Affonso Eduardo Reidy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Afonso Eduardo Reidy)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nome completo Affonso Eduardo Reidy
Nascimento 26 de outubro de 1909
Paris
Morte 10 de agosto de 1964 (54 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasileiro
Movimento Arquitetura moderna - Escola carioca
Obras notáveis Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Affonso Eduardo Reidy (Paris, 26 de outubro de 1909 - Rio de Janeiro, 10 de agosto de 1964) foi um arquiteto brasileiro. É considerado um dos pioneiros na introdução da arquitetura moderna no país, sendo um dos grandes nomes do urbanismo moderno no país.

Formação[editar | editar código-fonte]

Filho de pai inglês e mãe brasileira, cedo passa a viver no Rio de Janeiro e aos 17 anos começa a estudar na Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, onde se forma arquiteto em 1930. Ainda durante seus estudos Reidy estagiou com o urbanista Alfredo Agache, francês responsável pelo novo plano diretor da cidade do Rio de Janeiro [1] . Ainda no ano de sua formação é apontado por Lucio Costa assistente de Gregori Warchavchik (a primeira personalidade a contrapor o desenvolvimento da vertente neocolonial no Brasil) na Escola Nacional de Belas Artes. Em pouco tempo Reidy assumiria o cargo de professor ocupado por Warchavchik nas cadeiras de desenho e planejamento urbano[2] , contribuindo para a formação de uma geração de arquitetos que ficaria conhecida como "escola carioca".

Influenciado pelas idéias de Le Corbusier, faz parte da equipe de arquitetos que no fim da década de 1930 projeta o edifício-sede do recém-criado Ministério de Educação e da Saúde (atual Palácio Gustavo Capanema), sob direção de Lúcio Costa e junto com Oscar Niemeyer, Carlos Leão, Ernâni Vasconcellos e Jorge Machado Moreira.

Obra[editar | editar código-fonte]

Reidy foi um dos nomes paradigmáticos do grupo de arquitetos conhecidos como Escola carioca. Dessa forma, sua obra procura absorver as propostas do International style e interpretá-las no contexto brasileiro. Por outro lado, sua obra foi uma das únicas elogiadas pelo artista europeu construtivista Max Bill quando de sua conhecida crítica à arquitetura brasileira moderna e especialmente à vertente carioca.[3]

Em 1931 Reidy ganha primeiro lugar no concurso para escolher um abrigo para moradores de rua. Esse primeiro projeto mostra o caminho que será seguido por Reidy, sendo uma construção típica racionalista[4] , bastante econômica em seus meios porém com uma espacialidade aberta e generosa. Já na década de 1940 desenvolve o estilo brasileiro junto com outros arquitetos da época, aproveitando-se particularmente da linguagem formal iniciada por Oscar Niemeyer na Pampulha, em 1943. Como exemplo há um projeto de 1948 para uma fábrica para produtos cosméticos no Rio de Janeiro, onde abóbadas de concreto são utilizadas para animar a composição com um volume longo de teto curvo, referentes ao Projeto de Niemeyer para o Iate Clube Fluminense. Reidy também explora a linguagem básica do Ministério de Educação e Saúde em 1944 num projeto para um edifício de vinte e dois andares para a Viação Férrea do Rio Grande do Sul[5]

Esteve grande parte da vida ligado ao serviço público, notadamente no Departamento de Urbanismo da prefeitura onde empreende alguns projetos importantes, como a urbanização do centro carioca. Seu projeto de 1948, não realizado, previa a urbanização da área liberada pelo desmonte do Morro do Santo Antônio com edifícios administrativos, residenciais e até um museu a ser projetado por Le Cobusier [6] . Participa do projeto do Aterro do Flamengo, junto com o paisagista Burle Marx. Além de prover a cidade com vias de ligação entre a zonas sul e norte, cria um amplo parque na orla do Flamengo. Em 1947 participa do concurso para a elaboração do Centro de Técnologia Aeronáutica, eventualmente vencido por Oscar Niemeyer. Nesse período casa-se com Carmen Portinho, a terceira mulher a se formar em um curso de engenharia no país e constante contribuidora em seus projetos.

O último projeto de Affonso Eduardo Reidy é o edificio onde funcionou a sede do extinto Instituto de Previdência do Estado do Rio de Janeiro- IPERJ. Inicialmente o prédio atendia ao Montepio dos empregados do Estado da Guanabara, em 1962 torna-se o IPEG( Instituto dos Empregados da Guanabara) e a partir de 1975 o IPERJ. Atualmente funciona a Secretaria de Estado de Fazenda.

