Afonso IX de Leão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Afonso IX
Rei de Leão
Adefonsus legio galle.jpg
Miniatura do século XII representando
Afonso IX de Leão e Galiza
Governo
Reinado 1188
23 de Setembro de 1230
Consorte Teresa Sanches
Berengária de Castela
Antecessor Fernando II de Leão
Sucessor Fernando III de Leão e Castela
Dinastia Borgonha
Vida
Nascimento 15 de Agosto de 1171
Zamora, Espanha
Morte 23 de setembro de 1230 (59 anos)
Zamora, Espanha
Filhos Ver descendência
Pai Fernando II de Leão
Mãe Urraca de Portugal

Afonso IX de Leão e da Galiza[1] (Zamora, 15 de Agosto de 1171 - Zamora, 23 de Setembro de 1230), cognominado o Baboso por Ibn Khaldun porque seria acometido de fúrias durante as quais espumava da boca, foi o último soberano do reino da Galiza e do Reino de Leão independente, de 1188 até à sua morte.

Subida ao trono[editar | editar código-fonte]

Afonso era filho de Fernando II de Leão e Galiza e de Urraca de Portugal e, portanto, neto materno de Afonso I de Portugal e Mafalda de Saboia, sobrinho de Sancho I de Portugal.

Em 1181 os seus pais separaram-se devido a serem primos em 3º grau, regressando a sua mãe à corte do seu avô materno D. Afonso Henriques e ficando Afonso entregue à tutela do seu pai.

Teve de enfrentar a sua madrastra Urraca Lopes de Haro e o seu meio-irmão Sancho, pelo direito à coroa de Leão. Para fortalecer a sua pretensão convocou a Cúria Régia para receber o apoio do clero, da nobreza e dos representantes das cidades. As Cortes de Leão de 1188 podem ser consideradas o primeiro antecedente na Europa Ocidental do parlamentarismo moderno. Nelas foi reconhecido o direito à inviolabilidade do domicílio e o de habeas corpus, entre outros.

Em 1188 Afonso tornou-se rei de Leão após a morte do seu pai. Nesse mesmo ano morreria também a mãe Urraca de Portugal. Segundo a numeração cronológica real do Reino de Leão deveria ser conhecido como Afonso VIII de Leão, mas a sua denominação com o ordinal IX é a mais habitual. A justificação pode ser devida a o seu primo mais velho Afonso VIII de Castela ter assumido o ordinal antes.

Reinado[editar | editar código-fonte]

Casou-se em 1191 com a sua prima direita Teresa Sanches, filha de Sancho I de Portugal e de Dulce de Aragão. A união seria anulada em 1194 pelo papa e só após algum tempo Afonso acataria a anulação. Em Dezembro de 1197 celebra segundas núpcias em Valladolid com a sua prima em 2.º grau Berengária de Castela, filha de Afonso VIII de Castela e Leonor Plantageneta. Deste segundo casamento Afonso teve o herdeiro que uniria as duas coroas, Fernando III de Leão e Castela. O seu segundo estratégico casamento seria anulado em 1204, novamente por consanguinidade.

Encarado como uma afonta ao poder papal, teve como reação um interdicto (o equivalente à excumunhão para um reino ou territótio) sobre a sua pessoa e o seu reino. No entanto, Inocêncio III acabou por levantar a sanção sobre Leão, sob o argumento de que se a população não tivesse acesso aos serviços da religião, deixariam de apoiar o clero, e aumentaria a heresia no reino. Afonso continuou sob interdicto pessoal, ao qual se mostrou indiferente, apoiado pelo seu clero. Depois da separação com Berengária, o rei voltou a ligar-se a Teresa, a cujas filhas legou o reino.

Depois da separação de Berengária, a política de Afonso IX centrou-se na rivalidade com Castela, que violara os acordos com o seu reino, conquistando-lhe toda a Franja del Carrión e parte de Tierra de Campos.

