Demonologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
"The Damned", afresco da Capela de São Brício, Orvieto, Itália, século XV, pintado por Luca Signorelli.
Portal A Wikipédia possui o
Portal do Ocultismo

Demonologia é o estudo sistemático dos demônios. Quando envolve os estudo de textos bíblicos, é considerada um ramo da Teologia. Por geralmente se referir aos demônios descritos no Cristianismo, pode ser considerada um estudo de parte da hierarquia bíblica. Também não está diretamente relacionada ao culto aos demônios.

Demonologia Cristã[editar | editar código-fonte]

As mais extensas exposições sobre demonologia cristã são o Malleus Maleficarum, de Heinrich Kraemer, Demonolatria, de Nicolas Rémy, e Compendium Maleficarum, de Francesco Maria Guazzo.

A demonologia se refere a catálogos que tentam nomear e definir uma hierarquia de demônios e espíritos malignos. Nesse sentido, a demonologia pode ser vista como uma imagem em espelho ou um ramo da angeologia, que estuda os anjos.

Os grimórios de ocultismo são tomos que conteriam os feitiços dessa versão da demonologia, contendo instruções de como convocar demônios e (espera-se), submetê-los à vontade do conjurador, embora nem todos os ocultistas antigos ou modernos necessariamente conjurem demônios.

Islamismo, judaísmo e zoroastrismo[editar | editar código-fonte]

No Islã, o demônio "Iblis" (Satã no cristianismo) não era um anjo, mas algo diferente, um "Jinn" (humanos teriam sido criados da terra, anjos da luz e jinn do fogo). Os "Jinn" não seriam necessariamente maus, poderiam ser bons ou pecadores, assim como os humanos. Portanto, os jinn e humanos seriam as únicas criações de Deus com livre arbítrio, enquanto anjos só poderiam seguir a vontade de Deus.A existência de uma personalidade sobrenatural malévola, que age para contrariar a vontade de um Deus "bom" é uma das crenças centrais do cristianismo.

Segundo a Igreja Católica, Deus criou anjos e entre eles havia um chamado Lúcifer, que era dito ser o mais belo. O nome Lúcifer significa "filho da luz". Este anjo quis ser como Deus. Esse foi o primeiro pecado existente , com isso ele foi exilado dos céus.

Muitos estudiosos acreditam que o Judaismo recebeu originalmente os conceitos de escatologia, angelologia e demonologia do Zoroastrismo, ideia essa que soa de forma anacrônica, tendo em vista que os primórdios da raiz doutrinária angelológica, demonológica e escatológica do judaísmo tem suas respectivas gênesis na torah (1500 a.C.) e nos Neviim (a partir do ano 730 a.C. aproximadamente), o que inviabiliza tal teoria tendo em vista que o zoroastrismo surgiu somente no século IV a.C., pouco depois do retorno judaico do cativeiro babilônico (quando todas as profecias escatológicas seriam canonizadas). Sendo afirmado pelo Judaismo, que esses conceitos fossem recebidos como parte da tradição oral vinda por meio de Adão, Noé e os três patriarcas Abraão, Isaac e Jacó. Na tradição do Zoroastrismo, Aura-Mazda, força do bem, eventualmente seria vitorioso em uma batalha com a força do mal conhecida como Arimã.

No Corão, quando Deus ordenou àqueles que presenciaram a criação de Adão, que se ajoelhassem perante ele, "Iblis" se recusou a fazê-lo, e então foi condenado por recusar a obedecer a vontade de Deus. O Novo Testamento afirma explicitamente a existência de espíritos adversários menores. No Cristianismo, Satã é o líder de uma força do mal se opondo ao todo bondoso Deus.

Budismo e hinduísmo[editar | editar código-fonte]

Algumas correntes do budismo afirmam a existência do inferno povoado por demônios que atormentam os pecadores e tentam os mortais a pecar, ou aqueles que buscam contrariar sua Iluminação, com um demônio chamado Mara como tentador chefe. O hinduísmo contém tradições de combates entre seus deuses e vários adversários, como o combate de Indra e Vritra. Outras correntes do budismo usam 6 infernos e demônios apenas como metáforas para estados de consciência, e não utilizam o conceito de pecado, mas sim ação e reação, causa e efeito, karma. Onde uma pessoa que comete, por exemplo, algum tipo de violência, poderá ter pensamentos ruins, angústia, arrependimento, insônia, traumas emocionais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]