Vidas de A a Z

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Companhia de Teatro Vidas de A a Z
Nascimento 5 de janeiro de 2014 (3 anos)
Lisboa
Nacionalidade português
Ocupação Teatro
Atividade Artes do espectáculo

Vidas de A a Z é uma companhia profissional de teatro, fundada por Mónica Gomes. Fundada em Lisboa em Janeiro de 2014, a companhia é dirigida por Mónica Gomes, Sílvia Raposo e Helena Raposo e tem como actores residentes Mónica Gomes, Sílvia Raposo, Margarida Camacho e Anabela Pires e como colaboradores Liane Bravo. [1]

A Companhia[editar | editar código-fonte]

Vidas de A a Z é uma companhia de teatro portuguesa que nasceu em Lisboa no mês de Janeiro de 2014, tendo como produtoras a actriz e encenadora Mónica Gomes e a escritora e investigadora Sílvia Raposo. De cariz itinerante, a companhia entende as suas produções como fomentadoras de encenações de textos originais, incentivando a produção dramatúrgica, procurando desmistificar temas tabu e apelando ao público para a dinamização do Teatro. Os seus espectáculos caracterizam-se por uma dimensão intermedia, dialogando com o teatro-dança, o grotesco, a estética kitsh, a pop art, o expressionismo, o burlesco, a crueldade e o teatro político [2].

Equipa artística (Liane Bravo, Anabela Pires, Mónica Kahlo, Sílvia Raposo e Margarida Camacho)

Fundada em Janeiro de 2014, a companhia VIDAS DE A a Z leva à cena textos originais de língua portuguesa. O projecto, desde a sua fundação, é dirigido pelas irmãs Mónica Gomes e Sílvia Raposo, com apoio à produção de Helena Raposo. As criações unem, e procuram comunicar, diferentes linguagens, culturas, ambientes e vidas, apelando a uma fusão entre o erudito e o popular, o moderno e o tradicional. Os seus espectáculos caracterizam-se por uma dimensão intermedia, dialogando com o teatro-dança, o grotesco, a estética kitsh, a pop art, o expressionismo, o burlesco, a crueldade e o teatro político. A companhia desenvolve a sua actividade na grande Lisboa, apostando também na itinerância, com espectáculos em cena por todo o país.

 
Vidas de A a Z/Mónica Gomes[3].

O trabalho desenvolvido pela companhia vai desde espectáculos de comédia, tragédia, monólogo, drama a performance artística. Conta com uma dramaturgia original de Mónica Gomes e Sílvia Raposo[4].

Produção[editar | editar código-fonte]

Os espectáculos contam com produção, direção artística, encenação e cenografia de Mónica Gomes, co-produção, assistência à encenação e direcção técnica de Sílvia Raposo e figurinos de Helena Raposo[5]. A companhia conta com vários espectáculos no seu historial, entre eles:

Vovó Ganza! Uma Comédia de Faca e Alguidar (2017)[editar | editar código-fonte]

Margarida Camacho e Mónica Kahlo em Vovó Ganza.

Vovó Ganza! Uma Comédia de Faca e Alguidar conta-nos a história de Maria Adelaide de Jesus, mais conhecida por Vovó Ganza, a idosa simpática do rés-do-chão que inicia um negócio de família muito pouco convencional juntamente com Hortência, a sua filha que nunca mais desanda de casa e junta os trapinhos, e Brocas, o afilhado problemático. É quando a inspectora Judite, da polícia judiciária, desenvolve uma investigação sobre tráfico de droga e põe o prédio sob escuta que Antonieta, a vizinha cusca, acusa Vovó Ganza de ser a principal dealer do bairro. Para não haver margem para dúvidas, Palmira, uma infiltrada mulher-a-dias surda surge em cena para relatar toda a verdade[6][7][8][9][10][11].

O espectáculo integrou as Festas de Lisboa'17[12] e apresenta-se enquanto alerta cultural e humano, onde se vêem esbatidas as fronteiras entre o popular e o erudito, a mentira e a verdade, a liberdade e o poder. A encenação dialoga com a estética kitsch, a pop art e com o burlesco e procura valorizar a tradição oral e artística lisboeta, através de um dispositivo de meta-teatro, cujo olhar sobre os laços familiares é entendido como microcosmo da insurgência do espírito humano em sociedade[13].

