Bicho-de-pé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde agosto de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaBicho-de-pé
ChiggerBMNH.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Siphonaptera
Família: Tungidae
Género: Tunga
Espécie: T. penetrans
Nome binomial
Tunga penetrans
Linnaeus, 1758

O bicho-de-pé é um inseto sifonáptero (Tunga penetrans) da família dos tungídeos[1] [2] , de presumida origem sul-americana, relativamente comum nas zonas rurais. É o agente causador da tungíase: a fêmea fecundada penetra na pele do homem ou de outros animais, causando forte coceira e ulceração que pode servir como porta para infecções de agentes patogênicos como o Clostridium tetani, causador do tétano.

Sinônimos[editar | editar código-fonte]

Também conhecido como: Batata baroa, bicho, bichô, bicho-de-cachorro, bicho-de-porco (ou bicho-do-porco), bicho-boco, bicho-do-pé, bitacaia, chique, chitacaia, dengoso, espinho-de-bananeira, esporão, jatecuba, matacanha ou bitacaia (Angola e Moçambique), djigan (Guiné-Bissau), moranga, nígua (Portugal), olho-branco, olho-de-pinto, pique, piolho-de-faraó, pitxoca/pitxoka, pulga-da-areia,[3] pulga-de-bicho, pulga-do-porco, pulga-penetrante, sico, taçura, taçuru, tatarné, tuçuru, tunga, tunguaçu, vitacaia, xiquexique, xíquia, zunga, zunge, zunja.

Características[editar | editar código-fonte]

Esse inseto pertence à ordem das pulgas (Siphonaptera) e, como elas, não tem mais que um milímetro de comprimento. Como membro do gênero Tunga, tem as coxas posteriores desprovidas de espinhos na face interna, os fêmures do terceiro par de patas sem uma protuberância na sua base, com aspecto de dentículo. O segundo e terceiro segmentos abdominais não possuem estigmas. Os machos possuem espiráculos abdominais todos do mesmo tamanho, enquanto a fêmea tem os espiráculos anteriores diminutos e os posteriores muito desenvolvidos, já que apenas os posteriores ficarão em contato com o ar quando ela penetrar na pele do hospedeiro.[4] O bicho-de-pé tem a cor vermelho-amarronzada, com olhos pequenos e fronte angulosa. Como toda pulga, é segmentada, mas a fêmea fecundada aumenta de tal forma que se apresenta sem traços de segmentação.[5]

Ganhou seu nome popular por penetrar na pele humana, em especial entre os dedos do , onde ela é mais fina e tenra, mas também nas mãos, na sola do pé e calcanhar. Quem anda descalço em áreas infestadas pelas larvas do inseto - normalmente lamaçais e terrenos arenosos, como currais, chiqueiros e praia, em locais quentes, sombreados e secos - é, portanto, sua vítima preferencial.[6] Pode ser encontrado em quase todo o continente americano, e habita terrenos secos e arenosos, dentro ou fora de habitações humanas.[3]

Ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

O ciclo de vida do bicho-de-pé é semelhante ao ciclo do restante das pulgas. Tanto o macho quanto a fêmea não fecundada vivem na superfície da pele, como ectoparasitas. A fêmea inicialmente é de vida livre mas, quando fecundada, invade a pele do hospedeiro e começa a perfurá-la. A coceira sentida é causada por uma substância secretada pelo bicho-de-pé para furar a pele.

Uma vez encubada, a fêmea começa a se nutrir do sangue e líquido tissular do hospedeiro para desenvolver seus ovos. No processo ela incha cerca de 80 vezes até atingir o tamanho aproximado de uma ervilha, depois de 8 a 10 dias. Essa mudança radical no seu formato causa uma estrutura hipertrofiada no hospedeiro, que recebe o nome de neosoma. A fêmea mantém uma abertura para o exterior por onde ela respira e expele os ovos. São produzidos cerca de 100 a 200 ovos por dia, que são expelidos como balas de canhão e caem em lamaçais ou terrenos arenosos frequentados por possíveis hospedeiros. Depois de lançados todos os ovos, cerca de 3 mil, a fêmea sai e morre ou é destruída pelo hospedeiro.[3] [7]

Após eclodir do ovo, a larva começa a se desenvolver no solo úmido e sombreado. Existem apenas dois estágios larvais, em contraste com a maioria das pulgas que tem três. A larva L2, antes de entrar em pupação, migra para a superfície do solo seco e produz um casulo com poeira e outros detritos. O desenvolvimento de ovo a adulto geralmente dura de quatro a seis semanas, mas pode durar apenas três sob condições ótimas.[8] [4]

