Guilherme de Hohenzollern-Sigmaringen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Guilherme de Hohenzollern-Sigmaringen, à esquerda

Guilherme de Hohenzollern-Sigmaringen (7 de março de 1864 - 22 de outubro de 1927) foi o chefe da Casa de Hohenzollern-Sigmaringen de 1905 até a sua morte.

Família[editar | editar código-fonte]

Filho mais velho do príncipe Leopoldo de Hohenzollern-Sigmaringen e de sua esposa, a infanta Antónia de Portugal, Guilherme nasceu no Castelo de Benrath, perto de Düsseldorf, Alemanha. Seus avós maternos foram a rainha D.ª Maria II de Portugal e o rei consorte D. Fernando II.

Um de seus irmãos foi o futuro Fernando I da Romênia. Entre seus primos, estavam D. Carlos I de Portugal, o duque de Porto, Frederico Augusto III da Saxônia e a princesa Maria Josefa da Saxônia.

Ele sucedeu seu pai como príncipe de Hohenzollern-Sigmaringen em 8 de junho de 1905.

Primeiro casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Em 27 de junho de 1889, Guilherme desposou a princesa Maria Teresa de Bourbon-Duas Sicílias, filha de Luís, conde de Trani e de Matilde Luísa da Baviera. Maria Teresa era, portanto, uma neta de Fernando II das Duas Sicílias e uma sobrinha da imperatriz "Sissi" da Áustria. O casal teve três filhos:

Segundo casamento[editar | editar código-fonte]

Guilherme tornou-se viúvo em 1º de maio de 1909. Em 20 de janeiro de 1915, ele desposou a princesa Aldegunda Maria Augusta Teresa da Baviera (1870-1958), uma filha do rei Luís III da Baviera. Este casamento não gerou descendentes. Seu título de príncipe de Hohenzollern foi efetivamente abolido com o colapso do Império Alemão, em 1918. Entretanto, ele continuou a titular-se como tal até a sua morte, em Sigmaringen.