A comédia é uma encenação de Mónica Gomes, assinada por Sílvia Raposo e Mónica Gomes na dramaturgia, cenografia e desenho de luz. Conta no elenco com Mónica Gomes/Márcio Piósi (Vovó Ganza), Margarida Camacho (Hortência), Rui Afonso Martins (Brocas), Liane Bravo (Antonieta), Sílvia Raposo (Palmira) e Anabela Pires (Judite)[14]. A pré-apresentação do espectáculo realizou-se no Cabaré Evoé a 13 de Maio de 2017[15], sendo que o espectáculo estreou dia 24 de Junho no Teatro Valadares, em Caminha, iniciando digressão a 25 de Junho no Cine-teato de Vila Praia de Âncora[16][17][18]. O espectáculo estreia em Lisboa de 19 a 22 de Outubro de 2017 no Teatro Turim, em Benfica, estando em circulação por variadas salas de espectáculo do país, com destaque para Auditório Costa da Caparica, A Bruxa Teatro, Casa do Coreto, Anfiteatro das Piscinas Municipais de Aljustrel[19] [20] [21], entre outros[22].

Uma Questão de Sexo ou de Morte (2015-2017)[editar | editar código-fonte]

Uma Questão de Sexo ou de Morte, da Companhia Vidas de A a Z.

O espectáculo Uma Questão de Sexo ou de Morte é uma comédia que nos fala de cinco vaginas deprimidas e um membro fálico disfuncional que insistem em marcar presença no grupo de apoio “Sexo, porque me fazes isto?”, onde habitualmente cinco mulheres e um traveca partilham as suas necessidades e frustrações sexuais. Numa realidade onde os homens escasseiam, o desespero aumenta e rapidamente se pode tornar numa questão de sexo ou de morte[23][24][25].

O espectáculo passou por vários locais de apresentação, dos quais Espaço EVOÉ, Teatro Turim, Círculo Experimental de Teatro de Aveiro[26][27], Auditório Municipal de Pampilhosa da Serra[28][29] e Auditório Costa da Caparica[30].

Com produção e texto de Mónica Gomes e interpretação de Margarida Camacho no papel de Dolores, Mónica Gomes no papel de Valéria, Sílvia Raposo no papel de Arminda, Sofia Assis no papel de Alberta, Angela Canez e Márcio Piósi no papel de Nucha Traveca e Anabela Pires no papel de Aldina[31][32][33][34].

Eu Sou Mediterrâneo: Um espectáculo sobre a banalidade do mal (2016)[editar | editar código-fonte]

O espectáculo Eu Sou Mediterrâneo é uma produção da Companhia Vidas de A a Z que estreou no Teatro Turim a 2 de Junho de 2016[35], passando pelo Auditório Carlos Paredes, Casa de Cultura da Ericeira, Auditório Costa da Caparica, Boutique da Cultura, Espaço Evoé, entre outros, e tendo como objectivo central lançar uma plataforma de discussão em torno da actual crise europeia de refugiados, das repercussões dos conflitos armados e da ameaça do terrorismo, evidenciando os atentados aos Direitos Humanos [36][37][38]. A estética teatral do espectáculo dialoga com o teatro-dança, a performance, o grotesco e a crueldade.

Partindo da concepção de uma ideia da Barbárie como um lugar afastado da civilização para onde é enviado tudo aquilo que não compreendemos e desconhecemos, o espectáculo propõe colocar em evidência a criação de um Médio Oriente como uma fábrica de onde saem os ataques da Barbárie contra o Mundo Civilizado, criticando uma mundividência que se baseia na divisão civilizacional entre um Ocidente civilizado e um Islão bárbaro[39][40][41][42][43][44].

Eu Sou Mediterrâneo tem texto de Sílvia Raposo e Mónica Gomes e encenação também de Mónica Gomes. O espectáculo tem como actores principais Mónica Gomes no papel do jihadista português Hasan Al Portughali, Margarida Camacho como a feminista luso-marroquina Zhaida, Anabela Pires no papel de Louca e Liane Bravo no personagem do Coro e Líder jihadista[45]. A produção integrou a programação das Festas de Lisboa'16[46] e tem como parceiros a ADHHU (Associação de Defesa dos Direitos Humanos), a Associação Solidariedade Imigrante e o Turismo de Lisboa[47][48][49].

