Geração X

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Geração X, também abreviado como gen x, é o termo que se refere a geração nascida após o "Baby boom".[1] Embora não haja acordo em relação ao período que a expressão abrange [2] , ela geralmente inclui as pessoas nascidas a partir do início dos anos 1960 até o final dos anos 1970, podendo alcançar o início dos anos 1980, sem contudo ultrapassar 1984.[3] [4] [5]

O problema decorre da dificuldade em definir exatamente uma geração em função do ano de nascimento. Como Fran Kick explica, não existe uma linha rígida a separar 31 de dezembro de um ano de 1 de janeiro do seguinte. Frequentemente, a mudança entre gerações ocorre ao longo de 3 a 5 anos, talvez mais, dependendo de para quem se pergunta.[5] [6]

O termo, também, foi usado em diversos tempos e lugares para referir-se a várias subculturas e contraculturas diferentes desde 1950 [7] .

O termo Geração X foi inventado pelo fotógrafo da Magnum, Robert Capa, em 1950. Ele iria usá-lo mais tarde como título de um ensaio fotográfico sobre homens e mulheres jovens que cresceram imediatamente após a Segunda Guerra Mundial. O projeto emergiu em “Picture Post”, Reino Unido, e “Holiday”, EUA, em 1953. Descrevendo a sua intenção, Capa disse: “Nós nomeamos esta geração desconhecida como Geração X e, mesmo em nosso primeiro entusiasmo, percebemos que tínhamos algo muito maior do que os nossos talentos e bolsos poderia lidar” [8] . O escritor John Ulrich explica: "Desde então, Geração X sempre significou um grupo de jovens, aparentemente sem identidade, a enfrentar um incerto, mal definido, talvez hostil, futuro. Aparições posteriores do termo, em meados dos anos 1960 e meados de 1970, mudaram sua abrangência de geração global, atribuída por Capa, para conjuntos específicos de sub-culturas da juventude britânica, constituídos principalmente de homens brancos da classe trabalhadora, desde os mods e seus rivais os rockers até a sub-cultura punk, mais abertamente contestadora".[7]

O termo foi usado, por Jane Deverson, em um estudo de 1964 a respeito da juventude britânica. Deverson foi convidada pela revista Woman's Own para entrevistar os adolescentes da época. O estudo revelou uma geração de adolescentes para quem era normal manter relações sexuais antes do casamento, que não acreditavam muito em Deus, que não gostavam da Rainha Elizabeth II e não respeitavam os pais. Antes mesmo de ter se cunhado o termo Geração Apática, ou Slacker generation, a peça foi considerada inadequada para a revista. Deverson, em uma tentativa de salvar sua pesquisa, trabalhou com o jornalista Charles Hamblett para criar um livro a partir do estudo. Hamblett decidiu nomeá-lo Geração X.[9]

O termo foi popularizado pelo romance “Geração X: contos para uma cultura acelerada”, 1991, do autor canadense Douglas Coupland, sobre os jovens do final dos anos 1980 e seu estilo de vida. Enquanto o livro de Coupland ajudou a popularizar a expressão “Geração X”, um artigo da revista 1989 [10] , erroneamente, atribuíu o termo ao músico inglês Billy Idol. Na verdade, Idol foi membro da banda punk Generation X de 1976 a 1981, cujo nome foi adotado após a publicação do livro de Deverson e Hamblett, em 1965, uma cópia do qual foi adquirida pela mãe de Idol [11] .

Nos EUA, Generation X originalmente referia-se a "baby bust", geração assim nomeada por causa da queda da taxa de natalidade após o “Baby boom”.[2]

Linha do tempoVeja também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Baby boomers
Geração X
1960 - [[1983]]
Sucedido por
Geração Y
  1. Stephey, M.J.. "Gen-X: The Ignored Generation?", Time, 2008-04-16. Página visitada em 2010-05-03.
  2. a b Encyclopedia of Identity By Ronald L. Jackson, II
  3. Strauss, William & Howe, Neil. Generations: The History of America's Future, 1584 to 2069. Perennial, 1992 (Reprint). ISBN 0-688-11912-3 p. 324
  4. a b Carlson, Elwood. The Lucky Few: Between the Greatest Generation and the Baby Boom. [S.l.]: Springer, 2008-06-30. ISBN 978-1-4020-8540-6.
  5. Kick, Fran. What makes kids kick:inspiring the millennial generation to kick it. [S.l.]: Instruction & Design Concepts, 2005. 33 pp.
  6. a b Ulrich, John. In: Andrea L. Harris. GenXegesis: essays on alternative youth. [S.l.: s.n.]. 3 pp.
  7. GenXegesis: essays on alternative youth (sub)culture By John McAllister Ulrich, Andrea L. Harris p. 5.
  8. Asthana, Anushka & Thorpe, Vanessa. "Whatever happened to the original Generation X?". The Observer. January 23, 2005.
  9. Coupland, Doug. "Generation X." Vista, 1989.
  10. Generation X - A Punk History with Pictures