Alice Cullen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alice Cullen
Alice Cullen.jpg
Alice Cullen, interpretada por Ashley Greene
Morada Forks, Washington
Nascimento 13 de Março 1901 Biloxi,MS
Idade 112 ou 19 (biologicamente)
Falecimento 1920 (como humana)
Espécie Vampira
Especialidade(s) Prever o futuro
Família Jasper Hale (marido)
Carlisle Cullen (pai adotivo)
Esme Cullen (mãe adotiva)
Rosalie Hale e Isabella Cullen (irmãs adotivas)
Edward Cullen e Emmett Cullen(irmãos adotivos)
Renesmee Cullen (sobrinha)
Criado por Stephenie Meyer
Gênero(s) Feminino
Primeira aparição Twilight
Interpretado por Ashley Greene
Projecto Literatura  · Portal Literatura

Alice Cullen (nascida Mary Alice Brandon) é uma personagem fictícia na série Twilight (Crepúsculo, em português), da escritora estadunidense Stephenie Meyer. Alice é uma das irmãs adotivas de Edward Cullen, torna-se amiga de Isabella 'Bella' Swan no primeiro livro da série. Alice nasceu em 1901, em Mississipi.

Alice é casada com Jasper Halle e interpretada por Ashley Greene no cinema.

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Mary Alice Brandon - ou Alice Cullen, como é conhecida - vivia em uma casa de classe média em Biloxi, no MIssissippi, junto com os pais e a irmã, Cynthia, nove anos mais nova. O pai trabalhava comercializando pérolas, então como vivia muito tempo no litoral, passava pouco tempo com a família. A mãe de Alice ficava em casa cuidando das duas filhas.

Desde criança Alice já tinha o dom da vidência, mas não eram tão intensas e tão claras como depois de sua transformação. Eram mais "sensações ruins" do que realmente visões do futuro. No início seus pais achavam divertido quando a pequena Alice usava capa de chuva em um dia ensolarado e logo em seguida começava a chover. Eles diziam "Alice sempre acerta". "Vovó vai chegar daqui a pouco" ela dizia, e sua mãe punha mais um prato na mesa.

Com o amadurecimento, Alice via-se hesitante ao compartilhar suas visões, principalmente quando elas eram relacionadas as pessoas, pois sempre sentia-se ridícula quando errada (prever o tempo era fácil, mas prever o que acontecerá com alguma pessoa, depende total e exclusivamente de suas decisões. Se as pessoas mudavam de ideia, a visão mudava, ou não acontecia). Aos dez anos de idade, ela raramente falava sobre suas visões, pois as notícias dos seus estranhos dons se espalhavam muito rápido pela cidade, as crianças a tratavam com estranheza, diziam "Lá vai a filha esquisitona dos Brandon". Sua mãe, temendo a represália da sociedade, aconselhava a filha a guardar suas visões para si.

Aos dezoito anos, mesmo tendo controle sobre guardar suas visões, muitas vezes Alice não se continha, mas na maioria das vezes era ignorada. Como quando avisou uma amiga para não se casar com determinado homem e mais tarde, após o casamento, descobriu-se que a família do rapaz tinha histórico de insanidade mental. Invés de culpar-se ou culpar o marido, a amiga culpou Alice e a acusou de tê-la amaldiçoado. Outro vez, um dos primos favoritos de Alice planejava tentar a sorte no oeste e esta implorou para que ele não fosse. Seu primo morreu em um acidente na estrada, e os pais dele - tios de Alice - também a culparam e acusaram de ter agourado a viagem do rapaz. As pessoas começaram chamar Alice de bruxa e feiticeira.

Certo dia, Alice teve a visão mais aterrorizante de sua vida: viu sua mãe sendo assassinada por um estranho na floresta, a caminho da cidade. Então implorou para que a mãe não saísse daquele dia e ela a escutou. A mulher ficara em casa com as filhas, com as portas trancadas e com uma arma carregada ao lado. O Sr. Brandon, voltou para casa dois dias depois, e encontrou a casa suja e sem comida, e sua mulher e filhas apavoradas. Sendo insistido pela esposa ele foi investigar na floresta, mas não encontrou nada. Furioso com "as malditas histórias de Alice", proibiu a filha de causar pânico novamente.

Entretanto, Alice continuou sendo atormentada por visões onde sua mãe era perseguida pelo homem. Ao contar aos pais, mais uma vez o Sr. Brandon ficou furioso com a história da filha. Ele insistiu para que a família mantivesse a rotina normal. Na ausência do pai, a mãe fazia de tudo para acatar os pedidos desesperados da filha, mas tinha que sair muitas vezes para comprar mantimentos, cuidar do pomar, mas sempre portando uma pistola carregada. Com o tempo a Sra. Brandon voltou a frequentar o círculo social a qual pertencia, visitando amigos e parentes, então esquecia-se de levar sua pistola.