Tungíase[editar | editar código-fonte]

A doença causada pela infestação de bicho-de-pé é chamada tungíase, devido ao nome científico do gênero, Tunga, e pode levar a infecções secundárias e formação de úlceras.[7] A fêmea fica sobre a superfície do solo esperando um hospedeiro, e penetra rapidamente sua epiderme. No homem, ataca preferencialmente a região da sola dos pés, no calcanhar, entre os dedos e nos cantos, nas bordas das unhas, e também nas mãos, por serem mais expostas ao chão e ao ambiente externo. Pode penetrar também outros lugares como escroto, pálpebras e ânus, e há casos em que houve infecção em todo o corpo. A tungíase, se não for controlada, pode causar dificuldades de postura e locomoção, necrose óssea e tendinosa e até perda dos dedos.[4]

Entre as infecções secundárias que a tungíase pode causar estão a proliferação de Clostridium perfrigens (que causa gangrena gasosa), Clostridium tetani (tétano) e Paracoccidiodes brasiliensis (blastomicoses).[4]

Essas infecções podem ser evitadas removendo a fêmea do interior da pele. Após por os ovos, a fêmea morre, e isso pode levar as essas infecções. Em casos extremos, pode ser necessário amputar os dedos.[3]

Temido inimigo[editar | editar código-fonte]

É geralmente aceito que o bicho-de-pé tenha se originado nas partes tropical e subtropical do continente americano e nas Antilhas. Ele se tornou conhecido pelos europeus pouco após a chegada de Colombo em 1492.[4] Na época colonial, as pessoas que se aventuraram pelo interior do Brasil relataram suas penosas experiências ao serem atacadas pelo bicho-de-pé. Entre eles, destacaram-se o frade franciscano André Thevet (1502-1590), o francês Francisco Pyrard, de Laval (1578-1623), Richard Fleckno (c.1600-1678?), o capitão francês Chancel de Lagrange (1678-1747), o alemão Príncipe Maximiliano zu Wied-Neuwied (1782-1867), o botânico, naturalista e viajante francês Auguste de Saint-Hilaire, o escritor, geógrafo, antropólogo, explorador e agente secreto britânico Sir Richard Charles Burton, entre outros. Aparece também no romance de Gilberto Freire (1900-1987) Dona Sinhá e o Filho do Padre e no Campo Geral (conto Manuelzão e Miguilim) de Guimarães Rosa.[9]

O parasita foi introduzido a África pelos europeus a partir do século XVIII e depois chegou até a Ásia. Até a década de 1980 não havia registros de sua presença em outros continentes, quando começaram relatos de casos em países europeus e em 1993 na Nova Zelândia.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bicho-de-pé

Referências

  1. (2012) "Le genre Tunga Jarocki, 1838 (Siphonaptera: Tungidae). I – Taxonomie, phylogénie, écologie, rôle pathogène". Parasite 19 (4): 297–308. DOI:10.1051/parasite/2012194297. ISSN 1252-607X.
  2. (2014) "Notes on the genus Tunga (Siphonaptera: Tungidae) II – neosomes, morphology, classification, and other taxonomic notes". Parasite 21: 68. DOI:10.1051/parasite/2014067. ISSN 1776-1042. PMID 25514594.
  3. a b c d O que é bicho-de-pé? Mundo Estranho. Visitado em 9 de outubro de 2014.
  4. a b c d e f Carlos Brisola Marcondes. Entomologia Médica e Veterinária. São Paulo: Atheneu, 2001. ISBN 85-7379-319-8.
  5. Elinor Fortes. Parasitologia Veterinária. 4. ed. São Paulo: Ícone, 2004. ISBN 85-274-0777-9.
  6. Paula Louredo. Bicho-de-pé Escola Kids. Visitado em 9 de outubro de 2014.
  7. a b D. S. Kettle. Medical and Veterinary Entomology (em inglês). 1. ed. [S.l.]: John Wiley & Sons.
  8. Gary R. Mullen; Lance A. Durden. [books.google.com.br/books?id=T8CWvVGwKhoC&q=tunga+penetrans Medical and Veterinary Entomology.] [S.l.: s.n.], 2009.
  9. Cavalcante, Messias Soares. A verdadeira história da cachaça. São Paulo: Sá Editora, 2011. 608p. ISBN 9788588193628
Ícone de esboço Este artigo sobre insetos, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.