Banco Bilbao Vizcaya Argentaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
BBVA
Banco Bilbao Vizcaya Argentaria SA
Logotipo de BBVA.svg
Slogan Adelante
(Em espanhol Para a Frente)
Tipo Empresa de capital aberto
Indústria Finanças e Seguros
Fundação 1999 (15 anos)
Sede Bilbao,  Espanha
Áreas servidas mundialmente
Pessoas-chave Francisco González Rodríguez (Presidente Executivo)
Anjo Cano Fernandez (CEO)
Empregados 110.000 (2013)
Produtos Serviços bancários, Serviços financeiros
Lucro Baixa EUR 4.406 bilhões (2012)[1]
Faturamento Aumento EUR 22.441 bilhões (2012)[2]
Página oficial Site Ofical


O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) é um grupo bancário espanhol com participação em entidades financeiras em mais de trinta países. Possui cerca de 110.000 empregados, bem como uns 50 milhões de clientes repartidos em mais de 30 países e aproximadamente um milhão de acionistas.[3] O BancoA BBVA tem a sua sede social na cidade de Bilbau (País Basco, Espanha), se bem que a maior parte dos serviços centrais da entidade encontram-se em Madrid.

Foi estabelecido em 27 de janeiro de 1988, após fusão do Banco de Bilbao com o Banco Vizcaya criando o BBV e em 1999 o banco Argentaria se fundiu com o BBV criando assim o BBVA.[4]

Em dezembro de 2012 os ativos totais do banco chegaram a 637,7 bilhões de euros um crescimento de 6,7% em relação ao mesmo período de 2011.[5]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Ao ingressar no Brasil em 1998, o Grupo BBVA injetou no mercado US$ 800 milhões para a aquisição do tecnicamente falido Excel Econômico (este, já um produto da aquisição da massa falida do Banco Econômico pelo Banco Excel em 1998). Foi realizada a seguir aporte de capital da ordem de US$ 700 milhões, para infra-estrutura, investimentos tecnológicos e abertura de agências. Em dezembro de 2000, o Conselho de Administração do BBV Banco aprovou novo aumento de capital, da ordem de U$ 35 milhões, totalmente integrados pelo Grupo BBVA. Este novo aumento destinou-se à continuidade do plano de expansão de agências e ao cumprimento dos limites operacionais fixados pelo Banco Central (BC).

Entretanto, na mesma época o grupo Bilbao Viscaya Argentaria foi proibido de usar a sigla BBVA para qualquer tipo de publicidade no Brasil, por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) – mesmo sendo o BBVA, internacionalmente, produto de uma fusão, em 1988, dos centenários “Banco de Bilbao” e “Banco Vizcaya”, formando o BBV. Em 1999, uma nova união adicionou ao BBV o Banco Argentaria. Mas um pequeno banco carioca (o Banco BVA S.A.) entrou na Justiça alegando que usa a sigla desde 1995. A tese do BVA foi vencedora na justiça, ao mostrar que, além de usar a marca por mais tempo, ela faz parte até de sua razão social, enquanto o Bilbao Viscaya só somou a letra “A” ao seu nome em maio de 2000, depois que se fundiu ao Argentaria. Assim, no Brasil o banco, enquanto operou, teve a marca BBV.

Além da disputa pela marca, na realidade a alienação das operações do BBVA no Brasil vinculou-se ao fato de que os dois anos de operações dos espanhóis não foram bem sucedidos. Diante desse quadro, os acionistas do BBVA tinham duas opções: ou aumentavam a exposição, investindo mais 3 a 4 bilhões de dólares no Brasil, para ocupar pelo menos 10% do mercado e alcançar a escala considerada ideal, ou faziam um recuo estratégico.

Em janeiro de 2003, o banco Bradesco adquiriu as operações do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria no Brasil, por R$ 2,7 bilhões.[6]

Patrocínio Esportivo[editar | editar código-fonte]

O banco é o patrocinador-master da Primeira Divisão Espanhola de futebol que leva o nome do banco Liga BBVA. E também patrocina o time argentino de futebol,CA Boca Juniors através de sua subsidiária BBVA Francés

Sedes e Filiais[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um banco ou instituição financeira é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.