Franz König

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Franz König (Rabenstein, Baixa Áustria, 3 de agosto de 1905Viena, 13 de março de 2004) foi um prelado católico austríaco, Arcebispo de Viena de 1956 até 1985 e um dos principais teólogos do Concílio Vaticano II.

Ordenado em 1933 pelo arcebispo de Viena Theodor Innitzer a quem sucedeu em 1956, foi promovido a cardeal em dezembro de 1958 pelo recém-eleito Papa João XXIII.

Celebrizou-se como um dos campeões do ecumenismo e da coexistência pacífica com o bloco marxista.

Em 1971 intercedeu pela soltura do cardeal húngaro József Mindszenty que após 15 anos em prisão domiciliar finalmente recebeu um salvo-conduto para deixar a Budapeste rumo a Viena.

No conclave de outubro de 1978, foi um dos articuladores da candidatura vitoriosa do cardeal polonês Karol Wojtyła. Entretanto, as suas relações com a Santa Sé tradicionalmente amistosas, se deterioraram a partir de então.

König criticou o Papa João Paulo II por conta do seu estilo centralizador que a seu ver reverteu as reformas pós-conciliares. Por sua vez, a Cúria Romana também demonstrou certa hostilidade contra König, ao impor como seu sucessor o arquiconservador Hans-Hermann Groër que após ser acusado de assédio sexual foi aposentado pelo Vaticano em 1995.

Ao morrer em 2004 era o último remanescente dos cardeais criados por João XXIII.

Ícone de esboço Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.