Yvonne Primerano Mascarenhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Yvonne Primerano Mascarenhas
Nascimento 21/07/1931
Nacionalidade Brasileira
Cônjuge Sergio Mascarenhas
Filho(s) Sergio Roberto, Yvone Maria, Helena e Paulo Roberto
Ocupação Química

Yvonne Primerano Mascarenhas (Pederneiras, 21 de julho de 1931) foi a primeira mulher a ocupar uma cadeira acadêmica no Depto. de Física da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP) em 1956, e uma das pioneiras na fundação do então Instituto de Química e Física de São Carlos (IFQSC/USP) em 1971, e posteriormente Instituto de Química Física de São Carlos (IFSC/USP), a partir de 1974 1994, quando ocupou a primeira diretoria (1994-1998).Foi uma das 12 cientistas a receber o prêmio IUPAC-2017 Distinguished Women in Chemistry or Chemical Engineering Awardspela da União Internacional de Química Pura e Aplicada (Iupac) á mulheres com realizações de impacto na pesquisa em química ou engenharia química. [1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Yvonne nasceu em 21 de julho de 1931, em Pederneiras, interior do Estado de São Paulo.Ao completar dez anos, mudou-se para o Rio de Janeiro. Nessa cidade, Yvonne cursou o ensino médio no Colégio Mello e Souza, uma escola particular tradicional. Em 1953, graduou-se em Química pela Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil ( Atual Universidade Federal do Rio de Janeiro). No ano seguinte, obteve o título de bacharel em Física pela Universidade do Estado da Guanabara ( atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro). Em 1956, foi contratada como professora assistente pela Escola de Engenharia de São Carlos, na época única unidade da Universidade de São Paulo na cidade.

Seu interesse pela cristalografia teve início no Rio de Janeiro, ao participar de uma disciplina ministrada pelo professor Elisiário Távora, cujo principal interesse era a Geoquímica, o curso evidenciou a forte correlação existente entre a estrutura cristalina e as propriedades dos materiais. Esse interesse consolidou-se durante um estágio de pesquisa no laboratório de cristalografia da Universidade de Pittsburgh, entre 1959 e 1960, realizado com apoio da Comissão Fulbright. Voltando ao Brasil, defendeu em 1963, na Escola de Engenharia de São Carlos, a tese de doutorado intitulada “Determinação de estruturas cristalinas por difração de raios X: estudo do formato manganoso bi-hidratado”, sob a orientação do Dr. Theodureto de Arruda Souto. Após se doutorar, foi pesquisadora na Universidade de Princeton, em 1966, novamente com apoio da Comissão Fulbright, e professora visitante no Instituto Politécnico Nacional do México, em 1967.

Na década de 60, seus trabalhos em cristalografia, pioneiros no Brasil, originaram o grupo de cristalografia do Instituto de Física e Química de São Carlos, da Universidade de São Paulo. O contato com cristalógrafos do exterior, durante seus vários estágios como professora visitante, incentivou-a a fundar, junto com outros pesquisadores, a Sociedade Brasileira de Cristalografia em 29 de outubro de 1971. Foi presidente desta entidade em diversas ocasiões, mesmo depois de sua aposentadoria.

Em 1971, obteve o título de livre-docente pela Escola de Engenharia de São Carlos. Atuou ainda como professora visitante na Harvard Medical School, de 1972 a 1973, e no Birkbeck College da Universidade de Londres, entre 1979 e 1980. Foi professora titular do Instituto de Física e Química de São Carlos a partir de 1981. Quando, em 1994, esta unidade foi dividida nos Institutos de Física e de Química, a professora Yvonne permaneceu no primeiro, até sua aposentadoria compulsória em 2001. No entanto, nunca se desligou das atividades de pesquisa e ensino.

Membro titular da Academia Brasileira de Ciências desde 2001, foi agraciada com dezenas de prêmios e títulos, entre os quais se destaca o da Ordem Nacional do Mérito Científico, na classe Grã-Cruz, concedido em 1998 pelo então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso. Mais recentemente, em 2013, foi homenageada com o título de pesquisadora emérita do CNPq e em 2017 com o IUPAC-2017 Distinguished Women in Chemistry or Chemical Engineering Awards, prêmio criado para reconhecer e promover o trabalho das mulheres químicas/engenheiras químicas em todo o mundo. As premiadas são selecionadas com base na excelência em pesquisa básica ou aplicada, realizações distintas no ensino ou na educação, ou liderança demonstrada ou excelência gerencial nas ciências químicas.

Em sua trajetória acadêmica, orientou inúmeras dissertações de mestrado e teses de doutorado, tendo publicado mais de 150 artigos, em revistas indexadas, sobre cristalografia.

