Dia Internacional da Língua Materna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde julho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este artigo conforme o guia de tradução.

O Dia Internacional da Língua Materna é comemorado em 21 de fevereiro e foi proclamado pela UNESCO em 17 de novembro de 1999. Foi reconhecido formalmente pela Assembléia Geral das Nações Unidas, que estabelece 2008 como o ano internacional das Linguas. O dia Internacional da Língua Materna se originou com o Dia do Movimento da Língua, que é comemorado em Bangladesh (anteriormente Paquistão Oriental) desde 1952. O dia é comemorado anualmente pelos estados membros da UNESCO e em suas matrizes para promover o multilinguismo e a diversidade linguística e cultural.

História[editar | editar código-fonte]

Em 21 de fevereiro de 1952, correspondendo a 8 Falgun de 1359 no calendário de Bangla, um número de estudantes que fazem campanha para a reconciliação de Bangla como uma das línguas do estado do Paquistão foram mortos quando polícias atearam fogo em cima deles. Tudo começou em uma reunião pública sobre 21 de março de 1948, Muhammad Ali Jinnah, general do Paquistão, declarou que Urdu será a única língua para o oeste e Paquistão do leste. Os povos de Paquistão do Leste (agora Bangladesh), cuja a língua principal é bengali, começaram protestar de encontro a isto.

Uma reunião do estudante em 21 de fevereiro chamou-se para uma batida província-larga. Mas o governo invocou a seção 144 em 20 de fevereiro. A comunidade dos studantes em uma reunião sobre a manhã de 21 de fevereiro concordou continuar com seu protesto mas não quebrar a lei da seção 144. Mesmo assim as polícis abertas ateiaram fogo e mataram os estudantes.