Não Há Tragédia Sem Comédia (2015-2016)[editar | editar código-fonte]

O espectáculo Não Há Tragédia Sem Comédia estreou a 11 de Julho de 2015 na Casa da Cultura de Mora, tendo passado por variadas salas de espectáculo[50][51], entre elas, Centro Cultural Dr. António Menano, Museu Municipal de Faro, Centro Cultural de Vila do Bispo, Auditório Municipal de Vendas Novas, tendo integrado também o FesTA (Festival de Teatro 2015). O espectáculo foi transmitido em directo pela Tv Guadiana a 26 de Setembro de 2015[52]. Neste espectáculo a Companhia manifesta as primeiras influências expressionistas e inicia o seu primeiro diálogo com a dança. 

A peça conta a história de uma jovem com saudades do futuro, uma mulher que vive um dilema matrimonial, uma outra que defende o seu amor por Portugal e uma idosa perante a ameaça da morte do amor da sua vida que se encontram num mesmo espectáculo para partilhar as suas histórias sobre os medos, as interrogações, as inquietações, os desafios e as expectativas de Amar. O espectador é convidado a inscrever-se na história do espectáculo que dá voz, reivindicando à grande História, nomes e vidas esquecidas, que a ela pertencem, mas que nela se veem caladas. Confronta-nos com a tragicidade da vida humana, com o sofrimento e a esperança de amarmos e sermos amados, e com a comédia que é esta vida, abrindo-se uma realidade paralela onde várias personagens se encontram com uma freira narradora num limbo moderno, onde a ida para o céu ou para o inferno se faz de elevador à ordem do Espírito. As realidades portuguesas são parodiadas num dilema entre o livre-arbítrio humano e o poder divino, onde o divino assume as mais variadas crenças e formas. A Afrodite, a Cúpida, a Macumbina, o Pessoa e o Abundâncio da Anunciação, agente funerário, são algumas das figuras que vêm interromper e questionar a narração da grande história[53].

O espectáculo teve a produção e encenação de Mónica Gomes, texto de Mónica Gomes e Sílvia Raposo[54][55], Guarda-roupa e adereços de Helena Raposo, grafismo de Sílvia Raposo e interpretação de Edevânia Mateus e Margarida Camacho no papel de Freira narradora, Sílvia Raposo nos papéis de Cúpida e Macumbina, Rafael Mendes e Edevânia Mateus no papel de Afrodite, Mónica Gomes nos papéis de Abundâncio da Anunciação, Uma Sofia e Uma Amélia, Luís Correia nos papéis de Um Fernando, Andando Pessoa e Uma Elvira, Sofia Garcia, Sofia Assis e Anabela Pires nos papéis de Espírito e de Locutora da Rádio Paraíso[56].

Vida de A a Z: Viver 100 vidas em vidas que não vivem (2014-2015)[editar | editar código-fonte]

O espectáculo Vidas de A a Z: Viver 100 vidas em vidas que não vivem esteve em cena de 6 de Junho de 2014 a 28 de Fevereiro de 2015, tendo passado por várias salas de espectáculo do país, entre elas o Teatro Turim[57], Casa das Histórias Paula Rego, Cine-teatro Municipal de Serpa, Auditório Municipal António Silva, Centro Cultural de Vila do Bispo, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa[58]. A estética do espectáculo vai beber ao grotesco, com influência modernista, realista e crítica sobre a sociedade.

A peça conta a história de quatro indivíduos problemáticos que partilham a mesma casa. Senhor Pimenta, um idoso com Alzheimer, tem um quarto arrendado em sua casa há mais de cinco anos a Dulce, uma senhora que sofre de agorafobia e neuroses várias. Certo dia chega Júlio, um actor inventado por Pimenta que quer ser reconhecido pelo seu talento, para partilhar quarto com Dulce. Esta, desconhecendo a situação, depara-se com metade do quarto supostamente arrendada a Júlio pelo afilhado do Senhor Pimenta (o afilhado Acácio), acabando por acreditar que Júlio existe na realidade. Numa casa de malucos razoáveis, só mesmo Nini, a empregada transgénero, para pôr ordem na "família" e no espectáculo e aceitar entrar na ilusão[59].

