Crítica da Filosofia do Direito de Hegel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Crítica da Filosofia do Direito de Hegel (em alemão: Zur Kritik der Hegelschen Rechtsphilosophie) é um manuscrito do filósofo político Karl Marx de 1843, publicado postumamente. Apenas a introdução — escrita por Marx entre dezembro de 1843 e janeiro de 1844 — foi publicada nos Anais Franco-Alemães nos dias 7 e 10 de fevereiro de 1844.[1]

No manuscrito, Marx discorre sobre o livro Princípios da Filosofia do Direito de Georg Wilhelm Friedrich Hegel, de 1820, parágrafo por parágrafo. Uma das maiores críticas de Marx a Hegel no documento é o fato de que muitos dos seus argumentos dialéticos iniciam-se com abstrações. Neste trabalho se encontra uma das máximas de Marx, que afirma que a religião é o "ópio do povo", também contém as formulações particulares de Marx sobre a teoria da alienação, que por sua vez foi inspirada nos trabalhos de Ludwig Feuerbach.

Referências

  1. A Contribution to the Critique of Hegel’s Philosophy of Right. Introduction. (em inglês). Página do portal marxists.org, acessada em 10 de julho de 2013. A página menciona as datas em que foi escrita e publicada essa introdução da obra.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.