Flores Raras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Flores Raras[1]
Flores Raras (PT)
 Brasil
2013 • cor • 118 min 
Direção Bruno Barreto
Produção Paula Barreto
Lucy Barreto
Coprodução Globo Filmes
LC Barreto
Produção executiva Romulo Marinho
Roteiro Carolina Kotscho
Matthew Chapman
Baseado em Flores Raras e Banalíssimas, de Carmem Lucia de Oliveira [2]
Elenco Glória Pires
Miranda Otto
Tracy Middendorf
Treat Williams
Marcello Airoldi
Luciana Souza
Tânia Costa
Marianna Mac Nieven
Gênero Drama
Idioma Português
Inglês
Direção de arte José Joaquim Salles
Direção de fotografia Mauro Pinheiro
Figurino Marcelo Pies
Estúdio Globo Filmes
LC Barreto Productions
Imagem Filmes
Globosat/Telecine Productions
Teleimage[3]
Distribuição Imagem Filmes
Lançamento 16 de agosto de 2013
Orçamento R$ 13 milhões
Flores Raras Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Flores Raras é um filme de drama brasileiro lançado em 2013. Dirigido por Bruno Barreto (Dona Flor e seus Dois Maridos), o filme é baseado no livro Flores Raras e Banalíssimas, de Carmen L. Oliveira [4] .

Em entrevista ao portal de notícias G1 o diretor disse que o Brasil ainda é um país muito conservador se referindo à dificuldade que teve em obter patrocínios pelo fato de o enredo girar em torno de um romance gay.[5] . O filme teve um orçamento total de R$ 13 milhões, foi distribuído pela Imagem filmes [6] e exibido em 150 salas de cinema do país.

A princípio, o nome do filme seria A Arte de Perder, mudando mais tarde para Flores Raras, posteriormente passou a ser Você Nunca Disse Eu Te Amo e voltou a ter o título Flores Raras.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme é baseado na história de amor real entre a poetisa americana Elizabeth Bishop e arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares [7] . Ambientado em Petrópolis, dos anos de 1950 e 1960, a história coincide com o surgimento da Bossa Nova e a construção e inauguração da capital Brasília. O filme trata a história dessas duas mulheres e suas trajetórias.[8]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Crítica[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu críticas positivas. Em seu artigo para a coluna "ilustrada" da Folha, o blogueiro Sérgio Alprendre destacou "a sobriedade que o diretor Bruno Barreto impõe a seu filme(...)" [9] . Já o Blog "Social Club" disse que "(...) o filme é um convite a refletir sobre as ramificações do amor". Também disse que na história de amor entre Elizabeth e Lota, "a orientação sexual e as fronteiras geográficas são um mero detalhe" [10] .

A página de cultura do jornal O Globo também elogiou o filme, destacando o fato de a imprensa americana ter "se rendido ao desempenho das atrizes Glória Pires e Miranda Otto nos papéis de protagonistas da trama [11] . O crítico Darlano Dídimo em seu artigo para o site Cinema com Rapadura também deu um parecer favorável ao filme oferecendo uma avaliação nota 8/10, além de destacar que o maior triunfo da história é "não polemizar, não levantar bandeiras". De acordo com ele, o filme se foca em entender o amor apenas como um sentimento, mas também afirma que, para esse amor acontecer, "é preciso levá-lo para regiões afastadas das cidades" [12] .

A atuação, e também o desempenho, do elenco foi muito elogiada assim pela crítica como pelo público. O autor brasileiro de novelas Aguinaldo Silva afirmou em seu blog que está torcendo para que a atriz Glória Pires seja uma das indicadas na categoria de "Melhor Atriz" no Globo de Ouro e ao Oscar de 2014. "Não se surpreendam caso o nome de Glória Pires apareça na lista das candidatas. Os críticos americanos que já viram Flores Raras em sessões especiais e ficaram encantados com o trabalho dela" afirmou o autor [13] [14] . Já para a coluna de cinema do Terra, no início da trama Glória é quem rouba a cena, destacando que 95% do filme é falado em inglês, que segundo portal, para muitos é uma surpresa. [15] . O jornalista Sidney Rezende também publicou, assinado por Ana Carolina Garcia a atriz Miranda Otto, já conhecida pelo público por interpretações em filmes de grande bilheteria como a trilogia de O Senhor dos Anéis, acertou no tom da personagem desde o início[16] .

