Chancelaria dos Breves Apostólicos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Chancelaria dos Breves Apostólicos (também conhecida como Chancelaria Romana, Papal ou Apostólica), foi uma antiga divisão da Cúria Romana, entretanto fundida com a Congregação para os Assuntos Eclesiásticos Extraordinários pelo Papa Pio X em 29 de Junho de 1908 pela constituição apostólica Sapienti Consilio. À frente da Chancelaria estava o Chanceler da Santa Igreja Romana que era sempre um cardeal-presbítero de San Lorenzo in Damaso. O cargo não deve ser confundido com o de Camerlengo, que é o cardeal que lida com os assuntos da Santa Sé referentes à sede vacante.

A principal função do Chanceler era originalmente recolher contribuições para manter os exércitos pontifícios. O Papa Pio VII reformou o cargo quando Napoleão fez ultrapassar a necessidade de exércitos pontifícios. No início do século XX tinha apenas o dever de recolher fundos para trabalho missionário. O cargo foi abolido pelo motu proprio Quo aptius em 27 de Fevereiro de 1973 pelo Papa Paulo VI. As suas funções foram transferidas para a Secretaria de Estado do Vaticano.

Chanceleres da Santa Igreja Romana 1088-1187[editar | editar código-fonte]

Nota: alguns chanceleres antes de 1144 usaram o antigo título bibliothecarius em vez de cancellarius.

Vice-Chanceleres da Santa Igreja Romana 1187-1908[editar | editar código-fonte]

Chanceleres da Santa Igreja Romana 1908–1973[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Enviado como legado a Inglaterra, 1312. Durante a sua ausência, o Cardeal Jacques d'Euse (futuro Papa João XXII) substituiu-o.
  2. Aderiu a Avinhão em 1378 mas não foi formalmente deposto pelo Papa Urbano VI. A Chancelaria "Romana" era dirigida por Regentes da Chancelaria Apostólica: Renoul de Monteruc (1378-1382) e Francesco Moricotti (1382-1385). O último foi nomeado Vice-Chanceler após a morte de Pierre Monteruc em 1385. Na obediência de Avinhão os sucessores de Monteruc foram: Jacques de Mantenay (1385-1391) e Jean Allarmet de Brogny (1391-1408).
  3. Bartolomeo Francesco de la Capra, notário papal, actuou na capacidade de Vice-Chanceler. S. Miranda indica que o Cardeal Marino Bulcani foi nomeado Vice-Chanceler em Fevereiro de 1394 e ocupou o posto até à sua morte de 8 de Agosto desse ano, mas Bresslau, Klewitz, Handbuch..., p. 262 não refere tal e indica que Bartolomeo Francesco de la Capra foi director da Chancelaria apenas antes de 2 de Maio de 1394
  4. Gerard Faidit (1426-1431) e Blasius Molino (1431-1436) foram regentes da Chancelaria
  5. Berardo Eroli (1453-1457) e Juan de Mella(1455-1457) foram regentes da Chancelaria
  6. Cardeal Juan de Borja Lanzol de Romani (o Maior) foi Vice-Chanceler 1500-1503, durante a ausência do Cardeal Sforza.
  7. Foi excomungado pelo Papa Clemente VII em Novembro de 1526 e reabilitado meses depois. durante esse intervalo Francesco Armellini Pantalassi de' Medici foi Vice-Chanceler substituto.
  8. Cardeal Cesare Facchinetti foi Vice-Chanceler substituto (1679-1683), mas sem o título.

Fontes[editar | editar código-fonte]