Amador Aguiar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Amador Aguiar
Nascimento 11 de Fevereiro de 1904
Ribeirão Preto,  Brasil
Morte 24 de janeiro de 1991 (86 anos)
São Paulo,  Brasil
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação empresário, banqueiro e lavrador

Amador Aguiar (Ribeirão Preto, 11 de fevereiro de 1904São Paulo, 24 de janeiro de 1991) foi um empresário, banqueiro e lavrador brasileiro, diretor-presidente do banco Bradesco (Banco Brasileiro de Descontos S.A.), que hoje disputa com o Banco do Brasil e Banco Itaú o posto de maior instituição financeira do Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

De origem humilde, fez seus estudos primários no Grupo Escolar de Sertãozinho. Trabalhou na terra, no cultivo do café, mas aos 16 anos, pretendendo crescer na vida e brigado com seu pai, abandonou o campo, transferindo-se para Bebedouro onde conseguiu um emprego numa tipografia. Foi aí que, num acidente de trabalho, perdeu o dedo indicador da mão direita. Amador Aguiar dizem que era brigado com o seu irmão Jayme de Aguiar e Silva e assim quando este morreu ele tomou conta de seus sobrinhos Aracy de Aguiar e Silva, Iracema de Aguiar e Silva, Guaracy de Aguiar e Silva e Jayme Antonio de Aguiar e Silva. Desses sobrinhos vieram alguns filhos, dos quais carregam o sobrenome com orgulho, mantendo a cultura da família Aguiar, a maioria deles famosos e ricos ( Estela Aguiar, Adriana de Aguiar e Silva, Jayme de Aguiar e Silva Neto, Valéria Aguiar, Maria José Aguiar, e vários outros. Teve oito irmãos, mas pouco se sabe sobre eles, exceto Mário Coelho Aguiar, que trabalhou no Bradesco e chegou a Vice Presidente. Mas, curiosamente, ninguém da família Aguiar fez carreira sucessória no Banco, exceto os atuais assentos no Conselho por força dos 10% de herança que os herdeiros detém no Banco.

De bancário a banqueiro[editar | editar código-fonte]

Em 1926, com 22 anos de idade, obteve o emprego de office boy no Banco Noroeste, agência de Birigui. Iniciava assim, num posto humilde, a sua carreira de bancário. Com muito esforço e, ao mesmo tempo, com muita determinação, percorreu todos os cargos ali existentes, até o de gerente.

Em seguida, foi trabalhar na Casa Bancária Almeida Irmãos, com sede em Marília, instituição financeira fundada pelo Coronel Galdino de Almeida e sócio José da Silva Nogueira, cujo presidente era José Alfredo de Almeida (Zezé), cargo que ocupou até a década de 1960, sendo sucedido pelo seu cunhado, Dr. José da Cunha Jr., que ficou até 1969. José Alfredo de Almeida alguns anos depois veio a fundar uma companhia de aviação civil no país - TAM, mercado em que seguiu até o fim de sua vida.

Sob o comando do então presidente e controlador, Dr. José da Cunha Jr, a casa bancaria transformou-se em banco, passando a chamar-se Banco Brasileiro de Descontos. Em 1946, sua sede foi transferida para a rua Álvares Penteado, em pleno centro financeiro da cidade de São Paulo e, sete anos após, a administração do banco foi levada para a denominada Cidade de Deus, Vila Yara, em Osasco. Já contava, então, com agências nas principais cidades de São Paulo e em quase todos os estados do Brasil.

Aguiar, aliando-se a outros acionistas do banco e de alguns diretores muito próximos, aguerridamente, lançava novos lotes de ações aos quais subscrevia instantaneamente, montando assim a maioria de ações, tomando o controle da instituição. Em 1969, de superintendente, passou à presidência do Banco, por ocasião da aposentadoria do Dr. José da Cunha Jr., genro do coronel Galdino, que exerceu o cargo até sua morte. Curiosamente, até mesmo a fundação do Bradesco conferem a Amador Aguiar mas, tal não é verdade.

