Crise da meia-idade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Crise da meia-idade é um termo criado em 1965 por Elliott Jaques usado para descrever uma forma de insegurança sofrida por alguns indivíduos que estão passando pela "meia-idade", no qual percebem que o período de sua juventude está acabando e a idade avançada se aproxima. Essa crise pode ser desencadeada por vários fatores relacionados com essa época da vida, como a morte dos parentes, casos extraconjugais, andropausa, menopausa, sensação de envelhecimento, insatisfação com a carreira profissional e saída dos filhos de casa. Normalmente quem passa por isso sente uma enorme vontade de mudar seus modos de vida fazendo gastos exagerados com aquisições fúteis, abandonando o emprego ou terminando o casamento.

Estudos indicam que algumas culturas podem ser mais sensíveis a este fenômeno do que outros, um deles revelou que há pouca evidência de que as pessoas sofrem crises de meia-idade nas culturas japonesa e indiana, levantando a questão se uma crise de meia-idade é somente uma concepção cultural das sociedades ocidentais.[1]

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Aproximadamente 10% das pessoas passam por esse problema, sendo mais comum entre os 40-60 anos de idade (um estudo da década de 1990 aponta que normalmente quem passa por isso começa com cerca de 46 anos[2] ) Crises de meia-idade duram de 3-10 anos em homens e 2-5 em mulheres..

Características[editar | editar código-fonte]

Pessoas com crise de meia-idade normalmente apresentam os seguintes sentimentos:

  • busca de um sonho ou objetivo de vida indefinido
  • profundo sentimento de remorso por metas não cumpridas
  • desejo de voltar a se sentir como em sua época de juventude
  • vontade de ficar mais tempo sozinho ou apenas com determinadas pessoas

E os seguintes comportamentos:

  • abuso de álcool
  • aquisição de itens não usuais ou muito caros, como motocicletas, barcos, roupas, carros esportivos, jóias, piercings, tatuagens, etc.
  • depressão
  • responsabilizar-se pelos seus fracassos pessoais
  • cuidado exagerado com a aparência e tentativa de parecer mais jovem
  • procurar relacionamentos com pessoas muito mais jovens

Referências

  1. Menon (2001), "Middle Adulthood in Cultural Perspective," in Lachman, "Handbook of Midlife Development", John Wiley
  2. More On The Midlife Crisis You May Never Have (2006-07-10).