Clássico da Poesia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um poema do Clássico do Poesia, escrita à mão pelo Imperador Qianlong , juntamente com uma pintura.

O Clássico da Poesia ou Shi Jing ( chinês tradicional : 诗经 ; chinês simplificado : 诗经 ; pinyin : Shi Jing , Wade-Giles : Shih Ching ), traduzido de várias formas como o Livro dos Cânticos, o Livro de Odes, e muitas vezes conhecido simplesmente como o original nome de As Odes, é a mais antiga coleção existente de músicas e poemas chineses. É composto por 305 poemas e canções, alguns escrito provavelmente em 1000 aC.[1] [2] É um dos textos do clássico chinese denominado 'Cinco Clássicos'.

Tópicos[editar | editar código-fonte]

Tira não. 22 de Kǒngzǐ Shīlùn (孔子诗论), uma discussão inicial do Clássico da Poesia . Tinta em tiras de bambu, que remontam ao período dos Estados Guerreiros (475-221 aC), coleção do Museu de Xangai.

As Odes se tornaram conhecidas como um Jing, ou um "clássico", no canônico sentido, como parte da adoção oficial, pela Dinastia Han, do confucionismo como o princípio orientador da sociedade chinesa em todo o século 1 dC. A palavra "shi" é a mesma palavra que mais tarde se tornou o termo genérico para poesia. [3]

O Clássico da Poesia é uma antologia compilada a partir dos trabalhos de autores anônimos diferentes. Os diversos trabalhos recolhidos são geralmente associados com específicos períodos cronológicos, tais como a Dinastia Zhou, e / ou associado com os estados específicos daquele período de tempo; no entanto, muitas incertezas existem, especialmente quanto à datas dos mais antigos poemas.

Mais da metade dos poemas provavelmente eram originalmente canções populares. Elas relatam problemas básicos humanos, como amor, casamento, trabalho e guerra. Outros incluem poemas judiciais e contos lendários elogiando os fundadores da dinastia Zhou. Também estão incluídos os hinos usados em rituais de sacrifício,[4] e canções usadas pela aristocracia em suas cerimônias de sacrifício ou em banquetes.[5]

Estilo[editar | editar código-fonte]

Os poemas do Clássico da Poesia tendem a ter certos padrões típicos de rima e ritmo,e de fazer muito uso de imagens, muitas vezes derivada da natureza. Os vários versículos individuais também tendem a ser curto: o estilo destes poemas líricos contribuiu para o desenvolvimento de mais poesia chinesa posterios(especialmente para o "shi" em oposição a "ci" ou "fu" categorias formais).

O Shi Jing tem sido um clássico confucionista reverenciado desde a Dinastia Han, e tem sido estudado e memorizado por séculos pelos estudiosos na China. [4] As músicas populares eram vistas como uma maneira para a compreensão dos problemas das pessoas comuns, e muitas vezes foram lidos como alegorias,por exemplo, as queixas contra os amantes eram vistos como as queixas contra os governantes infies.[4]

A afirmação de Confúcio que o Shi Jing coleção formada uma parte dos Cinco Clássicos foi oficialmente reconhecida durante a Dinastia Han . Estes cinco livros, ou partes deles, foram comentados, compilados, ou editados pelo próprio Confúcio.

Autoria[editar | editar código-fonte]

Embora o Shi Jing não especifica os nomes dos autores em associação com as obras constantes, dois estudiosos modernos avançaram hipóteses sobre a autoria. O clássico da história diz que o poema "Coruja" ( chinês : 鸱鸮 ) nas Odes de Bin foi escrito pelo Duque de Zhou. Muitas das canções parecem ser canções populares[5] Além disso muitas das canções, parecem ser escritos por mulheres, ou a partir da perspectiva de uma mulher. [6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Voorst, Robert E. Van. Anthology of World Scriptures. [S.l.]: Cengage Learning, 2007. p. 140. ISBN 0495503878.
  2. Idema, Wilt L. and Lloyd Haft. A guide to Chinese literature: Issue 74. [S.l.]: Center for Chinese Studies, University of Michigan, 1997. p. 94. ISBN 089264099.
  3. Davis, A. R. (Albert Richard), Editor and Introduction,(1970), The Penguin Book of Chinese Verse. (Baltimore: Penguin Books].
  4. a b c Ebrey, Patricia. Chinese Civilisation: A Sourcebook. 2nd. ed. [S.l.]: The Free Press, 1993. 11–13 pp. ISBN 978-0-02-908752-7.
  5. a b de Bary, William Theodore; Chan, Wing-Tsit. In: William Theodore. Sources of Chinese Tradition: Volume I. [S.l.]: Columbia University Press, 1960. p. 3. ISBN 978-0-231-10939-0.
  6. Chang, Kang-i Sun (2001). "Gender and Canonicity", in Hsiang Lectures on Chinese Poetry, Volume 1, Grace S. Fong, editor. (Montreal: Center for East Asian Research, McGill University.

Traduções[editar | editar código-fonte]

  • Classic of Poetry, in The Sacred Books of China, translated by James Legge, 1879.
  • The Book of Songs, translated by Arthur Waley, edited with additional translations by Joseph R. Allen, New York: Grove Press, 1996.
  • Book of Poetry, translated by Xu Yuanchong (許淵沖), edited by Jiang Shengzhang (姜勝章), Hunan, China: Hunan chubanshe, 1993.
  • The Classic Anthology Defined by Confucius, translated by Ezra Pound, Cambridge: Harvard University Press, 1954.
  • The Book of Odes, translated by Bernhard Karlgren, Stockholm: The Museum of Far Eastern Antiquities, 1950.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Clássico da Poesia



  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Shi Jing ».