A partir desse momento e sob sua gestão, o banco ganhou enorme desenvolvimento, enveredando por outras áreas afins e sempre crescendo, transformou-se na maior instituição financeira privada do Brasil. Ajudaram-no nessa empreitada, na fase de maior desenvolvimento do Banco, seu irmão Mário Coelho Aguiar, Laudo Natel,Luis Silveira, Jatil Sanches, Rui Mendes De Rosis, Manoel Cabete, Leonardo Gracia, Ageu Silva, Décio Tenerello e Lázaro de Mello Brandão que viria a sucede-lo na presidência do Grupo.

O empresário[editar | editar código-fonte]

A controvérsia se Amador foi ou não empresário ou simples empregado contratado em 1943, ano em que o projeto de virar banqueiro começou a se concretizar, está em uma assertiva que paira na mídia: "com amigos, adquiriu a Casa Bancária Almeida, um banco falido de Marília (SP)" Diz-se que não era nada disso. Os tais amigos (que não de Amador), na verdade cunhados, tinham fundado a Casa Bancária Almeida & Cia. A instituição transformou-se em banco e ganhou um novo nome: Banco Brasileiro de Descontos, o Bradesco. No dia da inauguração, (dizem que foi na véspera, outros, naquela semana), a morte repentina do escolhido para dirigir o novo negócio fez de Amador Aguiar o diretor-presidente. Na verdade, o Gerente do negócio, pois há relatos que era um Superintendente (nem mesmo Diretor). Dizem ainda que, além de plenos poderes, foi agraciado com um terço das ações do banco, que, por sinal, naquele momento, nada valiam. Mesmo assim, é curioso alguém doar 1/3 de um banco, por menor que seja, a um funcionário.

O Bradesco era tão insignificante que o próprio Aguiar fazia piada da sigla da instituição nascente. “Banco Brasileiro dos Dez Contos, se há?”, alguém perguntava, e ele respondia às gargalhadas: “Não há!”. Isso também é um mito plantado pelo próprio Aguiar, nos anos 80 em entrevista à Folha de São Paulo. Dizem que na verdade o Bradesco cobrava 10 contos de réis para descontar títulos da época (ex.: uma duplicata), um valor abaixo dos demais bancos, que cobravam um percentual. Daí veio o apelido, "O Banco dos Dez Contos".

Pesquisando em http://jorgeroriz.wordpress.com/a-historia-do-fundador-do-bradesco/ há uma errata - que muda tudo o que se diz. Vejamos: "Ao ser contratado como diretor-gerente da Casa Bancária Almeida, de Marília, Amador Aguiar recebeu 10% das ações e não um terço delas; na ocasião, a instituição já se chamava Bradesco e não estava falida; em 1951, Aguiar assumiu a superintendência e só se tornou presidente do Bradesco em 1969, em substituição a José da Cunha Jr., genro do fundador do banco, José Galdino de Almeida.". O mais curioso é que ele conseguiu plantar a imagem de fundador tanto do Bradesco como da Fundação Bradesco, eliminando totalmente a família Almeida da história do Banco.

Genial nos negócios, empresário de visão e grande empreendedor, Aguiar não dedicou sua vida profissional apenas ao Bradesco. Teve maior ou menor grau de envolvimento e participação, entre outras, nas seguintes empresas: Cia. Porto Seguro de Seguros Gerais, Casa Ouvidor S.A., Cia. Comercial de Café São Paulo-Paraná e Companhia Antarctica Paulista. Além disso, foi proprietário de diversas fazendas, revivendo nelas suas origens de trabalhador da terra.

