Guillaume-Chrétien de Lamoignon de Malesherbes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chretien-Guillaume de Lamoignon de Malesherbes.jpg

Guillaume-Chrétien de Lamoignon de Malesherbes (Paris, 6 de dezembro de 172122 de abril de 1794) foi um estadista e ministro francês.

Presidente da Corte de Auxílio, e diretor da Biblioteca Nacional no ano de 1750, fez ao Rei Luís XV a demonstração dos custos e gastos da Corte, levando Luís XV a terminar com a Corte de Auxílio, e o exilar em suas terras.

Repetiu a mesma façanha no reinado de Luís XVI, que ao contrário, nomeou-o Ministro de Estado, cargo do qual pediu demissão um ano mais tarde.

Malesherbes estudava as Ciências Naturais, e em 1750 entrou para a Academia de Ciências. Mais tarde foi membro da Academia de Escritores. Orador notável, foi partidário do livre pensamento e das idéias de justiça, e um humanitarista, além de amigo dos enciclopedistas franceses, aos quais protegia nessas circunstâncias e para realizá-lo de forma eficiente se manteve em comunicação com os líderes literários de Paris, e especialmente com Diderot, e Friedrich Melchior, podendo dizer que "sem a ajuda de Malesherbes a "Encyclopédie" provavelmente nunca teria sido publicada ".

No dia 12 de janeiro de 1775, foi nomeado por unanimidade, como novo membro da Academia Francesa de Letras, em substituição a Dupré de Saint-Mauer.

Malesherbes deixou a França quando eclodiu a Revolução Francesa, mas retornou quando foi formada a Convenção que julgaria o Rei. Seu retorno ocorreu em junho de 1792, demonstrando grande simplicidade e coragem.

Depois do processo e da morte do Rei, ele permaneceu em Paris, mas foi preso no mês de dezembro de 1793, aprisionado em Port-Libre, e guilhotinado em 22 de abril de 1794.

Era bisavô do filósofo e historiador Alexis de Tocqueville.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.