Chen Guangcheng

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps kuser.svg
Este artigo ou seção é sobre uma pessoa envolvida em um evento atual.
A informação apresentada pode mudar rapidamente. Editado pela última vez em 31 de agosto de 2014.
Chen Guangcheng
Chen Guangcheng na Embaixada dos Estados Unidos em Pequim em 1 de maio de 2012.
Nascimento 12 de novembro de 1971 (43 anos)
 China
Nacionalidade chinesa
Cônjuge Yuan Weijing
Ocupação ativista dos direitos civis

Chen Guangcheng (12 de novembro de 1971) é um ativista chinês de direitos civis que trabalha em questões de direitos humanos em áreas rurais na República Popular da China. Cego desde a infância e autodidata em Direito, Chen é frequentemente descrito como "advogado de pés descalços" que defende os direitos das mulheres e o bem-estar dos pobres. É mais conhecido por expor os supostos abusos na política oficial de planejamento familiar, muitas vezes envolvendo alegações de violência e abortos forçados.

Em 2005, tornou-se internacionalmente conhecido por organizar uma ação coletiva contra a cidade de Linyi, na província de Shandong, pela aplicação excessiva da política do filho único. Como resultado deste processo, Chen foi mantido prisão domiciliar entre setembro de 2005 e março de 2006, e em prisão formal em junho de 2006. [1] [2] Durante o julgamento, os advogados de Chen foram proibidos de acessarem o tribunal, deixando-o sem um defensor apropriado. Em 24 de agosto de 2006, Chen foi condenado a quatro anos e três meses por "danificar propriedade e organizar multidão para perturbar o tráfego".

Chen foi libertado da prisão em 8 de setembro de 2010, após o cumprimento integral da pena, mas permaneceu sob prisão domiciliar em sua casa em Dongshigu Village (东 师 古村).[3] [4] Chen e sua esposa foram espancados em 9 de fevereiro de 2011, logo após um grupo de direitos humanos divulgarem um vídeo de sua casa sob vigilância policial intensa.[5]

O caso de Chen recebeu a atenção internacional, em especial do Departamento de Estado dos Estados Unidos, da Secretaria Britânica de Estrangeiros, da Human Rights Watch e da Anistia Internacional, que emitiram apelos por sua libertação: esta última designou Chen como um prisioneiro de consciência.[6] Chen é um dos laureado em 2007 com o Ramon Magsaysay Award e em 2006 teve seu nome listado entre as 100 personalidades mais influentes pela Revista Time.[7]

Em 22 de abril de 2012, Chen escapou de sua prisão domiciliar e fugiu para a embaixada dos Estados Unidos em Pequim.[8] [9] Após negociações com o governo chinês, ele deixou a embaixada para tratamento médico em 2 de maio de 2012,[10] e foi relatado em 4 de maio de 2012 que a China consideraria a permissão para Chen viajar aos Estados Unidos para estudar.[11] No mesmo dia, a Universidade de Nova Iorque o convidou para ser estudante visitante.[12] Em 19 de maio de 2012, Chen, sua esposa e seus dois filhos tiveram os vistos concedidos e partiram de Pequim em um voo comercial, chegando no mesmo dia em Nova Iorque.[13] [14]

Referências

  1. Pan, Philip P.. "Chinese to Prosecute Peasant Who Resisted One-Child Policy", Washington Post, 8 de julho de 2006. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  2. Chronology of Chen Guangcheng's Case Reuters, Human Rights Watch (19 de julho de 2006). Visitado em 26 de julho 2006. [ligação inativa]
  3. "China’s Intimidation of Dissidents Said to Persist After Prison", 17 February 2011. Página visitada em 19 de fevereiro de 2011.
  4. Grammaticas, Damian. "China activist Chen Guangcheng 'under house arrest'", BBC News, 10 de fevereiro de 2011.
  5. Jo Ling Kent and Jaime Florcruz. "Rights groups: prominent Chinese activist and wife beaten", CNN News, 11 de fevereiro de 2011.
  6. China: Torture/Medical concern/Prisoner of conscience, Chen Guangcheng Amnesty International (21 de junho de 2007). Visitado em 27 de abril de 2012.
  7. Beech, Hannah. "Chen Guangcheng – A Blind Man with Legal Vision", Time (magazine), 30 de abril de 2006. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  8. "Blind dissident's escape tests US-China ties", Al Jazeera English, 29 de abril de 2012.
  9. "Chen Guangcheng's escape sparks China round-up", BBC News, 29 de abril de 2012.
  10. Jane Perlez. "Blind Chinese Dissident Leaves U.S. Embassy for Medical Treatment", 2 de maio de 2012. Página visitada em 2 de maio de 2012.
  11. http://www.ft.com/intl/cms/s/0/8dba0cbc-95a8-11e1-a163-00144feab49a.html#axzz1tmVPri5f
  12. NYU invites Chen to be visiting scholar CNN (4 de maio de 2012). Visitado em 4 de maio de 2012.
  13. Andrew Jacobs and Steven Lee Meyers (19 May 2012). Chinese Dissident’s Arrival in U.S. Ends Diplomatic Drama The New York Times. Visitado em 19 de maio de 2012.
  14. Chinese human rights activist Chen arrives in U.S. © 2012 Cable News Network (19 May 2012). Visitado em 19 de maio de 2012.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chen Guangcheng