O benemérito[editar | editar código-fonte]

Amador Aguiar era um homem de gênio difícil. Retraído, sempre sério, não cultivava muitas amizades. Rigoroso com seus funcionários e consigo mesmo, tinha uma vida espartana e praticamente toda dedicada ao trabalho. Portava-se como um homem humilde, sem luxos e com modestos lazeres. Porém, era bastante vaidoso pelo império econômico que construíra, traço que tentava esconder ou dissimular, mas perceptível para os que o cercavam. Sua fama de homem duro e de forte personalidade poderia levar à ideia de que fosse um egocêntrico que pensasse somente nos seus interesses pessoais.

Entretanto, na realidade, em que pese as histórias lendárias que circulavam a seu respeito, foi um homem generoso. Graças a ele, Osasco ganhou sua primeira companhia telefônica, posteriormente incorporada à Telesp. A Prefeitura da cidade foi várias vezes beneficiadas com obras de urbanismo pagas pelo Banco. Da mesma forma, o fórum recebeu instalações condignas devido à contribuição do poderoso banqueiro. Se não fosse por sua ajuda, Osasco não teria a conceituada Faculdade de Direito, instalada em 1969, onde Aguiar exigiu também o curso de Administração de Empresas, e não só foi atendido como a faculdade passou a se chamar Faculdade de Administração Amador Aguiar, onde se formaram vários alunos, futuros e alguns atuais dirigentes do Bradesco até hoje, 40 anos depois. Auxiliou o professor Edmundo Vasconcellos e equipar a Gastroclínica, por ele fundadas ao lado da Av. Ruben Berta, em São Paulo. Estes são alguns exemplos do muito que realizou em benefício dos funcionários e da população em geral. O São Paulo Futebol Clube também teve uma mãozinha de Aguiar, pois Laudo Natel foi, junto com Aguiar, Diretor do Bradesco e do SPFC. Até hoje o SPFC tem um posto de serviços bancários do Bradesco em suas dependências.

O Excêntrico[editar | editar código-fonte]

Nunca se saberá porque Amador Aguiar adorava colher excentricidades sem tê-las. Talvez tivesse algumas poucas, mas, por exemplo, dizer que não usava meias nem talões de cheques, basta uma olhada em fotos antigas no Museu Bradesco, na Cidade de Deus, Osasco, que veremos que ele em várias fotos está calçando meias. Quanto aos talões, ele não os usava porque não precisava, pois andava com dinheiro ou mandava algum subordinado do banco pagar, debitando diretamente da conta do Banco. É verdade que dirigia seu próprio fusca, como dizem, mas isso na década de 60, pois é sabido que na década de 80, por exemplo, vinha trabalhar com motorista particular e de "Landau". Talvez todos os Diretores dirigiam fuscas na década de 60. Adorava andar a pé pelas dependências do Banco, o que não é excentricidade, pelo contrário, os atuais diretores deveriam seguir esse nobre hábito, comum em empresários que vêem a empresa como suas obras.

A Fundação Bradesco[editar | editar código-fonte]

Os poucos anos em que frequentou regularmente a escola, mostraram a Aguiar a necessidade de disseminar a educação entre os jovens. Provavelmente, daí ter surgido a ideia da instituição da Fundação Bradesco, da qual muito se orgulhava e que hoje mantém escolas espalhadas pelo Brasil inteiro, sendo um instituto de educação modelar. Foi ela a sua maior realização de cunho social.

Antes de morrer doou grande parte de suas ações para a Fundação Bradesco, que tornou-se a controladora do Bradesco. Desta forma, os presidentes do Bradesco não são seus donos. Como a Diretoria controla a Mesa Regedora da Fundação Bradesco, o banco tornou-se um banco "de diretores". Porém, sua neta, Denise Aguiar, está à frente do projeto educacional da Fundação Bradesco, além de ter assento no Conselho de Administração, já que a família Aguiar tem aproximadamente 10% das ações com direito a voto no Bradesco.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Quem é Quem no Brasil - Biografias Contemporâneas. Rio de Janeiro: Soc.Brasileira de Expansão Comercial, 3. ed., 1953.1

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.