O espectáculo teve produção e direcção artística de Mónica Gomes, assistência de encenação de Helena e Sílvia Raposo, cenografia de Carlos Gomes e interpretação de Mónica Gomes no papel de Sr. Pimenta, Sílvia Raposo e Edevânia Mateus no papel de Dulce, Marco Bento no papel de Sr. Júlio e Bruno Magina, Martín Saramago, Duarte Lopes e Rafael Mendes no papel de Nini.

Auto-retrato do Eu Português (2014)[editar | editar código-fonte]

A performance Auto-retrato do Eu Português, com criação e interpretação de Mónica Gomes e Sílvia Raposo, esteve em cena no Evoé Escola de Actores a 21 de Novembro de 2014. É uma performance na qual uma portuguesa tenta responder à pergunta “Porque é que és portuguesa?”. À medida que a questão se desenvolve a contradição entre o discurso e o forte simbolismo do figurino e das figuras que os olhos vêem intensifica-se. Há uma desconstrução progressiva do que significa ser-se português, que é quebrada por constantes intervenções poéticas que irrompem do discurso da primeira actriz na voz de uma segunda, sua gémea, e que funcionam como uma espécie de subconsciência[60].

Spoken Word[editar | editar código-fonte]

A Companhia costuma realizar ainda regularmente sessões de Spoken word em conjunto com a colega e escritora Sílvia Raposo, associadas a apresentações públicas do livro de poesia Um Segredo Esquecido para Atear Paixões. As sessões são acompanhadas por performances artísticas pelo elenco residente, tendo já passado por locais como a Ler Devagar, as Bibliotecas Municipais D. Dinis, Lúcio Craveiro da Silva, São Lázaro, bem como o Fórum Cultural do Seixal e as FNACS do Alegro Alfragide e do CascaiShopping. Ainda em Abril de 2016 integraram a tertúlia literária "Os Meninos D'Avó", que reúne na primeira quarta-feira de cada mês um grupo de artistas e poetas de Sintra para discutir ideias, ler poemas e realizar performances[61][62][63][64].




Elenco[editar | editar código-fonte]

O elenco da Companhia Vidas de A a Z conta com 10 intérpretes, entre actores, cantores e bailarinos. A companhia tem como actores residentes Mónica Gomes, Sílvia Raposo, Margarida Camacho e Anabela Pires, colaborando com outros actores como Liane Bravo e Márcio Piósi[65] [66].




