
  10. Wallerstein, George (outubro de 1958). «The Spectrum of the Irregular Variable VY Canis Majoris». Publications of the Astronomical Society of the Pacific. 70 (416): 479. Bibcode:1958PASP...70..479W. doi:10.1086/127278 
  11. Skiff, B. A. (outubro de 2014). «VizieR Online Data Catalog: Catalogue of Stellar Spectral Classifications (Skiff, 2009-2016)». VizieR On-line Data Catalog: B/mk. Bibcode:2014yCat....1.2023S 
  12. a b Lada, C. J.; Reid, M. J. «CO observations of a molecular cloud complex associated with the bright rim near VY Canis Majoris». Astrophysical Journal. 219: 95-97, 99-104. Bibcode:1978ApJ...219...95L. doi:10.1086/155758 
  13. Mel'Nik, A. M.; Dambis, A. K. (novembro de 2009). «Kinematics of OB-associations and the new reduction of the Hipparcos data». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 400 (1): 518-523. Bibcode:2009MNRAS.400..518M. doi:10.1111/j.1365-2966.2009.15484.x 
  14. a b Choi, Yoon Kyung; et al. (outubro de 2008). «Distance to VY Canis Majoris with VERA». Publications of the Astronomical Society of Japan. 60 (5): 1007--1012. Bibcode:2008PASJ...60.1007C. doi:10.1093/pasj/60.5.1007 
  15. Gaia Collaboration: Brown, A. G. A.; Vallenari, A.; Prusti, T.; de Bruijne, J. H. J.; et al. (2018). «Gaia Data Release 2. Summary of the contents and survey properties». Astronomy & Astrophysics. 616: A1, 22 pp. Bibcode:2018A&A...616A...1G. arXiv:1804.09365Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201833051.  Catálogo Vizier
  16. Shenoy, Dinesh; et al. (março de 2016). «Searching for Cool Dust in the Mid-to-far Infrared: The Mass-loss Histories of the Hypergiants µ Cep, VY CMa, IRC+10420, and ? Cas». The Astronomical Journal. 151 (3): artigo 51, 14. Bibcode:2016AJ....151...51S. doi:10.3847/0004-6256/151/3/51 
  17. a b c d e Humphreys, Roberta M. (outubro de 2006). «VY Canis Majoris: The Astrophysical Basis of Its Luminosity». eprint arXiv:astro-ph/0610433. Bibcode:2006astro.ph.10433H. arXiv:astro-ph/0610433Acessível livremente 
  18. Massey, Philip; Levesque, Emily M.; Plez, Bertrand (agosto de 2006). «Bringing VY Canis Majoris Down to Size: An Improved Determination of Its Effective Temperature». The Astrophysical Journal. 646 (2): 1203-1208. Bibcode:2006ApJ...646.1203M. doi:10.1086/505025 
  19. Monnier, J. D.; et al. (abril de 2004). «High-Resolution Imaging of Dust Shells by Using Keck Aperture Masking and the IOTA Interferometer». The Astrophysical Journal. 605 (1): 436-461. Bibcode:2004ApJ...605..436M. doi:10.1086/382218 
  20. Smith, Nathan; et al. (fevereiro de 2001). «The Asymmetric Nebula Surrounding the Extreme Red Supergiant VY Canis Majoris». The Astronomical Journal. 121 (2): 1111-1125. Bibcode:2001AJ....121.1111S. doi:10.1086/318748 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre VY Canis Majoris