Em 1217 Berengária tornou-se rainha de Castela após a morte do irmão Henrique I de Castela, mas abdicou quase imediatamente para o filho de ambos, Fernando III de Leão e Castela. Em consequência, este foi viver com a sua mãe e governar Castela. Afonso IX, que ambicionava a esta coroa por ser neto de Afonso VII de Leão e Castela, proclamou guerra aberta ao reino do filho, apoiado pela poderosa família Lara e outros nobres descontentes. Os seus planos não se concretizariam e acabaria por assinar umas tréguas com a sua ex-esposa. No processo deserdaria o filho da coroa de Leão.

Posteridade[editar | editar código-fonte]

Em 1218, Afonso fundou a Universidade de Salamanca. Depois do fracasso com Castela, concentrou-se na luta contra o Califado Almóada, onde se destacam as suas conquistas na Estremadura: Cáceres em 1229, Mérida e Badajoz em 1230.

Embora, por sua morte em 1230, o seu testamento previsse que o trono seria legado às suas filhas Sancha II de Leão e Dulce I de Leão, resultantes do primeiro matrimónio, foi o filho que teve do segundo, Fernando III de Leão e Castela, que acabaria por lhe suceder, juntando as duas coroas numa união pessoal: cada uma manteria a sua independência, cortes e oficiais, mas seriam regidas pelo mesmo monarca.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Estátua de Berengária de Leão e Castela nos Jardins do Retiro de Madrid.

Do primeiro casamento em 15 de Agosto de 1171 com Teresa Sanches de Portugal, filha de Sancho I de Portugal, e de Dulce Berenguer de Barcelona, teve:

Do segundo casamento, em 1197 com Berengária de Castela, filha de Afonso VIII de Castela e de Leonor Plantageneta, princesa de Inglaterra, teve:

Afonso IX também teve vários filhos bastardos.

Filhos de Aldonça Martins da Silva, filha de Martim Gomes da Silva e de Urraca Rodrigues (que depois se casou com Diogo Froilaz, conde de Cifuentes):

Com una mulher desconhocida ou, segundo alguns autores, com Aldonça Martins da Silva, teve a:

Filhos de Inês Iñiguez de Mendonça, filha de Lope Iñiguez de Mendonça e Teresa Ximenez de los Cameros:

Filhos de Teresa Gil de Soverosa, filha de Gil Vasques de Soverosa e de Maria Aires de Fornelos, tendo esta também tido filhos de Sancho I de Portugal:

Filhos de uma mulher desconhecida:

Notas

  1. Segundo a numeração cronológica real do Reino de Leão, deveria ter sido conhecido como Afonso VIII, mas, historicamente atribuiu-se-lhe o ordinal IX, como forma de "unir" as cronologias de Leão e de Castela (em Castela reinava então Afonso VIII). Contudo, nas Siete Partidas do seu neto Afonso X o Sábio, este afirmava ser "Afonso IX"

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Reinas Catolicas, Enrique Florez, 1761
  • Artigo da Encycopædia Britannica de 1911 sobre Afonso IX (em inglês)
  • Ancestral Roots of Certain American Colonists Who Came to America Before 1700 by Frederick Lewis Weis, Lines 114-27, 114-28
  • José Augusto de Sotto Mayor Pizarro, Linhagens Medievais Portuguesas - 3 vols. Universidade Moderna, 1ª Edição, Porto, 1999, vol. 1-pg. 168.
  • D. António Caetano de Sousa, História Genealógica da Casa Real Portuguesa Atlântida-Livraria Editora, Lda, 2ª Edição, Coimbra, 1946, Tomo I-pg. 67.


Precedido por
Fernando II
Armas do reino de Leão. Armas do reino da Galiza.
Rei de Leão e da Galiza

1188 - 1230
Sucedido por
Sancha II e Dulce I
(de jure)
Fernando III
(de jure e de facto)


Reinos cristãos da Península Ibérica
Astúrias
Reis e Rainhas
Leão
Reis e Rainhas
Castela
Reis e Rainhas
Galiza
Reis e Rainhas
Navarra
Reis e Rainhas
Aragão
Reis e Rainhas
Espanha
Reis e Rainhas
Portugal
Reis e Rainhas


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Afonso IX de Leão