Bugsy Siegel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Bugsy Siegel
Fotografia policial de Bugsy Siegel, 1928
Nome Benjamin Siegel
Nascimento 28 de fevereiro de 1906
Williamsburg, Brooklyn
 Estados Unidos
Morte 20 de junho de 1947 (41 anos)
Beverly Hills, Califórnia
 Estados Unidos
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americano
Pseudônimo(s) Bugsy (Inseto)
Situação Assassinado
Ocupação Gângster, empresário
Afiliação (ões) Família Genovese, Charles Luciano, Meyer Lansky

Benjamin "Bugsy" Siegel (Williamsburg, 28 de fevereiro de 1906Beverly Hills, 20 de junho de 1947), foi um gangster norte-americano aliado à Família Genovese.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Apelidado de "Bugsy" (o Inseto), Siegel era conhecido por ser implacável para com os associados mafiosos que a Cosa Nostra considerava traidores e adquiriu notoriedade como um dos "gangsters" mais famosos e temidos da sua época. Descrito como bonitão e carismático, tornou-se num dos primeiros gangsters a ganhar celebridade, podendo-se considerá-lo como o impulsionador do desenvolvimento da chamada "Las Vegas Strip". Siegel foi um dos fundadores e líder da Murder Incorporated e um dos principais contrabandistas de bebidas durante a Lei Seca. Quando a Lei Seca foi revogada em 1933, os seus interesses criminosos voltaram-se para o jogo. Em 1936, por ordem de Charlie Luciano, deixou Nova York e mudou-se para a Califórnia, mais exatamente para dirigir as atividades da Máfia em Hollywood. Em 1939, suspeito da autoria do assassinato do colega mafioso Harry Greenberg, foi preso e julgado mas acabou por ser absolvido em 1942, por falta de provas. Entretanto, aproveitando-se do seu temível estatuto, frequentava a alta roda artística e convivia com os mais famosos atores cinematográficos: Gary Cooper e George Raft abriram-lhe dezenas de portas e o dobro de camas de atrizes e de "pin-ups" em voga. Mas não só: Dorothy Taylor, filha de negociantes milionários, casada com o conde italiano Di Frasso, fascista convicto, também deitava o famoso bandido na sua cama. Conta-se que, em viagem a Itália, Siegel ficou instalado na Villa Madama, em Roma, propriedade dos condes Frasso.

Quase assassinato de Mussolini e Goebbels[editar | editar código-fonte]

Uma noite, Mussolini, acompanhado pelo ministro alemão da Propaganda, o ignóbil e raquítico Goebbels, veio ali jantar; intrigado, o mafioso americano, que se vestia no quarto da condessa, absolutamente desconhecedor dos personagens que então dominavam a cena política europeia, perguntou: "Quem é ?". Prevenindo inconveniências ao jantar, Dorothy resumiu-lhe o ideal fascista que então varria a Europa e contou-lhe dos projetos de Goebbels para dizimar o povo eleito. Escusado será dizer que um fogo étnico se acendeu no peito do gangster judeu que era Ben "Bugsy" Siegel. Agarrou na sua inseparável .38 Special, pronto para descer ao salão a estoirar a reluzente careca do Duce e a meter, de seguida, mais algumas boas balas na mioleira do abjecto alemão. Por uns instantes o curso da História do século XX esteve, na ponta da pistola do gangster a que Warren Beatty (vd. "Bugsy") emprestaria a cara e o corpo na tela do cinema, pendente da fúria assassina de um "capo di maffia"! Como Siegel ainda estivesse seminu, não foi difícil para a condessa Frasso, a menina rica da 5ª Avenida de Nova Iorque que o destino quis que fizesse figura de menina má, sossega-lo com o que sempre o sossegava e, assim, alterar o rumo da História.

Hotel Flamingo e Morte[editar | editar código-fonte]

Mais tarde, Siegel viajou para Las Vegas (Nevada)onde financiou a construção de alguns dos cassinos originais. Aí ajudou a desenvolver o William Wilkerson's Hotel Flamingo quando Wilkerson faliu, assumindo o projeto e conseguindo finalizar a construção. O Hotel Flamingo abriu dia 26 de dezembro de 1946, mas foi objeto de uma má recepção e logo fechado. Siegel reinaugurou-o em março de 1947, complementado com um hotel de luxo. Três meses depois, em 20 de junho de 1947, Siegel foi morto a tiros em Beverly Hills, na casa da sua nova namorada, Virginia Colina.

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Benjamin Siegel nasceu em 1906 em Williamsburg, Brooklyn, numa família judia pobre imigrada de Letychiv, Podólia Governorate, no Império Russo, actual Ucrânia. No entanto, outras fontes afirmam que a sua família era oriunda da Áustria. Seus pais, Max e Jennie Siegel, alimentavam a imensa mole humana de trabalhadores braçais que faziam não importa o quê por baixos salários. Siegel, o segundo de cinco filhos, prometeu-lhes que subiria na vida e dar-lhes-ia uma vida melhor. Ainda menino, Siegel abandonou a escola e juntou-se a um gangue da Lafayette Street, no Lower East Side de Manhattan. Cometia essencialmente pequenos roubos, até que conheceu Sedway Moe. Com Sedway, Siegel desenvolveu um esquema de proteção em que comerciantes eram obrigados a pagar-lhes um dólar contra a ameaça de incineração das suas mercadorias. A ficha criminal de Siegel incluía assaltos à mão armada, estupro e assassinato, numa espiral de crimes que remontava à sua adolescência.

No decorrer da juventude, fez amizade com Meyer Lansky, especializando-se nos negócios de jogo e roubo de carros. Em 1930, o sua gangue juntou-se com a de Charles Luciano para formar a Murder Inc., na qual ele era o terceiro membro. Siegel teria liquidado o adversário Joe "The Boss" Masseria o que coincidiu com o final da guerra das gangues. Siegel continuou a levar a cabo assassinatos para Luciano e, por volta de 1937, havia um grande número de contratos de Siegel, nomeadamente a eliminação violenta de membros de outros gangues, o que lhe granjeou bastante ódio por parte de muitos chefes da Máfia. Para o proteger, Lansky e Luciano persuadiram-no a mudar-se para a Califórnia. Na Califórnia, Siegel era o homem chave no gangue de Luciano e Lansky e extorquia dinheiro aos proprietários dos estúdios de filmes. Mais tarde, Siegel pediu 5 milhões de dólares ao sindicato do crime para construir o primeiro super casino/hotel em Las Vegas, o Flamingo Las Vegas. Devido a diversos fatores, mas principalmente por má gestão, o Flamingo Las Vegas tornou-se num fiasco e num desastre finaceiro.

Luciano exigiu o pagamento da dívida mas Siegel, julgando-se mais poderoso do que o "capo di tutti cappi", recusou. Luciano, então, ordenou a sua morte.

Embora Siegel tenha sido avisado por Lansky deste plano, continuou a recusar pagar, o que lhe foi fatal.

Em 20 de junho de 1947 um mafioso, a mando de Charlie "Lucky" Luciano, entrou por uma janela aberta no apartamento da namorada de Bugsy (a qual, avisada a tempo, saíra "para arejar"), matou-o com sete tiros de uma pistola calibre .30, a que acrescentou uma rajada de metralhadora.

No filme o The Godfather, de Francis Ford Coppola, o personagem de Moe Greene foi baseado em Bugsy Siegel.

Referências


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bugsy Siegel