Em particular o edifício de Reidy na Av. Presidente Vargas traz soluções interessantes para uma edificação verticalizada. Sendo disposta em um terreno de esquina Reidy tratou as fachadas com base na orientação solar. A fachada oeste foi protegida com brises de concreto armado e alumínio e a sul (voltada para a Av. Presidente Vargas) tem um pano de vidro, que proporciona ventilação, iluminação natural e uma bela vista da cidade do Rio de Janeiro.

A edificação possui 22 pavimentos, onde encontramos um térreo com duas unidades de distintas finalidades. O acesso Reidy dispôs locais de entrada e saída. Duas entradas localizadas na rua de menor movimento e uma saída fica para a Av. Presidente Vargas. O salão de recepção dá acesso as escadas e cinco elevadores.

Os pavimentos tipo possuem uma parte com layout fixo e outra de layout mais flexível. Próximo a escada e elevadores, Reidy localiza unidades do programa que visão a atender as necessidades básicas do pavimento: banheiros, copas, depósitos, etc. O restante do pavimento possui um layout mais dinâmico, contudo Reidy criou regras básicas para a disposição das divisórias.

Os pilares locados no térreo vão até 20° pavimento, em cada piso duas colunatas são dispostas longitudinalmente. Elas sugerem outra delimitação das salas de trabalho e marcam o eixo de circulação do pavimento. A estrutura é metálica e o as lajes são do tipo cogumelo.

A castilharia da fachada sul possui um módulo definido, gerando certa ordem e uma distribuição justa de iluminação e ventilação. O pano cego na fachada indica o pavimento que abriga o auditório. Piso com um layout diferenciado possui uma escada helicoidal que dá acesso ao pavimento superior.

Uma das complicações após a sua inauguração foi a construção do Edifício sede do Banco Central do Brasil no terreno em frente a fachada oeste. Para o terreno deveria ser feita uma praça que não foi executada. O edifício construído tira visão espacial proposta, anula todas as medidas contra a insolação e quebra o skyline da Av. Presidente Vargas com um gabarito que ultrapassa ao das edificações vizinhas. A relação do edíficio com o entorno foi prejudicada.

Maturidade arquitetônica[editar | editar código-fonte]

Em 1954 projeta o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, obra de concepção estrutural arrojada, logo após obter o primeiro prêmio da Exposição Internacional de Arquitetos da I Bienal de São Paulo, em 1953. Com o prestígio alcançado, é convidado a projetar o Museu Nacional do Kuwait.

Também é responsável pelos projetos do "Conjunto Habitacional da Gávea", projeto mutilado pela construção do Túnel Zuzu Angel, e do "Conjunto Habitacional Pedregulho", considerado arrojado pela sua concepção espacial e pela prioridade dada aos equipamentos de lazer e convivência.

Os críticos costumam apontar os dois projetos como suas obras-primas.

O arquiteto Reidy foi o primeiro a propor um Centro Cívico no Brasil, conforme os “civic centers” americanos, no seu projeto para da área do desmonte do morro Santo Antônio, no Rio de Janeiro, em 1948[7] .

Críticas[editar | editar código-fonte]

Após sua morte, durante as décadas de 1970 e 80, toda a obra da geração à qual Reidy pertenceu, assim como o seu ideário e visão de mundo passou a ser bastante criticada, à medida que surgia a pós-modernidade.

Entre os seus projetos mais denunciados está o Pedregulho (e que ironicamente é um dos mais elogiados). Os críticos alegam que o projeto não considerava as necessidades e características da população à qual se destinava, o que levou à efetiva degradação do local.

Referências

  1. Biografia. Disponível em: http://www.itaucultural.org.br/aplicExternas/enciclopedia_IC/index.cfm?fuseaction=artistas_biografia&cd_verbete=1663&cd_idioma=28555 [acessado em 29/11/2012]
  2. GIEDION. The Work of Affonso Eduardo Reidy, página 8
  3. Vitruvius - Os concretos e o concreto. A vinda de Max Bill ao Brasil
  4. GIEDION. The Work of Affonso Eduardo Reidy, página 12
  5. Nabil Bonduki, 2000. Affonso Eduardo Reidy. Editorial Blau
  6. Klaus Frank. The Work of Affonso Eduardo Reidy, página 136
  7. A Arquitetura Moderna e o Sesquicentenário de Emancipação Política do Paraná: o Tombamento de Marcos de Referência da Arquitetura Moderna Paranaense de Josilena Maria Zanello Gonçalves Site Documentação do Brasil

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • BRUAND, Yves; Arquitetura contemporânea no Brasil; São Paulo: Editora Perspectiva, 2002, ISBN 8527301148


Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.