Em determinada noite, Alice teve a clara visão da charrete sendo jogada para fora da estrada por um carro Modelo T, bem ao lado de um penhasco. Antes que Alice pudesse alerta-la, a Sra. Brandon já havia saído. Desesperada, Alice correu atrás dela, vendo na mente o homem estranho olhando para a charrete destruída de sua mãe, certificando-se de que não havia mais sinais de vida na mulher. Em seguida, avistou o carro se afastando do local do acidente, então percebeu que devia ser tarde demais, porém continuou correndo.

A morte da Sra. Brandon foi declarada acidental, mesmo quando Alice dizia o que realmente tinha acontecido;seu pai ordenava que se calasse.

Seis meses depois do acidente, o Sr. Brandon casou-se novamente com uma mulher mais jovem, filha de um de seus principais parceiros nos negócios de joias. Esta tratava a pequena Cynthia com muito carinho, mas desdenhava Alice.

Além das visões, Alice também era perspicaz e mais inteligente que a maioria das pessoas. Alguns comentários descuidados da jovem esposa sobre o casamento ter sido planejado há muito tempo, acabaram despertando a desconfiança da garota que alertou o pai. O pai ficara furioso com tais acusações contra sua esposa.

Na noite seguinte ao confronto com o pai, Alice teve uma visão em que o pai dava dinheiro ao homem estranho, o mesmo que assassinara sua mãe. Depois viu o homem parado diante dela com uma faca nas mãos. Tarde demais: Alice percebeu que havia confiado justamente na pessoa errada. Alice fugiu no meio da noite, para casa dos tios onde foi recebida. Contou-lhes a história: seu pai havia encomendado o assassinato de sua mãe, e agora planejava matá-la também. A tia, que ainda culpava Alice pela morte do filho, exigiu que o marido soltasse os cachorros e expulsasse-a de lá.

Alice continuou correndo em direção a cidade, e, ao chegar na casa do xerife, encontrou o local aceso e cheio de pessoas. Tanto seu pai, como seus tios estavam lá. Eles haviam alertado a todos que Alice estava louca. Mesmo assim, Alice acusou seus pais pelos crimes e a madrasta de cúmplice, acreditando que alguém a ouviria, mas isso não aconteceu. Todos acreditavam nas palavras do pai, que a garota estava maluca, e muitos diziam que ela estava possuída pelo demônio. O xerife recebeu uma boa quantia do pai para trancar Alice em um hospício em outro condado, longe dali.

No hospital psiquiátrico a cabeça de Alice fora raspada, durante uma ameaça de febre tifoide. Suas sessões de tratamento consistiam no uso de eletrochoque, que causaram perda da memória, mas também deram a ela uma disposição naturalmente alegre e bem-humorada, uma vez que ela não lembrava mais a tristeza e o horror que passara.

Também no hospital, trabalhava como zelador um velho vampiro, que tirava proveito daquela gente e se alimentava daqueles que ninguém sentiria falta quando partisse, este acabou aproximando-se de Alice. O vampiro a mantinha livre do tratamento de choque e outros horrores sempre que podia. Certo dia ele estranhou que ela soubesse exatamente quando ele apareceria, então descobriu seu dom: Alice podia prever o futuro. O vampiro levava objetos escondidos para ver se ela conseguia adivinhar quais eram. Alice sempre acertava.

Um dia, Alice teve a visão de James: o vampiro rastreador sentiu o cheiro de Alice, em sua cidade natal, dois condados longe dali, e ia atrás dela. Ela viu James encontrá-la. Contou ao seu amigo vampiro que acreditou na suas palavras. Ele planejava fugir com ela, mas Alice teve outra visão em que James conseguia alcançá-los. O vampiro então decidiu transformá-la em vampira, só assim ele poderia salvá-la, mas teria que atrasar James até que a transformação se concretizasse, pois eles tinham pouco tempo. O vampiro a mordeu imediatamente e a levou dali, afim de protegê-la. E esperou. Nas visões de Alice, soubera que James era bom e que aquela seria uma luta na qual o seu amigo não poderia vencer. De fato, ele não venceu, porém conseguiu atrasar James por tempo o suficiente para que a transformação fosse concluída.

