Estádio da Gávea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gávea
Nome Estádio José Bastos Padilha
Características
Local Rio de Janeiro
Gramado (105 x 68 m)
Capacidade 4 000 pessoas
Construção
Data 1933-1938
Inauguração
Data 4 de setembro de 1938
Partida inaugural Flamengo 0x2 Vasco
Primeiro gol Niginho (Vasco da Gama)
Último Jogo
Recordes
Público recorde 17 999
Data recorde 10 de junho de 1946
Partida com mais público Flamengo 2x5 Fluminense
Outras informações
Expandido 1994
Fechado 1997
Proprietário Flamengo
Administrador Flamengo
Mandante Flamengo

O Estádio da Gávea, cujo nome oficial é Estádio José Bastos Padilha, é um estádio de futebol inaugurado em 4 de setembro de 1938, situado no bairro do Leblon, no município do Rio de Janeiro, no Brasil.

Sua capacidade máxima atual é de 4 000 pessoas[1] e é de propriedade do Clube de Regatas do Flamengo.

O estádio recebeu o nome de José Bastos Padilha, presidente do clube entre 1933 e 1937, falecido durante a construção do estádio.

Impropriedade do nome popular[editar | editar código-fonte]

Popularmente, o estádio costuma ser chamado de "Estádio da Gávea", embora, legalmente, o estádio não se situe no bairro da Gávea, mas no bairro do Leblon.

O Fla-Flu da Lagoa, realizado em 23 de novembro de 1941, entrou para a história. Neste embate, os jogadores do Fluminense chutaram de propósito bolas na direção da Lagoa Rodrigo de Freitas (na época, a distância do estádio para a lagoa era pequena), tentando ganhar tempo no jogo disputado no estádio da Gávea, e os remadores do Flamengo teriam se lançado às águas para resgatar as bolas. O emocionante empate por 2 a 2 garantiu o título para o Flu, conforme fatos publicados em O Globo Esportivo, edição 171 de 1941, em sua página 5.[2]

História[editar | editar código-fonte]

O jogo de estreia do Flamengo no estádio foi contra o Vasco da Gama em 4 de setembro de 1938 pelo campeonato carioca daquele ano. Na ocasião, a equipe vascaína ganhou por 2 a 0 e o primeiro gol do estádio foi marcado por Niginho.

Em 1994, o então presidente Luiz Augusto Veloso implantou, em parceria com uma empresa privada, uma arquibancada tubular no estádio, já retirada, ampliando a capacidade para 25.000, de modo a poder usar o estádio em partidas contra equipes de menor porte e, dessa maneira, reservar o Maracanã somente para partidas contra times de maior expressão. O Estádio da Gávea passou a servir como palco para eventos, gerando uma fonte alternativa de receita para o clube.

O Flamengo não utiliza mais o Estádio da Gávea para partidas oficiais. Seu último jogo no local foi em 27 de abril de 1997, quando venceu por 3 a 0 o Americano.

Desde então, o clube passou a mandar suas partidas apenas no Maracanã.

Um dos maiores eventos recebidos pelo estádio foi um megashow do cantor inglês Elton John em 24 de Novembro de 1995, durante a sua turnê "Made in England". O público foi de 60 000 pessoas [carece de fontes?] e o show saiu posteriormente em DVD. Roberto Carlos e Tim Maia também se exibiram no local.

O estádio recebeu público de mais de 20 000 espectadores na apresentação de Ronaldinho Gaúcho pela equipe do Flamengo, em 12 de janeiro de 2011.

Projeto[editar | editar código-fonte]

Atualmente, o Flamengo não joga no Estádio da Gávea. O clube sempre utiliza o Maracanã ou outros estádios. O Flamengo tem um projeto de revitalização da Gávea, tornando-a uma arena para enfrentar equipes de menor expressão.

Em outubro de 2013 o clube assinou contrato com a concessionária 'Maracanã SA' em que consta o compromisso de que a construtora Odebrecht (sócia majoritária do consórcio administrador do Maracanã) realizará estudo de viabilidade para a construção ou reforma do estádio, estudo esse que deve ser finalizado até o fim do ano de 2014.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [CNEF - Cadastro Nacional dos Estádios e Futebol-CBF (2012)]
  2. O Globo Esportivo, edição 171 de 1941, página 5
Ícone de esboço Este artigo sobre estádios de futebol do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.