Enheduana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Enheduana ou En-hedu-ana foi uma princesa do Império Acádio que viveu no século XXIII a.C. (supõe-se que entre 2 285 e 2 250 a.C.), sendo a primeira mulher na história a tomar o posto de Alta Sacerdotisa (sábia), servindo ao templo da lua Nana, na cidade suméria de Ur [1] .

Foi também a primeira autora da literatura universal, da filosofia e da história da ciência, devido ao fato de que, apesar de haver outros autores (como, por exemplo, os escribas), ter sido Enheduana a primeira a assinar suas obras. Ela é frequentemente identificada como filha do rei Sargão da Acádia[2] , mas tal atribuição não significa que fosse, de fato, sua descendente. Trata-se, mais provavelmente, de um título honorífico a respeito dos quais os historiadores ainda especulam [3] .

A grande importância do cargo de sacerdotisa da deusa lua fez dela uma pessoa muito poderosa, pois nestes templos ela dirigia toda sorte de atividades, desde o comércio, artes, agricultura; também eram ensinados matemática, ciências e especialmente o movimento das estrelas e dos planetas sobre os quais Enhedeuana procurou entender o movimento dos planetas pesados [4] .

Ela é conhecida como a autora de 42 hinos relativos a templos acádios em diferentes cidades e três hinos (em sua maioria poemas narrativos) a Inana, dos quais há fragmentos (Ninmeshara, Inninshagurra e Nimehussa), além de conter a obra "A Ascensão de Inana" (ou "O Despertar de Inana"). Os hinos são considerados o primeiro esforço registrado na História para compor uma teologia sistemática.

Enheduana é geralmente considerada como portadora de enorme erudição e sabedoria. A primeira prova arqueológica da existência consiste num disco de alabastro (atualmente no Museu da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos), descoberto por Sir Leonard Woolley em 1925.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. About.com Women History
  2. EDZARD, Dietz O. Mesopotamia to the end of the Old Babylonian period. Encyclopædia Britannica (em inglês) - página visitada em 14 de março de 2012
  3. Ancient History Encyclopedia, Enheduana
  4. Augustine Perumalil, History of Women in Philosophy. p. 2

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.