Beata Teresa de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde julho de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Beata Teresa de Portugal, O.S.B.
Rainha Santa Teresa
Nascimento 1176 em Coimbra, Reino de Portugal
Morte 18 de junho de 1250 em Lorvão, Reino de Portugal
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 13 de Dezembro de 1705 por Papa Clemente XI
Festa litúrgica 17 de Junho
Gloriole.svg Portal dos Santos
Realeza Portuguesa
Casa de Borgonha
Descendência
PortugueseFlag1185.svg

Teresa de Portugal ou Teresa Sanches, O.S.B., também chamada, ao tempo de Tarasia ou Tareja, e mais tarde, a Infanta-Rainha ou Rainha Santa Teresa, era a filha mais velha de Sancho I de Portugal, e esposa de Afonso IX de Leão.

Rainha de Leão[editar | editar código-fonte]

Teresa foi mãe de três filhos de Afonso (Sancha, Dulce e Fernando), mas devido ao facto de serem primos, o casamento foi declarado inválido; Teresa regressou então a Portugal, ao Lorvão, onde viria a fundar um convento beneditino ao qual se recolheu; pouco tempo mais tarde, transformou o mosteiro em abadia cisterciense, com mais de trezentas freiras.

Querelas com Afonso II de Portugal, seu irmão[editar | editar código-fonte]

Por morte de Sancho I de Portugal, Teresa deveria receber, segundo as disposições testamentárias do pai, o castelo de Montemor-o-Velho, com o resto do termo da vila, e todos os rendimentos aí produzidos, podendo usar o título de rainha enquanto senhora desse mesmo castelo.

Isto gerou uma luta com seu irmão Afonso II de Portugal, que desejando centralizar o poder, obstou à prossecução do testamento do pai, impedindo a infanta-rainha de receber os títulos e os réditos a que tinha direito - de facto, sendo casada com o rei de Leão, temia Afonso II que esta pudesse passar aos herdeiros o vasto património que o testamento lhe legava, criando assim um problema à soberania do rei de Portugal e dividindo quase o país ao meio.

O testamento previa também terras e castelos para as suas irmãs Sancha e Mafalda, tendo-se formado um partido de nobres afectos às infantas, liderado pelo infante D. Pedro (que se acolheu a Leão sob a protecção de Teresa e tomou algumas praças transmontanas), mas que acabaria por sair derrotado; só com a morte de Afonso II, o seu filho Sancho II resolveu o problema, concedendo os rendimentos dos castelos às tias, nomeando os seus alcaides de entre os nomes que estas propusessem, pedindo-lhes apenas que renunciassem ao título de rainhas - assim se estabeleceu enfim a paz no reino, em 1223.

Fim da vida[editar | editar código-fonte]

Em 1230, Afonso morreu depois de ter tido cinco filhos da sua segunda esposa, Berengária de Castela. Este segundo casamento foi também anulado devido a consanguinidade. Assim, os filhos de ambos os casamentos viriam a disputar a coroa (até porque Afonso deserdara o primogénito do seu segundo casamento, e legara o reino às duas filhas que tivera de Teresa). Teresa interveio e permitiu que Fernando III de Castela assumisse o trono leonês.

Após esta querela dinástica, Teresa retornou ao Mosteiro de Lorvão e finalmente tomou os votos conventuais após anos de vivência como monja. Aí morreu em 18 de Junho de 1250 de causas naturais.

Beatificação[editar | editar código-fonte]

A 13 de Dezembro de 1705 Teresa foi beatificada pelo Papa Clemente XI, através da bula Sollicitudo Pastoralis Offici, juntamente com a sua irmã Sancha.

Precedida por:
Urraca Lopes de Haro
Rainha-consorte de Leão
11911197
Sucedida por:
Berengária de Castela


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Beata Teresa de Portugal