Referências

  1. «"Vidas de A a Z - O Projecto». 1 de Janeiro de 2014. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  2. «"Gazeta dos Artistas - Vidas de A a Z" em cena no espaço EKA». Outubro de 2014. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  3. http://projectovidasdeaaz.blogspot.pt/p/contacto.html
  4. «"Algarve Primeiro - Vidas de A a Z». 30 de Maio de 2014. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  5. «"Dezanove - Vidas de A a Z». 30 de Maio de 2014. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  6. «Time Out Lisboa - Passas em volta Vovó Ganza». 14 de Junho de 2017. Consultado em 15 de Junho de 2017 
  7. «"Cultura de Borla - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar». 20 de Fevereiro de 2017. Consultado em 20 de Fevereiro de 2017 
  8. «"Move Notícias - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar». 24 de Janeiro de 2017. Consultado em 24 de Janeiro de 2017 
  9. «"IPress Journal - Companhia Vidas de A a Z leva à cena Vovó Ganza!». 25 de Janeiro de 2017. Consultado em 25 de Janeiro de 2017 
  10. «"Infomiño - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar em exibição no Teatro Valadares». 11 de Maio de 2017. Consultado em 15 de Maio de 2017 
  11. «"Caminha 2000 - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar em exibição no Cine-teatro de Vila Praia de Âncora». 5 de Maio de 2017. Consultado em 15 de Maio de 2017 
  12. «"Expresso - Lailai, a dealer do bairro». 5 de Junho de 2017. Consultado em 6 de Junho de 2017 
  13. «EGEAC Festas de Lisboa'17 - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar». 23 de Maio de 2017. Consultado em 24 de Maio de 2017 
  14. «Agenda Cultural de Lisboa - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar». 23 de Maio de 2017. Consultado em 24 de Maio de 2017 
  15. «"Eléctrico 28 - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar no Cabaré Evoé». 11 de Maio de 2017. Consultado em 18 de Maio de 2017 
  16. «"Ver Portugal - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar em Vila Praia de Âncora». 5 de Maio de 2017. Consultado em 9 de Maio de 2017 
  17. «"Turismo de Caminha - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar no Cine-teatro de Vila Praia de Âncora». 5 de Maio de 2017. Consultado em 9 de Maio de 2017 
  18. «"Alto Minho TV - Vovó Ganza! estreia no Teatro Municipal de Caminha». 21 de Junho de 2017. Consultado em 28 de Junho de 2017 
  19. «"Antena Sul - Aljustrel: Comédia "Vovó Ganza" no anfiteatro da piscina». 6 de Julho de 2017. Consultado em 16 de Julho de 2017 
  20. «"Câmara Municipal de Aljustrel - Companhia VIDAS de A a Z apresenta "Vovó Ganza"». 6 de Julho de 2017. Consultado em 16 de Julho de 2017 
  21. «"Rádio Voz da Planície - "Vovó Ganza" hoje em Aljustrel». 12 de Julho de 2017. Consultado em 16 de Julho de 2017 
  22. «"Esquerda.net - Vovó Ganza! Uma comédia de faca e alguidar». 14 de Março de 2017. Consultado em 14 de Março de 2017 
  23. «"Comédia Uma Questão de Sexo ou de Morte». 7 de Maio de 2016. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  24. «"Portugal Acontece - Uma Questão de Sexo ou de Morte». 30 de Maio de 2014. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  25. «"Agenda Cultural Aveiro - Uma questão de sexo ou de morte». 26 de Fevereiro de 2016. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  26. «"Terra Nova - CETA recebe apresentação de "Uma questão de sexo ou de morte"». 26 de Fevereiro de 2016. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  27. «"Uma questão de sexo ou de morte no CETA». 26 de Fevereiro de 2016. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  28. «"CM Pampilhosa da Serra– "Uma Questão de Sexo ou de Morte"». 18 de Janeiro de 2017. Consultado em 30 de Janeiro de 2017 
  29. «"Radio Condestável - PAMPILHOSA DA SERRA – "Uma Questão de Sexo ou de Morte"». 18 de Janeiro de 2017. Consultado em 22 de Janeiro de 2017 
  30. «"Lazer Público - Uma Questão de Sexo ou de Morte». 30 de Maio de 2014. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  31. «"Revista Lifecooler - Uma questão de sexo ou de morte no EKA Palace». 23 de Outubro de 2015. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  32. «"Gazeta dos Artistas - "Uma Questão de Sexo ou de Morte" em cena no Teatro Turim, em Lisboa, de 11 a 14 fevereiro». Janeiro de 2016. Consultado em 4 de Janeiro de 2016 