Alice acordou sozinha e sedenta. As dores da transformação tiveram um efeito semelhante ao dos eletrochoques: Alice não lembrava de nada do seu passado como humana, nem mesmo que James tinha sido o motivo de tudo aquilo. No entanto, seus dons de vidência estavam agora muito mais apurados e poderosos. Sua primeira visão foi de Jasper Whitlock. Soube que ele seria seu futuro companheiro, mas, que ele, naquele momento, não estava pronto para ela. Em vez de ir procurá-lo, Alice esperou que Jasper a encontrasse. Junto com suas visões de Jasper, Alice também teve conhecimento de que encontrariam os Cullens. Começou, assim, a treinar, às vezes com sucesso, para se tornar "vegetariana".

Em 1948, Alice foi a um pequeno restaurante na Filadélfia, onde sabia que Jasper e ela estavam destinados a se encontrar. Ela o cumprimentou com "Você me fez esperar um bom tempo", porém mesmo não entendendo suas palavras, ele podia sentir o que ela sentia. Alice estava apaixonada por ele e em pouco tempo ele passou a corresponder seus sentimentos e a viver como ela, de modo "vegetariano".

Em 1950, Alice e Jasper se juntaram aos Cullen. Ela já controlava muito bem sua sede, mas Jasper ainda tinha sérias dificuldades com esse estilo de vida "alternativo". Pouco tempo depois de se juntarem à família, os dois casaram.

Alice ama sua família adotiva e tem uma ligação especial com Edward, pois ele é o único que realmente entende como é viver com um dom tão difícil quanto a vidência.

Características[editar | editar código-fonte]

Como todos os vampiros ela é rápida e forte, muito ágil e luta bem. Alice é descrita como uma garota baixa com aparência de uma fada e com o . O cabelo é de um preto intenso, muito curto, picotado e desfiado para todas direções. Bella descreve seus movimentos como o de uma bailarina.

Alice é dotada de um dom muito instável: ela pode ver um futuro subjetivo, já que só sabe o que acontecerá depois que as pessoas tomam uma decisão. Ela não pode ver os "lobisomens", nem híbridos pois só pode ver sua própria existência, ou seja, ela pode ver vampiros por que é uma, e pode ver humanos por que já foi uma.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Como Alice é descrita com o cabelo muito curto, rente a cabeça, a diretora Catherine Hardwicke, temerosa em pedir para que a atriz Ashley Greene, que interpreta Alice, cortasse o longo cabelo, pediu que usasse uma peruca com cabelos um pouco curtos. O "cabelo" da personagem mudou a cada filme, continuando curto, porém nada parecido como o descrito no livro, o que causou alguma estranheza por parte dos fãs Em Amanhecer Parte 1, é onde o cabelo da personagem muda drasticamente para um curto rente a cabeça;
  • Em Amanhecer Parte 2, Alice tem a visão da luta onde aparecem lobos, e também do futuro de Renesmee, o que é um erro duplo, pois Alice não pode ver o futuro dos lobisomens nem de híbridos. Não ficou claro se ela poderia ter desenvolvido mais seus dons, mas o fato é que aconteceu;
  • Uma das coisas engraçadas entre a relação de Alice e Edward é que os diálogos entre eles são frequentemente mentais, pois tanto Edward pode ler sua mente quanto ela pode prever o que ele dirá. Em um jogo de xadrez, por exemplo, a partida é praticamente jogada apenas na cabeça dos dois pois Alice pode prever as jogadas de Edward, mas ele pode ver qualquer um dos seus movimentos, "Até que Alice derruba seu rei e entrega o jogo" como Bella cita;
  • Alice só descobre do seu passado em Twilight, quando Bella grava James confessando que o único cheiro tão doce quanto o dela havia sido o de Alice. Assim que descobriu algumas coisas, Alice foi até o Mississippi e vasculhou pelos jornais da cidade e descobriu que sua irmã havia falecido, mas que ela tinha uma filha, sua sobrinha;
  • O pai adotivo de Alice, Carlisle Cullen, é bilionário graças às habilidades de Alice em prever as variações da bolsas de valores;
  • Assim como o resto dos Cullens, Alice frequentou o colégio e a faculdade inúmeras vezes. Tem diplomas de design de moda e comércio exterior, e também usa seus dons para render seu próprio lucro.
Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Adaptações para o cinema[editar | editar código-fonte]

A atriz Ashley Greene interpretou Alice Cullen no filme Crepúsculo e também interpreta a personagem nas continuações do filme, Lua Nova , que foi lançado em 20 de novembro de 2009, Eclipse que foi lançado em 30 de junho de 2010, Amanhecer Parte 1 de 18 de novembro de 2011, e em Amanhecer Parte 2 de 16 de novembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]