Elenco[editar | editar código-fonte]

Festivais, Custos e disputa ao Oscar[editar | editar código-fonte]

Visto por cerca de 161 mil espectadores em suas duas primeiras semanas de exibição no Brasil, “Flores raras”, de Bruno Barreto, que já viajou por dez festivais no exterior, incluindo o Festival de Berlim[17] (onde ganhou prêmio de público) e Festival de Cinema de Tribeca, prepara agora sua marcha para ganhar os mercados estrangeiros. Na estratégia armada pelo casal de produtores Lucy e Luiz Carlos Barreto, o circuito dos Estados Unidos é o primeiro da fila. Produzida ao custo de R$ 13 milhões, a história de amor entre a poeta americana Elizabeth Bishop e a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares, estreia no primeiro fim de semana de dezembro em Nova York e em Los Angeles, a fim de se habilitar para disputar o Oscar.[18] Porém o drama não foi indicado em nenhuma categoria do prêmio.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Gloria Pires 
Miranda Otto 
Treat Williams 
Marcello Airoldi 

Classificação Indicativa[editar | editar código-fonte]

O filme foi classificado pelo Ministério da Justiça como inadequado para menores de 14 anos, por conter cenas de sexo e consumo de drogas ilícitas [19]

Referências

  1. Flores raras em Globo filmes
  2. Flores raras e banalíssimas, A história de Lota de Macedo Soares e Elizabeth Bishop, Editora Rocco, acesso em 05/09/2013
  3. Company Credits on IMDb
  4. Flores Raras, "Cinema 10" acesso em 05/09/2013
  5. Romance gay dificultou patrocínio para Flores Raras, diz diretor
  6. Flores Raras Imagem Filmes, acesso em 05/09/2013
  7. Coluna Ilustrada, por Sérgio Alpendre para a Folha, acesso em 05/09/2013
  8. Flores Raras em Imagem filmes
  9. Coluna Ilustrada, por Sérgio Alpendere, acesso em 05/09/2013
  10. Blog Social Club, artigo Flores Raras, acesso em 05/09/2013
  11. Aprovado nos festivais estrangeiros, Flores raras prepara agora sua estratégia para chegar ao Oscar - Jornal O Globo, acesso em 05/09/2013
  12. Flores Raras (2013): "Bruno Barreto filma romance lésbico com delicadeza", Crítica Darlano Dídimo, site "Cinema com Rapadura", acesso em 06/09/2013
  13. Aguinaldo Silva sobre Gloria Pires em 'Flores Raras': 'Será indicada ao Oscar', site "purepeople", acesso em 06/09/2013
  14. "Aguinaldo Silva aposta na indicação de Gloria Pires ao Globo de Ouro e ao Oscar" site "rondoniadinamica", acesso em 06/09/2013
  15. "Com história de amor entre mulheres, Flores Raras ensina a arte de perder", artigo de Nathália Salvado, site "Portal Terra", acesso em 06/09/2013
  16. ‘Flores Raras’: Glória Pires e Miranda Otto arrasam em cena, Ana Carolina Garcia, site "SRZD|Sidney Rezende", acesso em 06/09/2013
  17. "Flores raras", de Bruno Barreto, é apresentado no Festival de Berlim, Folha de São Paulo, acesso em 12/02/2013
  18. Aprovado nos festivais estrangeiros, ‘Flores raras’ prepara agora sua estratégia para chegar ao Oscar, O Globo, acesso em 30/08/2013
  19. Flores Raras, Imagem Filmes, acesso em 05/09/2013

Ligações externas[editar | editar código-fonte]