Diabolique

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diabolique
Diabólica (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
1996 • cor • 107 min 
Direção Jeremiah S. Chechik
Produção James G. Robinson
Marvin Worth
Roteiro Henri-Georges Clouzot
Don Roos
Elenco Sharon Stone
Isabelle Adjani
Chazz Palminteri
Kathy Bates
Spalding Gray
Shirley Knight
Allen Garfield
Adam Hann-Byrd
Donal Logue
Gênero Neo-noir
Suspense
Terror
Idioma Inglês
Música Randy Edelman
Jeremy Sweet
Cinematografia Peter James
Edição Carol Littleton
Estúdio Morgan Creek Productions
Distribuição Warner Bros.
Lançamento Estados Unidos 22 de março de 1996
Brasil 31 de março de 1996
Portugal 27 de setembro de 1996
Orçamento US$45 milhões
Receita US$17,100,369
Página no IMDb (em inglês)

Diabolique (em Portugal: Diabólica) é um filme americano de 1996, do gênero terror, dirigido por Jeremiah S. Chechik. Estreou em 22 de março de 1996 nos Estados Unidos, 31 de março no Brasil e 27 de setembro em Portugal.

Filmado anteriormente como As diabólicas (1954), Reflexos de um crime (1974) e A mansão dos segredos (1993), o filme, na versão de 1996, recebeu uma indicação ao prêmio Framboesa de Ouro, na categoria de pior revelação, para a atriz Sharon Stone.[1]

Slogan: "Um homem, duas mulheres, uma combinação que pode matar".

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme fala sobre duas mulheres e um plano para matar o homem que as maltrata. Mia Baran é uma mulher romântica, submissa, humilde e muito tristonha, casada com Guy Baran, um homem rude, cruel, violento e sem nenhuma empátia, que a maltrata constantemente e tem um caso com Nicole Horner, a professora de matemática de um colégio primário para garotos onde ele é reitor. Nicole é uma mulher sexy, atraente, fria e bastante atrevida. Ela também sofre maltratos. A amante e a esposa, ao invés de se odiarem, acabam unindo forças para pôr um fim aos maltratos de Guy. Sabendo que ele tinha feito um seguro de vida onde Mia seria sua beneficiada, as duas o matam afogado em uma banheira na residência do casal e ocultam o cadáver na piscina da escola. Porém, no dia seguinte, descobrem que o corpo não estava mais lá. Começa, então, uma sequência de suspense e terror até que uma detetive particular chamada Shirley Voguel resolve investigar o caso.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

  • O filme mostra cenas de lesbianismo entre as personagens Mia e Nicole.
  • Este filme é baseado em um clássico francês de 1954, Les diaboliques, cujas as personagens eram interpretadas por Simone Signoret e Véra Clouzot.
  • A primeira versão do filme foi dirigida por Henri-Georges Clouzot.
  • Durante as gravações das cenas finais de violência Chazz Palmiteri quase quebrou uma das costelas de Sharon Stone.
  • Este filme se encaixa na categoria de envolvimento sexual, onde também se encaixam The Locust (Segredos Imperdoáveis) e Brokeback Mountain (O Segredo de Brokeback Mountain) sendo este último vencedor de prémios como o Oscar.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

O filme foi comparado desfavoravelmente ao filme original, e recebeu críticas negativas em geral.[2] [3] Atualmente, detém uma 'podre' posição 12% no Rotten Tomatoes baseado em 26 opiniões. Stone foi indicada para o prêmio Framboesa de Ouro para "Pior Nova Estrela" (como a nova "séria" Sharon Stone).

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme foi uma bomba nas bilheterias, arrecadando muito abaixo do seu orçamento de US$45 milhões.[4]

Notas

  1. Portal de Cinema - Sharon Stone Portaldecinema.com.br. Página visitada em 18 de março de 2009.
  2. "FILM REVIEW;Forget the Cerebral. Just Kill Him.", The New York Times. Página visitada em 2012-05-31.
  3. "Movie Reviews : 'Diabolique' Attempts to Replicate the Mystique", Los Angeles Times. Página visitada em 2012-05-31.
  4. "Weekend Box Office", Los Angeles Times. Página visitada em 2012-05-31.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]