  33. «"Uma Questão de Sexo ou de Morte no Espaço Evoé». 23 de Outubro de 2015. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  34. «"Gazeta dos Artistas - "Uma Questão de Sexo ou de Morte" em cena no Teatro Turim, em Lisboa, de 11 a 14 fevereiro». Janeiro de 2016. Consultado em 4 de Janeiro de 2016 
  35. «"Teatro Turim - Eu sou Mediterrâneo». 15 de Fevereiro de 2016. Consultado em 10 de março de 2017 
  36. «"Vidas de A a Z - Eu Sou Mediterrâneo». 1 de Janeiro de 2016. Consultado em 4 de Janeiro de 2016 
  37. «"Agenda de Lisboa - Eu sou Mediterrâneo». 15 de Fevereiro de 2016. Consultado em 16 de Fevereiro de 2016 
  38. «"Eu Sou Mediterrâneo - Fnac - Espectáculos». 20 de Maio de 2016. Consultado em 21 de Maio de 2016 
  39. «"Companhia Vidas de A a Z leva ao Teatro Turim Eu sou Mediterrâneo». 15 de Fevereiro de 2016. Consultado em 16 de Fevereiro de 2016 
  40. «"Viral Agenda - Eu sou Mediterrâneo». 27 de Abril de 2016. Consultado em 27 de Abril de 2016 
  41. «"VOUSAIR - Eu Sou Mediterrâneo: um espectáculo sobre a banalidade do mal». 20 de Maio de 2016. Consultado em 22 de Maio de 2016 
  42. «"ESTC - Eu Sou Mediterrâneo: um espectáculo sobre a banalidade do mal» (PDF). 13 de Maio de 2016. Consultado em 22 de Maio de 2016 
  43. «"Cardapio - Eu Sou Mediterrâneo no Teatro Turim». 10 de Maio de 2016. Consultado em 20 de Novembro de 2016 
  44. «"Ipress Journal - Eu Sou Mediterrâneo: sobre a banalidade do mal». 11 de Abril de 2016. Consultado em 10 de Março de 2016 
  45. «"Notícias da Gandaia - Eu Sou Mediterrâneo». 10 de Maio de 2016. Consultado em 20 de Novembro de 2016 
  46. «"Festas de Lisboa - Eu Sou Mediterrâneo». 10 de Maio de 2016. Consultado em 20 de Novembro de 2016 
  47. «"Companhia Vidas de A a Z estreia em Junho EU SOU MEDITERRÂNEO». 15 de Fevereiro de 2016. Consultado em 16 de Fevereiro de 2016 
  48. «"Jornal de Mafra - EU SOU MEDITERRÂNEO». 11 de Abril de 2016. Consultado em 11 de Abril de 2016 
  49. «"Teatro EU SOU MEDITERRÂNEO: Um espetáculo sobre a banalidade do mal». 5 de Setembro de 2016. Consultado em 7 de Setembro de 2016 
  50. «"Câmara Municipal de Mafra - Não Há Tragédia Sem Comédia». 30 de Maio de 2014. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  51. «"Agenda Câmara Municipal de Aveiro - Não Há Tragédia Sem Comédia». 30 de Maio de 2014. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  52. «"Vendas Novas Não Há Tragédia Sem Comédia - Com transmissão em directo pela TV Guadiana». 23 de Setembro de 2015. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  53. «"Cultura de Borla - Não Há Tragédia Sem Comédia». 3 de Setembro de 2015. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  54. «"Sílvia Raposo - Chiado Editora». 30 de Maio de 2014. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  55. «"Ericeira Online - Não Há Tragédia Sem Comédia». 30 de Maio de 2014. Consultado em 18 de Janeiro de 2016 
  56. «"Academia Edu - Press-release Não Há Tragédia Sem Comédia». 3 de Setembro de 2015. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  57. «"BOL - Vidas de A a Z no Teatro Turim». 12 de Fevereiro de 2015. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  58. «"Câmara Municipal de Sintra - Vidas de A a Z no Cacem». 28 de Agosto de 2014. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  59. «"Algarlife - Vidas de A a Z». 28 de Agosto de 2014. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  60. «"Teatro ao Minuto no Espaço Evoé». 21 de Novembro de 2014. Consultado em 23 de Novembro de 2015 
  61. «"Câmara Municipal de Odivelas - Apresentação da obra Um Segredo Esquecido para Atear Paixões». 1 de Janeiro de 2016. Consultado em 4 de Janeiro de 2016 
  62. «"TV Guadiana - Um Segredo Esquecido para Atear Paixões». 30 de Maio de 2014. Consultado em 5 de Janeiro de 2016 
  63. «"Livraria Ler Devagar - Um Segredo Esquecido para Atear Paixões». 1 de Janeiro de 2016. Consultado em 4 de Janeiro de 2016 
  64. «"BLCS - Um Segredo Esquecido para Atear Paixões». 1 de Janeiro de 2016. Consultado em 4 de Janeiro de 2016 
  65. «"O Elenco». 15 de Outubro de 2011. Consultado em 8 de Maio de 2012 
  66. «"Academia Edu - Press-release Não Há Tragédia Sem Comédia». 3 de Setembro de 2015. Consultado em 23 de Novembro de 2015 

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons