Cavalleria rusticana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cavalleria rusticana
Cavalheirismo Rústico
Idioma original Italiano
Compositor Pietro Mascagni
Libretista Giovanni Targioni
Tipo do enredo Dramático
Número de atos 1
Número de cenas Cena única
Ano de estreia 1890
Local de estreia Teatro Costanzi, Roma

Cavalleria rusticana (em português Cavalheirismo rústico) é uma ópera em um único ato de Pietro Mascagni, estreada em 17 de maio de 1890 no Teatro Costanzi, em Roma. É dividida em duas partes, separadas por um intermezzo, mas se apresentam em cena contínua.

O libreto é de Giovanni Targioni-Tozzetti e de Guido Menasci, extraído da novela homónima de Giovanni Verga.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Parte I[editar | editar código-fonte]

É Domingo de Páscoa num povoado da Sicília. O povoado está reunido na igreja próxima à taverna de Mamma Lucia. Santuzza pergunta a respeito de seu prometido, o soldado Turiddu (hipocorístico siciliano de Salvatore), filho de Mamma Lucia, e ela responde que foi comprar vinho. Chega Alfio, marido de Lola, e solicita uma taça de vinho a Santuzza, e ela lhe responde que Turiddu foi buscar. Alfio não entende, porque viu Turiddu próximo de sua casa.

Tem início à procissão de Páscoa, e todos entram na igreja. Somente Mamma Lucia e Santuzza permanecem fora. Santuzza revela seu sofrimento a Lucia, por saber que Turiddu amava Lola antes de entrar para o exército. Ao voltar, Lola já tinha se casado com Alfio e Santuzza teria sido apenas uma substituta. Lola, desde então, tem se dedicado a seduzir Turiddu.

Chega Turiddu, e Santuzza suplica a ele que não a abandone. Mas Turiddu não faz conta e Santuzza conta a Alfio sobre suas suspeitas. Alfio, furioso, jura vingança.

Parte II[editar | editar código-fonte]

Sai o povo da igreja, terminada a missa. Vão, então, à taverna de Mamma Lucia comemorar. Turiddu é encarregado de servir aos demais. Alfio aparece, e recusa o vinho de Turiddu, insinuando a traição, ao dizer que seu copo estaria envenenado. Turiddu, então, o desafia a um duelo - pelo gesto scicillano -, desferindo-lhe uma mordida no lóbulo da orelha.

Antes de enfrentar Alfio, já pressentindo o desfecho, Turiddu roga a Mamma Lucia que cuide de Santuzza. Tem início o duelo. Pouco depois, aparece uma mulher em desespero, avisando Mamma Lucia de que seu filho Turiddu foi morto no duelo.

Passagens musicais famosas[editar | editar código-fonte]

As passagens mais conhecidas desta ópera são a Abertura Sinfônica e o Intermezzo, que são peças conhecidas do público geral, tendo sido usadas como parte da trilha sonora de novelas como Sangue do Meu Sangue (SBT, 1995) e Terra Nostra (Rede Globo, 1999). Também são famosas as seguintes árias:

  • "O Lola" (ária de Turiddu, cena inicial - parte da Abertura)
  • "Il Cavallo Scalpita" (ária de Alfio, primeiro ato)
  • "Regina Cælli Lætare/Ineggiamo al Signor" (Coro da Procissão, primeiro ato)
  • "Voi lo sapete, o mamma" (ária de Santuzza, primeiro ato)
  • "Ah! lo vedi, che hai tu detto?" (Dueto: Turiddu e Santuzza, primeiro ato)
  • "Ad essi non perdono" (Ária de Alfio, primeiro ato)
  • "Viva il vino spumeggiante" (Ária de Turiddu, segundo ato)
  • "Addio alla madre" (Ária de Turiddu, segundo ato)
Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.