Além da paixão pela cristalografia, a professora Yvonne dedica-se também à difusão científica. Coordena desde 2001 um grupo de trabalho sobre o tema no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, além de uma agência de difusão cientifica no portal Ciência Web.

É também engajada em artes, e principalmente em música. Nos anos 70, deu apoio ao curso de iniciação musical organizado para os estudantes da Escola de Engenharia de São Carlos, na Fazenda Monte Alegre, em Descalvado. No início dos anos 90, coordenou o movimento de música erudita da Fundação Theodoreto Souto. Foi casada com o professor e pesquisador Sergio Mascarenhas, com quem teve quatro filhos, Sergio Roberto, Yvone Maria, Helena e Paulo Roberto.

Yvonne continua atuante, como colaboradora e professora aposentada em exercício, no Instituto de Física de São Carlos.[2][3][4]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Yvone recebeu diversas condecorações, prêmios e homenagens como as seguintes:

1991

Macromolecular Computer Modelling as a Tool in Structural Studies of Target Proteins in Rational Drug Design and Genetic Engennering, Outorgado no Primeiro Congresso Latinoamericano de Biotecnologia.

1996

Aplicações da Cristalografia à Química do Estado Sólido. UFSCar/Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, Departamento de Química/Laboratório Interdisciplinar de Eletroquímica e Cerâmica (LIEC).

1997

Homenageada pela Câmara Municipal de São Carlos pela dedicação ao ensino, pesquisa e difusão de conhecimentos no país e, em reconhecimento aos 40 anos de serviços à cidade com a criação de instituições pioneiras junto a USP, Universidade Federal de São Carlos e Embrapa.

1998

Admitida na Ordem Nacional do Mérito Científico, ONMC/MCT na Classe da Grã-Cruz, pelo Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, através de telegrama TLG/MCT no.140/98, de 19/10/98 do Dr. José Israel Vargas Ministro da Ciência e Tecnologia e Cha, Palácio do Planalto em sessão solene presidida pelo Senhor Presidente da República Fernando Henrique.

1999

Eleita Mulher do Ano pela União Cívica Feminina de São Carlos, União Cívica Feminina de São Carlos - Câmara Municipal de São Carlos

1998

Homenageada pela Sociedade Brasileira de Química (SBQ) com a outorga da Medalha Simão Mathias, pela sua contribuição ao desenvolvimento da Química, Auditório Cassino do Grande Hotel de Poços de Caldas, no âmbito da 21a. Reunião Anual da SBQ.

2000

Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências, Academia Brasileira de Ciências.

2001

Posse como novos acadêmicos da Academia Brasileira de Ciências, Academia Brasileira de Ciências.

2001

Simpósio e Comemorações em Homenagem ao Septuagésimo, Diretoria e o Grupo de Cristalografia do Instituto de Física de São Carlos/USP.

2001

Homenageada pela Congregação do Instituto de Química de São Carlos, Instituto de Química de São Carlos/USP.

2001

Melhor painel apresentado na Seção de Catálise com o trabalho CT 002 - Análise Estrutural de Zeólitas y Contendo Terras Raras (Ernay, Honay, Tmnay e Tbnay) por refinamento de Rietveld, Sociedade Brasileira de Química.

2002

Indicada para integrar o Conselho Consultivo do Projeto Universidade Aberta à Terceira Idade, USP - Universidade de São Paulo.

2005

Homenagem durante sessão solene do Ano Mundial da Física, Câmara dos Deputados. 2006

Intitulada Professora Hemérita pela Congregação do Instituto de Física de São Carlos, IFSC.

2006

Denominação do prédio do Núcleo Operacional do S. Carlos Science Park de Solar da Inovação Sérgio e Yvonne Mascarenhas, Parq Tec.

2007

Professora Honorária, USP/IEA.

2012

Membro Emérito, Seção de Ciências Físicas, Academia Paraense de Ciências.

2012

Huésped de Honor de la Universidad Nacional del Litoral, Universidad Nacional de Litoral, Santa Fé, Argentina.

2013

Professor Emérito do CNPq, CNPq.

2014

Pioneiras da Ciência no Brasil, CNPq

2017

Distinguished Women in Chemistry or Chemical Engineering Awards, IUPAC

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Professora Yvonne Mascarenhas recebe prêmio internacional». jornal.usp.br. Consultado em 14 de março de 2019 
  2. «pioneiras-view - Portal CNPq». memoria.cnpq.br. Consultado em 14 de março de 2019 
  3. «Yvonne Primerano Mascarenhas — IEA USP». www.iea.usp.br. Consultado em 15 de março de 2019 
  4. buscatextual.cnpq.br http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4787982Z6. Consultado em 15 de março de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)